Brasília, 18 de outubro de 2021 às 12:51
Selecione o Idioma:

Cuba

Postado em 11/10/2021 12:18

Quando bloqueio significa genocídio

.

Tão chocante quanto sofrer a injustiça permanente, é que muitas vezes não pode ser denunciada em toda sua extensão. Muitas vezes algo semelhante acontece com o bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelo Governo dos Estados Unidos a Cuba, pois a exposição pública das árduas etapas que devem ser tomadas para adquirir certos equipamentos ou matérias-primas, também levaria à exposição a pressões muito prováveis, ou até mesmo sanções, a um determinado fornecedor estrangeiro.

Recentemente, Eulogio Pimentel Vázquez, vice-presidente do grupo empresarial BioCubaFarma, disse que, em média, são necessários 10 mil sortimentos diferentes para produzir uma dose de vacina, que, devido à sua especialização, costuma vir de cerca de 300 fabricantes, localizados em média em 30 países.

Destacou a complexidade da gestão logística para esse setor, mesmo para os países mais desenvolvidos, o que, no entanto, é muito mais complexo para Cuba, pois o Governo dos Estados Unidos cerceia e atrapalha cada uma das transações econômicas e financeiras de nosso país, quando sabe delas.

Meu pai, que era um homem sábio, certa vez me deu conselhos. Se você quer saber como é realmente recebido em uma casa, não olhe como os donos te tratam, mas como seus filhos te tratam. Se eles não mostram simpatia por você, ou se você descobre certa rejeição, é que eles não falam bem de você naquela casa. É o caso também da política, e o que os Estados Unidos realmente desejam para o nosso país — e que não ousa exprimir abertamente devido à sua natureza genocida — é fácil de descobrir nos seus filhos: esses seus monstros, os mais que 20 meios de comunicação que pagam e assessoram a guerra midiática contra Cuba.

Uma rápida busca por manchetes no Google permite que você veja o que essa mídia «promove»: supostos riscos à saúde de nossas vacinas; pessoas que não serão vacinadas ou permitirão que seus filhos o façam, por falta de confiança nelas; o destaque permanente das mortes, reais ou supostas, descontextualizadas da eficácia real, que qualquer vacina antiCovid tem — seja qual for sua marca ou país de fabricação — o que não exclui a contingência de algum outro desfecho fatal… O objetivo é criar um alarme para que as pessoas não se vacinem, com a estranha ideia de que a pandemia fará o que não foi possível após 62 anos de ataques.

Meu pai também me disse naquela época: se esse exame específico não for suficiente para você, olhe a história do relacionamento com aquela família: se você viu antes que eles não te tratavam bem; se alguém, de sua extrema confiança, já o avisou que você não é bem visto ali; se você já precisou de ajuda e eles negaram, mesmo que isso não significasse um grande esforço para eles… É também o caso da política: a história fala mais alto do que qualquer discurso hipócrita: como um botão de amostra, nem nos lembremos da epidemia de dengue hemorrágica, introduzida em Cuba pela CIA e que custou a vida a 101 crianças.

Para a produção de vacinas, a Ilha adquire meios de cultura em países distantes, sem condições de comprá-los nos Estados Unidos, devido às conhecidas restrições do bloqueio econômico. Um relatório da confederação internacional Oxfam afirma que a aquisição desses meios em países distantes leva mais de 24 dias para Cuba, para comprá-los nos Estados Unidos seriam 17 horas.

Como se sabe, temos um atraso na vacinação em relação ao projetado em maio. Nessa data, estimava-se que até agosto 70% da população cubana estaria totalmente vacinada, mas a produção de Soberana 02 e Plus atrasou quase dois meses. A causa não foi só a impossibilidade de adquirir culturas nos Estados Unidos, mas também os entraves que esse cerco econômico impõe a terceiros países em seu comércio com Cuba. Recentemente, o Grupo Empresarial da Biotecnologia e Indústrias Farmacêuticas de Cuba condenou na plataforma da Oxfam os efeitos nocivos desta política de Washington.

Porém, mesmo com esse cerco criminoso, nosso país reduziu significativamente a incidência da pandemia com o avanço da vacinação. O exemplo mais significativo está em Havana, que com 70% imunizados, já tem uma taxa diária sustentada de menos de 200 casos por milhão de habitantes.

Vejam então porque podemos afirmar que a política de bloqueio econômico é genocida. Se toda Cuba tivesse atingido 70% de imunização em agosto, como era de se esperar, ao invés dos 7.000 e mais casos médios diários, que ocorreram em setembro, teriam sido apenas cerca de 2.000, ou seja, mais de 5.000 casos médios diários também, pois as mortes que isto acarreta são, sem dúvida, culpa deste bloqueio. Um verdadeiro assassinato de compatriotas que, infelizmente, ainda existem aqueles que se atrevem a justificar.

Comentários: