14.5 C
Brasília
quinta-feira, 18 julho, 2024

Se juntar ao BRICS foi um sonho se tornando realidade para o Egito, diz ex-ministro do Exterior

© Sputnik / Natalia Seliverstova

Sputnik – O Egito, junto da Etiópia, da Arábia Saudita, dos Emirados Árabes Unidos e do Irã, aderiram ao BRICS em janeiro deste ano. O grupo, por enquanto, pausou a entrada de novos membros para instituir um período de adaptação aos novos integrantes.

A recente inclusão do Egito no BRICS, grupo de países emergentes, é vista como um passo significativo no sentido de melhorar as perspectivas econômicas do país.

Em entrevista à Sputnik, o antigo ministro das Relações Exteriores egípcio, Mohamed Orabi, destacou a ambição de longa data da nação em aderir ao BRICS, que remonta a 2009, e os potenciais benefícios para a economia do Egito.

“Em 2009 eu era ministro-adjunto das Relações Exteriores para Assuntos Econômicos e, na época, fizemos muitos esforços para aderir ao BRICS”, disse.

“Já realizamos esse sonho, e acho que isso irá melhorar a nossa economia.”

Orabi acredita que a iniciativa de transações em moedas nacionais do BRICS, que visa a reduzir a dependência dos sistemas financeiros e das moedas ocidentais, impulsionará significativamente o comércio entre os países-membros, incluindo o Egito.

“A liquidação cambial: isso melhoraria o comércio entre os membros do BRICS e daria uma espécie de impulso à relação comercial, que é a principal questão ou o principal motivo do BRICS como grupo econômico.”

Da esquerda para a direita, responsáveis de Relações Exteriores de vários países: Dammu Ravi, da Índia; Sameh Shoukry, do Egito; Naledi Pandor, da África do Sul; Wang Yi, da China; Sergei Lavrov, da Rússia; Mauro Vieira, do Brasil; Abdullah bin Zayed Al Nahyan, dos Emirados Árabes Unidos; Taye Atskeselassie, da Etiópia, e Ali Bagheri durante foto conjunta para a reunião de ministros das Relações Exteriores do BRICS em Nizhny Novgorod. Rússia, 10 de junho de 2024 - Sputnik Brasil, 1920, 01.07.2024

Panorama internacional

BRICS em evidência: poder do grupo vem chamando atenção de economias robustas, observam analistas

localização estratégica do Egito e os fortes laços diplomáticos o posicionam como potencial facilitador da cooperação entre os membros do BRICS e outros grupos econômicos e políticos globais.

Orabi enfatizou o compromisso do país em manter a abordagem equilibrada e promover relacionamentos fortes com diversos atores internacionais, sem favorecer nenhum grupo específico.

“Não é nosso objetivo nos inclinar para um grupo contra o outro, mas penso que tentaremos estabelecer uma relação muito abrangente, estável e boa com todos os grupos econômicos e políticos do mundo”, disse o diplomata.

No curto prazo, diz Orabi, o Egito pretende usar sua adesão ao BRICS como forma de atrair investimentos e fortalecer sua economia. No longo prazo, os objetivos incluem a promoção do comércio e do investimento com países do bloco, a criação de parcerias mutuamente benéficas e a redução das disparidades econômicas globais.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS