Brasília, 26 de junho de 2022 às 09:12
Selecione o Idioma:

Internacional

Postado em 28/01/2022 6:49

Presidente ucraniano adverte líderes ocidentais: ‘Não precisamos desse pânico’

.

© AFP 2021 / Presidência da Ucrânia /Handout

Sputnik – O presidente da Ucrânia criticou a reação às tensões russo-ucranianas nos países ocidentais: “A percepção da mídia é que temos uma guerra, que andam militares nas ruas”.
Vladimir Zelensky, presidente da Ucrânia, afirmou na quinta-feira (28) que não vê grande escalada em torno do país, mas que as tensões estão aumentando apesar disso.

“Hoje não vemos uma maior escalada do que a que existia antes. Sim, aumentou o número de militares, mas apontei isso ainda no princípio de 2021, quando falavam dos exercícios militares da FR [Federação da Rússia] […] A percepção da mídia é que temos uma guerra, que andam militares nas ruas, há mobilização. Isso não é assim. Não precisamos desse pânico”, comentou o presidente ucraniano a situação em conversa com jornalistas.

“Comecei a falar aos líderes dos países e a explicar a eles que precisamos estabilizar a economia do nosso país, devido a todos estes sinais que amanhã há guerra, porque começaram sinais até dos estimados líderes de países, que até dizem abertamente em uma linguagem não diplomática: ‘amanhã haverá guerra’. Isso é pânico“, criticou o chefe de Estado ucraniano.
Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, falando na Duma de Estado (Parlamento) da Rússia
 - Sputnik Brasil, 1920, 28.01.2022

Panorama internacional

Chanceler russo sobre um possível conflito: ‘Se depender da Rússia não haverá guerra’

Zelensky explicou que as afirmações de uma possível escalada com a Rússia criaram pânico nos mercados e setor financeiro, o que tem um efeito negativo na Ucrânia, devido aos investidores retirarem o dinheiro do país.
“Após o começo do que considero outro espaço informacional, retiraram 12,5 bilhões da Ucrânia, e nós, das nossas reservas, e elas são as maiores nos últimos dez anos […] estamos estabilizando nossa moeda nacional, então isso custa muito aos ucranianos“, apontou ele.
Diversos países no Ocidente têm acusado a Rússia no último ano de aumentar as tensões em torno da Ucrânia, mas Moscou respondeu que a movimentação de tropas russas dentro de suas próprias fronteiras não deve ameaçar ninguém, e que as acusações têm o objetivo de encobrir as mobilizações militares por parte da própria OTAN, incluindo na cooperação com Kiev.
Para mitigar a situação, o Kremlin propõe reduzir as tensões através da diminuição da atividade militar bilateral nos territórios entre a Rússia e o bloco da OTAN, e do fim da expansão da aliança.

Comentários: