14.5 C
Brasília
quinta-feira, 18 julho, 2024

Promessas e realidades do próximo governo no Panamá

Cidade do Panamá (Prensa Latina) Reativação econômica e emprego, investimentos, confiança e turismo são alguns dos compromissos do novo presidente do Panamá, José Raúl Mulino, para o mandato 2024-2029, a questão são os caminhos que utilizará, estimam analistas .

Por Mário Hubert Garrido/Correspondente-chefe no Panamá

Na sua primeira mensagem ao país, após a sua posse, Mulino reconheceu os difíceis desafios para tirar o Panamá do atoleiro onde o deixou e anunciou que, dada a situação preocupante das finanças públicas, fará bom uso do dinheiro, repensando prioridades.

“Não vamos começar a gestão do zero. Teremos que começar com menos de 50 mil milhões de dólares em dívida”, frisou.

AUSÊNCIA DE GOVERNO

O novo presidente, de 65 anos, disse que encontra uma economia fragilizada pelos excessos, irresponsabilidades e más decisões de um Governo ausente.

Mulino especificou que o país não só perdeu o grau de investimento da agência de classificação de risco Ficht Ratings, mas também milhares de empregos e a confiança para investir.

Admitiu também que de 2019 até agora o orçamento do país cresceu duas vezes mais, mas a qualidade de vida dos panamenhos caiu. Este raciocínio simples explica quão mal foi gerido, quão erradas estavam as prioridades e o mau uso dos recursos nacionais, disse ele.

Para ele, a pesada herança que encontra gera desamparo e indignação. É perceptível como poucos fizeram uma grande festa e a população pagou a conta com sacrifício, perda de rendimentos e oportunidades, que acabou agora, disse.

A sua estratégia, disse, resume-se na criação de um Governo centrado principalmente na resolução do problema da grande maioria dos panamenhos, o que não significa acabar com a riqueza, mas sim combater a pobreza.

AS PROMESSAS

O recém-empossado chefe de Estado avançou vários projectos de que falou durante a campanha mas que a partir de agora têm prioridade com um slogan claro, como insistiu: menos gastos na política e mais investimento no povo.

Nesse sentido, referiu o programa Mi Primer para mil jovens, o plano nacional de reconstrução de estradas e a abordagem ao concurso para o novo Hospital Oncológico, entre outras iniciativas.

Anunciou também mudanças na recolha e tratamento do lixo, na construção de habitações sociais e no encerramento da fronteira com a Colômbia, na selva de Darién, para travar a crescente migração irregular para os Estados Unidos.

No domínio da educação, a construção da Cidade Universitária é outra promessa, a par da certificação dos pequenos produtores, uma vez que a agricultura terá um presidente aliado que faz parte do sector, indicou.

Enumerou ainda a gestão eficiente da distribuição de água potável, a abertura de contas bancárias como um direito universal e a reactivação urgente do turismo a nível nacional.

O presidente reiterou que a obra emblemática da sua administração será o comboio David – Panamá, para ligar o país de forma abrangente, com impacto decisivo na economia, na agricultura, no emprego, na circulação de mercadorias e no transporte de nacionais e estrangeiros.

OUTRO LADO DA MOEDA

Especialistas como René Quevedo apontam os enormes desafios económicos do novo Executivo, em que além de cumprir os compromissos de pagamento, terão de encontrar o dinheiro para realizar as obras prometidas, quando a questão sem resposta é como farão tudo isso.

O consultor laboral comentou ainda que a economia enfrenta uma grave crise de liquidez e uma contracção significativa do consumo, pelo que, dada a precariedade das finanças públicas, a capacidade de estimular a criação de emprego determinará a eficácia do governo na canalização de recursos, particularmente do banco nacional, para o setor produtivo.

Da mesma forma, o estudioso Adolfo Quintero disse que o cenário para o governo é muito difícil, já que um alto percentual das receitas que recebe não é tributado.

Numa reflexão com El Periódico de Panamá, o economista Juan Jované considerou que, para realizar obras públicas, Mulino enfrentará um problema porque o orçamento que receberá este ano será a metade e para funcionar terá que ser subexecutar dois mil e 600 milhões de dólares.

Ele questionou que essa é uma questão que não foi esclarecida e a questão é como vão fazer isso, se os investimentos forem feitos? “Baixar o orçamento da Assembleia Nacional não será suficiente, comentou os anúncios sobre o assunto.

“O presidente tem claro que o seu primeiro desafio é gerar confiança, pois sem confiança não haverá investimentos, emprego e muito menos “chen chen” (dinheiro) no bolso de ninguém, acrescentou.

Para vários estudiosos, o problema tradicional e básico da lista de projectos anunciados é que, embora o próprio Mulino, que defende a iniciativa privada como principal motor, admitisse que saberia financiá-los, a verdade é que isso não era claro.

O presidente falou em combate à corrupção e ao desperdício, obviamente sem dizer quantas administrações deveriam ser revistas, segundo Jované.

Ele também ignorou a corrupção do sector privado, o que significa uma evasão fiscal de mais de 11,0 por cento do Produto Interno Bruto.

Por outro lado, apelou aos movimentos sociais para estarem atentos à reforma estrutural anunciada para o sistema de pensões ou à ideia de abrir a mina Donoso em Colón e depois fechá-la, o que ignora a vontade das pessoas que estão nas ruas em o final de 2023 disse não à mineração de metal a céu aberto.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS