14.5 C
Brasília
quinta-feira, 18 julho, 2024

Prensa Latina: referência em comunicação e jornalismo comprometido

Havana, 14 de junho (Prensa Latina) A Prensa Latina é hoje uma referência comunicacional, capaz de integrar novas fórmulas à sua rotina, como expressão indígena da cubanidade e do jornalismo comprometido, afirmou hoje o presidente da agência, Luis Enrique González.

Abaixo a Prensa Latina transmite na íntegra o discurso de seu presidente Luis Enrique González durante o evento comemorativo dos 65 anos da Agência Latino-Americana de Informação.

Prezada Maryde Fernandez, Vice-Chefe do Departamento Ideológico do CC PCC.

Prezados representantes do PCC, do Estado, do Governo e dirigentes da imprensa de Cuba.

Distintos representantes do corpo diplomático acreditado em Cuba, que nos honram com a sua presença.

Talvez há 65 anos não teríamos a resposta à pergunta: o que seria a Prensa Latina? Só então, graças à sua genialidade, o seu fundador e líder histórico da Revolução, Fidel Castro, o saberia.

Teve como precedentes as arriscadas subidas do jornalista argentino Jorge Ricardo Masetti à Sierra Maestra e as suas entrevistas com Fidel e o comandante Ernesto Guevara, em plena luta contra a ditadura.

A Prensa Latina estava em desenvolvimento desde então. Em janeiro de 1959, ocorreu a transcendental Operação Verdade, convocada por Fidel, apenas três semanas após o triunfo, para enfrentar a desinformação contra a nascente Revolução Cubana e cujo 65º aniversário celebramos em janeiro com uma Conferência Internacional aqui em Havana.

Recordemos as suas palavras ao expressar a necessidade de uma agência de notícias que garanta informação verdadeira e oportuna ao povo latino-americano contra a manipulação dos grandes monopólios.

A imprensa latino-americana deve possuir meios que permitam ao povo conhecer a verdade e não ser vítima de mentiras, enfatizou Fidel.

Precisamente hoje, 14 de junho, na sala Che Guevara desta prestigiada Casa das Américas, prestamos-lhe homenagem, no dia do seu nascimento; a esse grande homem da história latino-americana, cubana e universal. Também da Prensa Latina, responsável pela sua criação e autora do nome da agência.

Poucos meses depois, aquele jornalista argentino que desafiou o exército da ditadura subindo duas vezes a Sierra Maestra tornou-se o nosso primeiro Diretor Geral.

A Prensa Latina transmitiu o despacho inicial no dia 16 de junho e anunciou sua sede num prédio que até então pertencia ao Seguro Médico Cubano.

Profissionais renomados, principalmente cubanos e latino-americanos, uniram-se como jornalistas ou colaboradores no então utópico projeto de criação de uma agência do sul para enfrentar os poderosos meios de comunicação de então e de hoje.

Mencionamos o guatemalteco Miguel Ángel Asturias e o colombiano Gabriel García Márquez, ambos ganhadores do Prêmio Nobel, o argentino Rodolfo Walsh, os uruguaios Eduardo Galeano e Mario Benedetti, os cubanos Baldomero Álvarez Ríos, Juan Marrero e Gabriel Molina, entre muitos outros.

Em semanas de existência, a Prensa Latina ocupou um espaço e avançou num ritmo acelerado e preocupante para quem a via como uma ameaça.

Ao referir-se ao nascimento da Prensa Latina, Masetti escreveu: “surgimos quando surgiu a Revolução Cubana e o imperialismo colocou sobre nós todos os seus obstáculos. “Todos os meios foram usados ​​para perseguir os nossos correspondentes e garantir que as nossas equipas não atravessassem a alfândega”.

Apenas lendo documentos desclassificados da CIA e do FBI dos Estados Unidos, podemos saber o que estava sendo preparado para nos silenciar.

Recordemos o fragmento de um desses textos: “Talvez a arma de propaganda cubana mais eficaz – e, do ponto de vista americano, a mais perigosa – seja a Prensa Latina”.

Com base nesta avaliação, muitos previram apenas alguns meses de vida para a próspera agência de notícias. Destes, aqueles que se opuseram a nós apostaram ou acolheram tudo o que foi feito para tentar fechar a Prensa Latina.

Como foi refletido este aviso dos serviços de inteligência dos EUA?

Inúmeras ações foram e são organizadas para silenciar a verdade vinda dos primeiros e mais importantes meios de comunicação alternativos da região até hoje.

O sequestro do nosso Diretor Geral na Costa Rica, o correspondente-chefe nos Estados Unidos preso, as prisões no Equador e no Uruguai, os escritórios da agência invadidos em Washington e no Chile.

Posteriormente, Nixon suspendeu a licença para o território norte e, por orientação de Washington, os governos da Venezuela, Bolívia, Uruguai e Chile ordenaram o fechamento dos escritórios correspondentes, com ameaças e até assassinato de colaboradores, como Elmo Catalán e Luis Martinera.

É impossível não falar dos efeitos do bloqueio dos EUA; aquela monstruosidade que nos impediu de ter contas bancárias, limita as transferências e insiste em travar o nosso crescimento e gestão comercial sob a égide do “risco país”, tudo isto piorou após a inclusão desta ilha não redimida nas listas unilaterais daqueles que nos bloqueiam .

Apesar de toda esta avalanche de ataques, a Prensa Latina não deixou de informar nem por um segundo nestes 65 anos.

As transmissões de rádio ou teletipo, utilizando o sistema Morse, telefones via satélite ou tecnologias modernas têm servido para garantir o serviço da agência durante as viagens de Fidel ao exterior ou em condições de catástrofes naturais, estados de sítio, guerra, golpes de estado e, claro, durante ataques em Cuba, como Playa Girón e o ataque ao navio a vapor La Coubre.

São inúmeros os sinais de estar no centro das notícias. Recordamos Ángel Boán por ter conseguido o que nenhum meio de comunicação conseguiu, entrevistando Caryl Chessman no corredor da morte, apenas 48 horas antes de ser executado na prisão de San Quentin, na Califórnia.

Ou a utilização dos teletipos da Prensa Latina de Nova Iorque para garantir a participação do Grão-Mestre Robert Fischer no IV Memorial Capablanca, quando o Departamento de Estado o proibiu de viajar a Havana.

Hoje estamos presentes em quase 40 países de todos os continentes e a nossa sede é aqui, em Cuba, que desde então decidiu escolher o seu próprio destino.

Para este efeito, a capacidade de resistir com novas fórmulas como expressão indígena da cubanidade e do jornalismo comprometido com os valores éticos e morais da profissão contribuiu decisivamente e continuará a fazê-lo.

Após 65 anos, consolidamo-nos como a principal empresa multimédia sediada em Cuba, com mais de 350 despachos diários, 18 publicações próprias e de terceiros, incluindo de outros governos, serviços de rádio e televisão, bem como sites em 6 idiomas. , selo editorial próprio, desenvolvimento ascendente nas redes sociais e uso da ciência e inovação com base em nossas principais missões.

Somos, ao mesmo tempo, distribuidores em Cuba da editora australiana Ocean Sur e do serviço noticioso de vinte agências mundiais, enquanto o arquivo patrimonial, a rede de lojas Cuba Va e a gestão publicitária centram o seu trabalho na imagem e no desenvolvimento de as Grandes Antilhas.

Internacionalmente somos reconhecidos nos principais fóruns de imprensa mundiais. Fomos coordenadores do grupo de notícias do Movimento dos Não-Alinhados e hoje fazemos parte do Conselho de Administração da Rede de Notícias da Iniciativa Cinturão e Rota. Também lideramos a plataforma Vozes do Sul Global.

Mais de 100 agências e meios de comunicação de vários países, alguns dos quais embaixadores, encarregados de negócios e diplomatas nos acompanham, têm acordos com a agência. Destaco especialmente as excelentes relações com o sistema nacional de comunicação social e agradeço aos dirigentes aqui presentes.

Nosso horizonte é definido apesar dos desafios que enfrentamos todos os dias, profissionalmente com um jornalismo melhor, objetivo, mas não imparcial, como Masetti nos delineou.

Segundo o presidente Salvador Allende, “através da Prensa Latina, todos os americanos progressistas darão as mãos”, enquanto o poeta chileno Pablo Neruda nos considerou “a primeira janela que deixará entrar o ar, vamos respirar”.

Temos o desafio de nos mantermos em meio a extrema complexidade financeira, mas com um grupo dedicado, consciente do momento atual e determinado a superar as dificuldades.

Vocês podem continuar confiando na Prensa Latina, a agência que há mais de seis décadas foi considerada necessária e continua sendo necessária em seus esforços sempre a serviço da Verdade.

Neste momento não poderia deixar de reiterar o reconhecimento pelo apoio que recebemos durante estas seis décadas e meia às personalidades, instituições e organizações cubanas, bem como à Casa de las Américas, em particular ao querido Abel, que saúda nós nesta celebração.

Como dissemos há alguns meses, somos a utopia realizada, protagonista de uma Operação Verdade permanente iniciada em 1959.

Na opinião dos académicos americanos, a Prensa Latina é precursora de um movimento pós-colonial para remodelar o fluxo internacional de informação e demonstrar a possibilidade de mudar a dependência da informação na América Latina.

Segundo Eduardo Galeano, a Prensa Latina soube viver e dizer, como um dever de honestidade e coragem nos tempos que vivemos, condenados ao silêncio ou à mentira.

Esse continuará a ser o nosso farol, especialmente numa altura em que assistimos ao genocídio de Israel, apoiado pelos EUA, contra o povo da Palestina.

Na Prensa Latina estamos atentos às palavras do presidente Miguel Díaz-Canel quando afirmou que em tempos de redes sociais, de intensidade no debate mediático, de colonização cultural, devemos encontrar na prática o caminho da Grande Operação Verdade a ser compartilhada pelas forças esquerdistas e revolucionárias do planeta.

Obrigado a todos por se juntarem a nós neste momento memorável. Nossos fundadores e guias, os que não estão aqui, os aposentados e os que continuaram seu trabalho, podem estar convencidos da fidelidade, da qualidade humana e do compromisso dos profissionais e trabalhadores da Prensa Latina, como dignos representantes de seu tempo, em a tentativa de que um mundo melhor seja possível.

Parabéns. Muito obrigado.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS