14.5 C
Brasília
quinta-feira, 18 julho, 2024

Relatora da ONU exige prisão de Smotrich, mentor do genocídio em Gaza

O ministro das Finanças de Israel, Bezalel Smotrich, discursa no parlamento do regime em Al-Quds (Jerusalém), em 10 de julho de 2023. (Foto: AP)

HispanTV- A relatora da ONU, Francesca Albanese, declara que o Ministro das Finanças israelense, Bezalel Smotrich, é o mentor do genocídio de Israel em Gaza.

Albanese, o relator especial das Nações Unidas sobre a situação dos direitos humanos nos territórios palestinos ocupados, reagiu à decisão do gabinete israelense na sexta-feira de estabelecer cinco novos assentamentos na Cisjordânia ocupada.

“Mesmo com a considerável pressão política sobre o TPI (Tribunal Penal Internacional), realmente não entendo por que o promotor do TPI ainda não solicitou um mandado de prisão para este homem que é o mentor das políticas genocidas de Israel contra os palestinos”, disse  . A relatora da ONU  publicou neste domingo em sua conta na rede social X. 

A mídia sionista informou que o gabinete israelense concordou na quinta-feira com as medidas propostas pelo ministro das finanças do regime em retaliação ao reconhecimento do Estado palestino por vários países, incluindo a imposição de sanções a funcionários da Autoridade Nacional Palestina (ANP) e a concessão de legitimidade a cinco. assentamentos na Cisjordânia ocupada.

De acordo com estas fontes, o gabinete sionista concordou com medidas que incluíam o cancelamento da licença e dos privilégios dos altos funcionários da AP, restringindo o movimento destes funcionários, punindo-os em caso de ações provocativas contra Israel e cancelando a autoridade executiva da AP no sul da Cisjordânia. .

O gabinete do regime sionista também concordou em lançar concursos para construção na Cisjordânia e realizar uma reunião do conselho supremo de planeamento israelita para aprovar planos de construção de milhares de unidades residenciais para colonos.

Em Maio, o procurador-chefe do TPI, Karim Khan, solicitou um mandado de prisão contra responsáveis ​​do regime israelita, incluindo o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, por crimes de guerra e ataques sistemáticos contra palestinianos na Faixa de Gaza.

Israel desencadeou uma guerra genocida contra Gaza em retaliação ao fracasso sofrido durante a Operação Tempestade Al-Aqsa, levada a cabo em 7 de Outubro pelo Movimento de Resistência Islâmica Palestiniana (HAMAS) contra alvos israelitas nos territórios ocupados, em resposta a décadas de crimes contra o povo palestino.

Os bombardeamentos indiscriminados e a ofensiva terrestre das forças de ocupação contra o enclave palestiniano sitiado deixaram pelo menos 37.877 mortos e quase 87.000 feridos, enquanto cerca de 10.000 pessoas estão desaparecidas sob os escombros, segundo estimativas das autoridades de Gaza.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS