10.5 C
Brasília
sábado, 20 julho, 2024

São mais de 90 mil operações devido ao conflito armado no Equador

(Foto: Reprodução)

Quito, 12 fev (Prensa Latina) Mais de 90 mil operações já foram realizadas no Equador por forças militares e policiais desde que o presidente Daniel Noboa declarou a existência de um conflito armado interno no país, segundo o balanço oficial divulgado hoje.

Depois de mais de um mês de ações contra o crime organizado, o Governo informou que o número de detidos ascende a 7.528, dos quais 241 foram presos por alegado terrorismo.

Da mesma forma, durante as operações, os agentes da lei apreenderam 49.264 quilos de drogas, 2.312 armas de fogo, 158 mil munições, 12 mil explosivos e 185.943 dólares.

Nestas ações realizadas tanto nas prisões como nas ruas, as forças de segurança mataram oito pessoas, que identificaram como terroristas, e morreram dois agentes policiais.

Neste contexto, um juiz ordenou que a Provedoria de Justiça investigasse alegados atos de tortura cometidos por militares em diversas prisões onde os militares estão localizados, para pôr fim à série de motins nos centros penitenciários.

O magistrado Manuel Peña, de Guayaquil, ordenou “o monitoramento do estado de saúde mental dos detidos” e pediu à Defensoria Pública que investigasse no prazo de 45 dias as denúncias de supostos “atos de tortura que existiram nas prisões” do Equador”.

Esta nação sul-americana atravessa um estado de emergência e um conflito armado interno, declarado pelo presidente Noboa em 9 de janeiro, diante de uma onda de ataques e ações violentas atribuídas ao crime organizado.

Estas incluíram o rapto de agentes da polícia, alertas de explosão, veículos em chamas e tumultos simultâneos nas prisões com cerca de 200 reféns que conseguiram ser libertados.

Ao declarar o conflito armado interno, o Governo identificou 22 grupos do crime organizado transnacional e classificou-os como organizações terroristas e actores beligerantes não estatais.

Dessa forma, o presidente abriu uma porta legal para que militares e policiais atuassem com todos os seus recursos para neutralizá-los.

O Equador é considerado um dos países mais violentos do mundo, com 45 homicídios intencionais por 100 mil habitantes em 2023.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS