14.5 C
Brasília
quinta-feira, 18 julho, 2024

Quando a acusação de antissemitismo se torna uma arma nas mãos do neofascismo

© AP Photo / Mahmoud Illean/Sputnik

Heba Ayyad*

Os árabes estão habituados a serem acusados de antissemitismo sempre que os sionistas e seus apoiadores são incapazes de refutar seus argumentos ao criticar a realidade do Estado de Israel e suas ações coloniais opressivas. O fato é que os próprios críticos do sionismo de origem judaica estão acostumados a serem submetidos às mesmas calúnias, porém com dupla severidade, pois os sionistas os consideram “traidores” ou “que odeiam a si mesmos”, de acordo com a lógica racista que dita que todo judeu deveria ser um sionista. O que é a mesma lógica que prevalece no pensamento daqueles cuja hostilidade ao sionismo constitui um disfarce transparente para uma posição racista hostil aos judeus como um todo.

O que é novo nos últimos anos é a expansão do escopo daqueles que são alvo do antissemitismo para incluir um amplo espectro de críticos de esquerda do Estado de Israel, cuja posição crítica tem uma longa história política, e que foram convencidos, ao longo de décadas de críticas aos governos israelenses pela feiura de suas práticas coloniais racistas em relação aos palestinos, que eles enfrentam esta crítica junto com judeus israelenses de esquerda. Essa transformação mencionada foi acompanhada pela crescente mudança da cena política global para a direita e para o extremo, e foi impulsionada e estimulada por este último.

Benjamin Netanyahu foi um pioneiro neste excesso. Isso porque o primeiro-ministro sionista é, em mais de um aspecto, um pioneiro da extrema-direita global. Ele desempenhou este papel em particular após seu retorno ao poder em 2009 e sua adesão a ele, estabelecendo o recorde para a duração de seu mandato como Primeiro Ministro no Estado de Israel, pois ocupou o cargo por mais de doze anos até o ano de 2021, para retornar e ocupá-lo a partir do final de 2022. Durante esses anos, Netanyahu foi um exemplo para a extrema direita global em termos de sua impudência oportunista, sua capacidade de mentir descaradamente e sua falta de hesitação em recorrer aos métodos políticos mais baixos contra seus oponentes israelenses, e à superação dos lances sionistas de Takfiri por outros que excediam todos os anteriores, tornou-o sua arma ideológica de defesa de escolha.

Netanyahu tornou-se o queridinho da extrema-direita global, não apenas como modelo para eles, mas também devido aos seus esforços incansáveis para remover a acusação de antissemitismo de seus colegas ao redor do mundo e atribuí-la àqueles que eles odeiam. Isso tem sido completamente consistente com a coincidência entre a ascensão da extrema-direita internacional e o aumento da islamofobia, combinando a hostilidade racista contra imigrantes de países de maioria muçulmana com a ideologia da “guerra ao terrorismo”, estimulada pelos ataques criminosos perpetrados por organizações como Al-Qaeda no Norte Global.

Em seus esforços para desvincular a acusação de antissemitismo das fontes tradicionais de antissemitismo na extrema-direita e direcioná-la a qualquer um que critique o sionismo, Netanyahu chegou ao ponto de tentar absolver parcialmente Adolf Hitler da responsabilidade pelo genocídio dos judeus europeus, atribuindo isso a Amin al-Husseini. Esse argumento foi amplamente rejeitado e criticado por historiadores do Holocausto nazista. Não se tratou apenas de ampliar a hostilidade racista contra árabes e muçulmanos por meio da figura de Al-Husseini, que tem sido um argumento central na propaganda sionista por mais de oitenta anos, ridicularizando a causa palestina ao sugerir sua associação com o nazismo alemão e o fascismo italiano durante a Segunda Guerra Mundial. Essa tentativa não apenas significou isso, mas também buscou exonerar a extrema-direita antissemita europeia por meio da figura de Hitler.

Ao participar nessas campanhas de calúnia sem sequer direcionar seu fogo ao mesmo tempo contra a extrema direita e expor sua hipocrisia na questão do anti-semitismo, as forças do “centro” contribuíram para o endosso da extrema direita. Assim, Netanyahu tornou-se a desculpa favorita para os líderes da extrema direita global encobrirem seu anti-semitismo, mesmo quando este ainda é flagrante. Desde Viktor Orban, o primeiro-ministro húngaro cujo ódio pelos judeus não é segredo, até Donald Trump, que acredita ser dever dos judeus estadunidenses serem incondicionalmente leais ao Estado de Israel e ao seu governo, e Vladimir Putin, outro modelo para a extrema direita global, até Marine Le Pen, ansiosa por camuflar o anti-semitismo historicamente inerente ao movimento que lidera, uma longa série de figuras da extrema direita global tornaram-se os maiores amigos de Netanyahu e dos governos de direita sionista semelhantes a eles. Eles continuam a apostar nesse apoio porque é uma forma barata de camuflar sua herança e presente anti-semita, especialmente porque o número de judeus europeus tornou-se muito limitado desde o genocídio nazista e imigrantes do mundo. Sul tornou-se o novo bode expiatório favorito da extrema direita no Norte Global.

Um caso muito revelador em relação ao que mencionamos é o anúncio de Amichai Shikli, um dos ministros de Netanyahu e membro do partido Likud deste último, de que todo o governo israelense estava feliz com a vitória alcançada pelo partido Le Pen no primeiro turno das eleições parlamentares francesas do passado domingo. A situação é que Shikli detém uma pasta ministerial chamada “Assuntos da Diáspora e Combate ao Antissemitismo”! A pior parte é que os partidos políticos “centristas” decidiram beneficiar da acusação de anti-semitismo para fins de direita na sua luta contra seus oponentes de esquerda, semelhante à hedionda campanha que foi travada na Grã-Bretanha para eliminar politicamente e participar nessas campanhas de calúnia, sem sequer dirigir seu fogo na altura, é contra a extrema direita e expõe sua hipocrisia na questão do anti-semitismo. As forças do “centro” contribuíram para o endosso da extrema direita em França pela “direita” centro”, liderada pelo atual presidente Macron, e a direita da esquerda, ou seja, o “centro-esquerda”.

Ao participar dessas campanhas de difamação sem sequer direcionar seu fogo ao mesmo tempo contra a extrema direita e expor sua hipocrisia em relação ao antissemitismo, as forças do ‘centro’ contribuíram para fortalecer a extrema direita e dar credibilidade à sua alegação de inocência em relação ao antissemitismo, priorizando essa consideração sobre a condenação do racismo anti-negro, muçulmano e da xenofobia em geral, que a extrema direita não afirma ter superado, mas sim se orgulha e utiliza como argumento ideológico central em sua atividade. Assim, o espectro político ‘centrista’, tanto de direita quanto de esquerda, acaba por participar de manifestações conjuntas contra o antissemitismo com a extrema direita antissemita, como ocorreu na França após a operação liderada pelo ‘Hamas’ na Faixa de Gaza.

O resultado final é que tornar a acusação de antissemitismo um mal absoluto, a ponto de menosprezar todos os outros aspectos do racismo e aceitar que ‘os judeus’ são representados por um governo sionista liderado por um partido de origem fascista e no qual ministros neo-nazistas e outros fundamentalistas religiosos judeus participam, um governo que aproximou o ‘estado judeu’ da ‘gestão da brutalidade’, é o modelo encarnado pela organização do ‘Estado Islâmico’. Isso tem contribuído e continua a contribuir significativamente para o fortalecimento da extrema direita global, assim como segue seu rastro em outras questões, especialmente na hostilidade racista em relação aos imigrantes.

*Heba Ayyad

Jornalista internacional

Escritora Palestina Brasileira

ÚLTIMAS NOTÍCIAS