23.5 C
Brasília
domingo, 14 julho, 2024

Relatório sobre Crianças e Conflitos Armados: violações aumentaram para nível alarmante, especialmente na Palestina ocupada .

Fonte da imagem: Reuters

Heba Ayyad*

Em uma reunião com um alto funcionário da ONU sobre o relatório anual sobre crianças e conflitos armados para o ano de 2023, foi confirmado que a taxa de violações de crianças no mundo durante o ano de 2023 aumentou 21%, atingindo 32.190 violações, incluindo 22.557 crianças, um terço das quais eram meninas. As violações incluem assassinatos, ferimentos permanentes, sequestros, recrutamento, negação de acesso humanitário e destruição de instalações, escolas e clínicas para crianças. O número de crianças mortas e cujas mortes foram confirmadas atingiu 11.649, enquanto o número de crianças recrutadas ou utilizadas em conflitos atingiu 8.655 e o número de crianças raptadas atingiu 4.356. O número de pessoas que foram sujeitas a violações sexuais aumentou em 1.470 casos confirmados, um aumento de 25%. 1.600 unidades de saúde que atendem crianças também foram vítimas de ataques.

Novos grupos foram incluídos pela primeira vez na lista negra (lista da vergonha) deste ano, incluindo as forças armadas e de segurança israelenses, as “Brigadas Al-Qassam” afiliadas ao movimento Hamas, as “Brigadas Al-Quds” afiliadas ao Movimento Islâmico Jihad, as forças armadas sudanesas e apoio rápido Sudanês. Ele também manteve as Forças Armadas Russas, pelo segundo ano consecutivo.

Israel e os territórios palestinos ocupados testemunharam um aumento de violações que ascendeu a 155% durante o ano passado. Um aumento de 480% no Sudão e de 123% em Mianmar.

Israel e o Estado da Palestina

Sob este título, o relatório enumerava nos parágrafos 94 a 117 as violações sofridas pelas crianças em Israel e nos territórios palestinos ocupados na Cisjordânia, em Jerusalém e na Faixa de Gaza.

Os parágrafos começaram com o que aconteceu em 7 de outubro, quando as Brigadas Izz al-Din al-Qassam, afiliadas ao Hamas, e outras facções armadas palestinas atacaram. As Nações Unidas conseguiram verificar 8.009 violações que afetaram 4.360 crianças, incluindo 113 crianças israelenses e 4.247 crianças palestinas, incluindo 120 crianças palestinas dentro de Israel, 4.868 na Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental, e 3.021 crianças na Faixa de Gaza. O relatório inclui apenas casos confirmados monitorados pelas Nações Unidas. Portanto, como explicou o responsável, verificar casos na Cisjordânia, incluindo Jerusalém, é mais fácil do que verificar casos de violações na Faixa de Gaza.

Quanto ao número de violações, as forças israelenses e as forças de segurança cometeram 5.698 violações, enquanto as Brigadas Al-Qassam cometeram 116 violações, as Brigadas de Jerusalém cometeram 21, os indivíduos palestinos cometeram 13, uma foi cometida pelas forças da Autoridade Palestina, os colonos cometeram 51 e pessoas desconhecidas, cujas identidades não foram confirmadas, cometeram 58.

Tal como indicado no relatório, foram cometidas 23.000 violações contra crianças no último trimestre de 2023, incluindo 3.900 violações contra crianças israelitas e 19.887 contra crianças palestinas.

Relativamente ao número de mortes, o relatório diz que as Nações Unidas confirmaram o assassinato de 43 israelitas (29 rapazes e 14 mulheres) durante os acontecimentos de 7 de outubro. 27 crianças também ficaram feridas e 47 foram sequestradas (20 meninos e 27 meninas) pelas mãos das Brigadas Izz al-Din al-Qassam e outras facções.

As Nações Unidas também confirmaram 7.873 violações contra 4.247 crianças palestinas (3.037 rapazes e 1.174 mulheres) na Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental, e 4.853 na Faixa de Gaza.

Quanto ao número de crianças mártires, o relatório confirmou que as Nações Unidas confirmaram o martírio de 2.267 crianças (1.259 rapazes e 1.008 mulheres), incluindo 2.141 que foram martirizadas em Gaza e 126 que foram martirizadas na Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental.

As Nações Unidas documentaram 371 ataques israelenses a escolas e hospitais infantis.

O parágrafo 109, referente ao número de mortos e feridos, termina com a seguinte frase: ‘Cerca de 19.887 crianças palestinas foram mortas ou feridas de acordo com os relatórios (em 31 de dezembro de 2023), e esses relatórios precisam ser verificados’.

O relatório confirma que o número de crianças palestinas feridas na Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental, atingiu 1.975, algumas das quais ficaram feridas pela inalação de gases, munições reais, balas de borracha ou ataques. Em Gaza, o número de infecções que exigem documentação atingiu 10.787.

Segundo o relatório, as Nações Unidas documentaram 371 ataques a escolas e hospitais infantis perpetrados por forças israelenses, forças de segurança e colonos.

As Nações Unidas também conseguiram documentar 3.250 incidentes envolvendo a prevenção do acesso à ajuda humanitária por parte das forças israelenses na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. Caminhões que transportavam ajuda humanitária também foram impedidos de atravessar e 144 funcionários e trabalhadores na área de ajuda humanitária foram mortos.

O relatório apelou à entrega de ajuda humanitária sem interrupções e rapidamente. As Nações Unidas não podem entregar esta ajuda na dimensão necessária enquanto a Faixa de Gaza estiver sujeita a bombardeamentos contínuos, ataques aéreos e operações militares.

*Jornalista, analista de política internacional

Escritora Palestina Brasileira

ÚLTIMAS NOTÍCIAS