10.5 C
Brasília
sábado, 20 julho, 2024

Povos indígenas defendem a floresta amazônica e os alimentos tradicionais

Berna, Suíça (Prensa Latina) Comida abundante ou fome multiplicada. Preserve a Mãe Terra ou destrua a biodiversidade. Dilemas cada vez mais comuns com efeitos diretos para grande parte da população mundial. Os povos indígenas tomam a palavra e exigem liderança.

Sergio Ferrari*, colaborador de Prensa Latina

No dia 9 de agosto, para comemorar o Dia Internacional dos Povos Indígenas 2023, a Rede Slow Food dos Povos Indígenas, que reúne 370 comunidades em 86 países, lançou uma Campanha Global com o slogan “Descolonize sua alimentação”. Esta iniciativa incentiva as comunidades indígenas a reforçarem a luta pela preservação de seu patrimônio alimentar contra os avanços do “fast food”, ou “fast food”.

Alimentos industrializados x biodiversidade

Segundo os promotores da Campanha, desde a antiguidade os povos indígenas defendem e promovem uma exaustiva variedade de espécies vegetais e animais e trabalham arduamente para garantir a sobrevivência de seus saberes tradicionais, de suas línguas e de sua alimentação, tudo isso estão seriamente ameaçados de extinção por processos sociais e ambientais destrutivos.

A Rede dos Povos Indígenas também destaca que seus territórios, onde vivem 6% da população mundial, concentram 80% da biodiversidade do planeta. E que suas comunidades são repositórios de conhecimentos e alimentos tradicionais. No entanto, a grilagem de terras, as práticas agrícolas insustentáveis, as violações dos direitos dos povos indígenas e as mudanças climáticas ameaçam dramaticamente esse patrimônio.

Outra ameaça significativa, que às vezes não é tão óbvia, é a crescente colonização de alimentos locais ou nativos pela indústria alimentícia. Por um lado, essa indústria e suas corporações buscam apropriar-se de conhecimentos e produtos indígenas sem o consentimento dessas comunidades. Além disso, sem reconhecê-lo ou redistribuir os benefícios com eles. Por outro lado, alimentos industrializados e globalizados estão gradativamente substituindo aqueles gerados por comunidades locais e tradicionais.

A Rede dos Povos Indígenas denuncia que a mídia e, em muitos casos, também as políticas públicas, incentivam a produção e o consumo de alimentos industrializados. Como consequência, a insegurança alimentar das comunidades indígenas se agrava devido à homogeneização de sua alimentação básica e ao desaparecimento de tradições e até mesmo de sabores culinários, economias locais e identidades alimentares.

As Nações Unidas alertam que já em 2020 cerca de 130 milhões de pessoas na América Latina e no Caribe não poderiam ter uma alimentação diária saudável. Um relatório de várias agências da ONU revela o escândalo nutricional que atinge o continente: “Na região, a prevalência de insegurança alimentar moderada ou grave, de sobrepeso em crianças menores de cinco anos e de obesidade em adultos é maior do que a média mundial médias. Além disso, a região tem a dieta saudável mais cara em comparação com outras regiões do mundo.”

A antítese das receitas nativas é a “junk food”, ou “acesso rápido” (daí o nome em inglês, fast food), com alto teor de gordura, açúcar, temperos e aditivos. Segundo dados da consultoria Grand View Research, o mercado global de fast food gerou 529,5 bilhões de dólares em 2020. As estatísticas preveem uma taxa composta de crescimento anual (CAGR) para esse setor de 4,6% entre 2021 e 2028.

O movimento indígena lembra o valor dos seus, da sua sabedoria popular: os alimentos autóctones e tradicionais podem desempenhar um papel importante na luta contra a fome e a desnutrição. As dietas baseadas em ingredientes naturais contribuem para um estilo de vida saudável e preservam os ecossistemas locais e os recursos ambientais. E conclui que “este modelo está em forte concorrência com os alimentos processados ​​da indústria agroalimentar e com a crescente utilização de Organismos Geneticamente Modificados (OGM)”. A “inundação” do mercado com estes produtos provoca uma alteração considerável dos hábitos alimentares, cujos malefícios para a saúde se manifestam diariamente. Somente em 2022, a área global de cultivos transgênicos aumentou 3,3%, atingindo 202 milhões de hectares, a maior área já plantada até agora. Esse aumento ocorreu, principalmente, no Brasil, Austrália, Índia, Paraguai e África do Sul.

Dos 29 países que cultivam transgênicos no mundo, 10 estão na América Latina, região onde se concentra quase a metade da área cultivada. Dos 10 principais países do setor, quatro são latino-americanos, com Brasil e Argentina na liderança.

alimentação e identidade

Comentando a importância da Campanha Decolonize Your Food, Dalí Nolasco Cruz, líder indígena mexicano e membro do conselho do Slow Food, afirma que “Nossa comida nos conecta com nossas comunidades, com a Mãe Terra e com nossos ancestrais. É a nossa cultura, o nosso conhecimento, a nossa vida, ou seja, a nossa própria identidade.

Para esta jovem ativista social do povo Nahua de Tlaola, em Puebla, líder da organização local Timo’Patla Intercultural AC e membro da comissão coordenadora da Rede Mopampa de empresas de economia social e solidária de mulheres indígenas, “é fundamental garantir que os alimentos dos povos indígenas continuem a ser respeitados, protegidos e celebrados como parte integrante da cultura culinária global”. No México, a Red de Pueblos Indígenas está desempenhando um papel muito ativo nesta campanha, incentivando as comunidades indígenas a identificar e apresentar os alimentos locais que desejam descolonizar. Há anos participa de diversas iniciativas e campanhas que exigem um país sem OGMs.

Nolasco Cruz insiste com veemência na necessidade urgente de promover “a agricultura local para defender a biodiversidade, o território e a identidade das comunidades nativas”, particularmente na América Latina, “onde a situação continua crítica”. Já em 2022, em declarações à imprensa, afirmou que nas comunidades indígenas esse trabalho é ainda mais importante porque a repressão que sofreram por muito tempo fez com que esquecessem suas tradições. “Muitas mulheres indígenas mexicanas estão fazendo livros de receitas para descolonizar a dieta, reeducar o paladar e se reconectar com os sabores dos povos indígenas e ancestrais”.

Participação indígena para preservar a Amazônia

Nos dias 8 e 9 de agosto, e paralelamente – embora sem qualquer relação orgânica – com a Campanha Descolonize Seu Alimento promovida pela Rede dos Povos Indígenas (muitos dos quais vivem em nações da bacia amazônica), foi realizada na cidade de Belém do Pará, no norte do Brasil, a Cúpula da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA). Da Cúpula também participaram altos dirigentes da Colômbia, Equador, Bolívia, Peru, Guiana, Suriname e Venezuela, convocados pelo Brasil – as outras sete nações que compõem aquela região geográfica, verdadeiro pulmão ecológico e principal reserva de biodiversidade do o planeta. .

O documento final, com cem pontos, inclui uma agenda de enfrentamento ao desmatamento e estabelece medidas de cooperação entre as nações para a proteção do Bioma Amazônia. Um aspecto fundamental do documento final é lembrar às nações poderosas do mundo que devem cumprir seus compromissos financeiros para o cuidado e proteção da Amazônia, conforme estabelecido nos acordos climáticos da ONU. Este é um valor próximo a 100 bilhões de dólares anuais. Apesar desses passos positivos, os porta-vozes das comunidades indígenas expressaram ceticismo sobre os resultados gerais da Cúpula. Questões essenciais como a meta de desmatamento zero até 2030 ou o controle da expansão do petróleo e do gás na Amazônia não encontraram respostas efetivas.

Importantes organizações indígenas, principalmente do Brasil, reunidas em Brasília pouco antes (28 a 30 de junho), foram categóricas em reivindicar a participação ativa dos povos indígenas na Cúpula da Amazônia. Na ocasião foi acertada a convocação de uma espécie de pré-Cúpula (representantes da sociedade civil e do governo) no próprio Pará de Belém. No entanto, a efetiva participação dos povos indígenas no conclave da OTCA, bem como na dinâmica decisória, continua sendo um ponto de atrito devido às divergências entre a sociedade civil e os Estados.

No final de junho, as organizações indígenas reunidas em Brasília alertaram que, embora os povos indígenas da bacia amazônica “sejam verdadeiros e profundos conhecedores e protetores das florestas, ainda não possuem as condições necessárias e indispensáveis ​​garantidas para participar efetivamente os processos de diálogo, proposição e construção da mencionada Cúpula”. Além disso, abordar a agenda amazônica sem a participação efetiva dos próprios povos indígenas demonstra falta de reconhecimento de suas vidas e dos papéis que desempenham em prol da manutenção e defesa das florestas. “Mais uma vez”, disseram na ocasião, “nos deparamos com debates e construção de propostas em nossos territórios sem a garantia de nossa participação,

De olho na preservação da biodiversidade amazônica e enfatizando a necessidade de valorizar os alimentos nativos, nos primeiros dias de agosto o movimento indígena partiu para a ofensiva. E ergueu a voz forte e determinada, embora nem sempre ouvida, reconhecida e valorizada pelos Estados e pelo poder económico. Mais um passo na denúncia da colonização 531 anos depois de um certo Cristóvão Colombo.

smh/sf

*Jornalista argentino residente na Suíça

(Retirado da Latin Press)

ÚLTIMAS NOTÍCIAS