17.5 C
Brasília
quarta-feira, 24 julho, 2024

Rússia: EUA e Reino Unido participaram no ataque a Sebastopol

Vista aérea da cidade de Sebastopol após o ataque com mísseis ucranianos contra o quartel-general da Frota Russa do Mar Negro, 22 de setembro de 2023. (Foto: AFP)

HispanTV – A Rússia denuncia que serviços de espionagem britânicos e americanos estiveram envolvidos num ataque lançado pela Ucrânia a Sebastopol na sexta-feira.

“Em 22 de setembro, [a cidade de] Sebastopol foi atacada novamente e não há dúvida de que este ataque foi planejado antecipadamente usando meios de inteligência ocidentais, equipamentos de satélite da OTAN [Organização do Tratado do Atlântico Norte], aviões espiões, e que foi transportado realizadas a pedido dos serviços de inteligência americanos e britânicos e em estreita coordenação com eles”, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, María Zajarova, em entrevista coletiva esta quarta-feira.

Moscovo anunciou que o ataque causou danos materiais ao  quartel-general da Frota Russa do Mar Negro  no porto de Sebastopol, na península da Crimeia — anexada à Rússia em 2014. No entanto, o Kremlin rejeitou as alegações de Kiev de que o ataque com mísseis ceifou a vida de 34 militares russos.

Zakharova descreveu o ataque de sexta-feira e outros lançados contra o território russo como “terroristas”, e garantiu que o seu objetivo é “desviar a atenção das tentativas fracassadas de contra-ofensiva das Forças Armadas Ucranianas e intimidar a população, semear o pânico”. desestabilizar a situação política” do país eurasiano.

A Defesa Russa alerta que os EUA e o Reino Unido estão “tentando o destino” ao enviar navios de guerra para o Mar Negro no meio da guerra com a Ucrânia.

No entanto, o diplomata enfatizou que Kiev não será capaz de atingir os seus sinistros objectivos. “Como já foi dito muitas vezes, estamos determinados a pôr fim a qualquer manifestação de neonazismo e práticas de ódio na Ucrânia”, indicou.

Neste ataque, a Rússia anunciou que abateu cinco mísseis lançados contra Sebastopol e que um dos seus soldados desapareceu.

Kiev afirmou que o seu ataque a Sebastopol matou, entre outros, o comandante da Frota Russa do Mar Negro, Viktor Sokolov. No entanto, a notícia gerou polêmica depois que o alto comando militar russo reapareceu na terça-feira em uma reunião militar de alto nível em Moscou.

A Rússia, que desde fevereiro de 2022 leva a cabo uma operação militar na Ucrânia, com o objetivo de desmilitarizar e desnazificar Kiev, denuncia o envio de armas pelo Ocidente ao país eslavo. 

Na terça-feira, o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, criticou o facto de os EUA e os seus aliados continuarem a armar Kiev apesar da falta de resultados e advertiu que estão apenas a “empurrar a Ucrânia para a autodestruição”.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS