Brasília, 17 de setembro de 2021 às 18:29
Selecione o Idioma:

Papo do Dia:

Especiais

Postado em 04/07/2021 10:51

Partido Comunista: a chave para entender a China

.

Entender o PCCh é uma «chave de ouro» para entender a China de hoje e a de amanhã. Hoje, 1º de julho, ele completa cem anos e durante os mais de 70 anos à frente do Gigante Asiático lutou contra a pobreza. Sua diplomacia de Grande País defende uma comunidade com um futuro comum para a humanidade.

Sob sua tutela e a de seu secretário-geral, Xi Jinping, o Produto Interno Bruto da China ultrapassou 100 trilhões de yuans em 2020.

Erradicou a pobreza, tirando quase 99 milhões de pessoas dela, e estabeleceu o maior sistema de previdência social do mundo, cobrindo mais de 1,3 bilhão de pessoas.

Esses dados foram repassados ​​ao Granma Internacional por Zhang Yiwen, encarregado de negócios da embaixada da China em Cuba, que nos falou sobre o Partido que começou com apenas 59 membros, e agora tem mais de 91 milhões.

Qual é a chave do PCCh para, em um mundo cheio de separatismo, ser capaz de manter milhões de pessoas integradas?, perguntamos a ele.

Existem três aspectos essenciais. «O primeiro, que o PCCH representa os interesses dos mais amplos setores de seu povo e com aspirações originais de buscar sua felicidade, a revitalização da nação e o bem comum do mundo».

«Segundo, não herda doutrinas dogmaticamente, mas adapta o marxismo ao contexto chinês, aplica-o à luz das características específicas daquele território asiático». Esclarece que aplica uma nova concepção de desenvolvimento caracterizada pela inovação, coordenação, abertura e cooperação.

«Terceiro, o Partido adota a auto-reforma para se manter vibrante e vigoroso, cresce reformando-se».

CONVENCENDO A HISTÓRIA E OS NOVOS DESAFIOS

Em 18 de junho, durante sua visita a uma exposição no recém-inaugurado Museu do PCCH em Pequim, por ocasião do centenário, o presidente da China, Xi Jinping, disse que «a história do Partido é o livro mais vívido e convincente».

Esses adjetivos são indiscutíveis para descrever sua história, que segundo Yiwen se divide em quatro etapas essenciais.

«De 1921 a 1949, um momento que começou com a fundação do PCCh e culminou com a vitória da Nova Revolução Democrática e o estabelecimento da República Popular da China, que encerrou um século de humilhações».

«A partir de 1948, ele estabeleceu o socialismo como o sistema básico e conseguiu construir um sistema industrial e econômico relativamente completo. Esse período durou até 1978».

«Daquele ano até 2012, iniciou-se a fase de reforma e abertura do socialismo com peculiaridades chinesas. Na história contemporânea da China, o ano de 1978 marcou uma viragem que nos permitiu abrir caminhos a uma experimentação enriquecedora».

«Desde 2012, uma nova expedição começou para a construção integral de um país socialista moderno».

Diante de tantos fatos, Yiwen atesta que é um princípio fundamental do PCCh estar ciente dos perigos potenciais. Sobre os desafios da organização no contexto externo, disse que o mundo de hoje vive mudanças nunca antes vistas e que a pandemia Covid-19 as acelera.

Acrescentou que o protecionismo e o unilateralismo estão em alta, a economia mundial oscila e o mundo entrou em um período de turbulência, com fatores crescentes de instabilidade e incerteza.

No que diz respeito ao desenvolvimento interno, disse que está sofrendo profundas alterações, visto que entrou numa fase de desenvolvimento de grande qualidade. «A principal contradição na sociedade chinesa é a contradição entre o desenvolvimento desequilibrado e insuficiente e as necessidades crescentes das pessoas por uma vida melhor».

CUBA E CHINA

Sobre o intercâmbio entre os partidos comunistas de Cuba e da China, afirmou: «São países socialistas liderados por seus próprios partidos comunistas, portanto a relação entre as duas organizações constitui um importante pilar das relações binacionais», ratificou Zhang Yiwen.

Destacou que sob a atenção pessoal de Xi Jinping, do general-de-exército Raúl Castro Ruz e do primeiro secretário do Partido Comunista de Cuba e presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, os intercâmbios entre as duas organizações ganham maior amplitude e profundidade, promovem o desenvolvimento e a cooperação, ao mesmo tempo que fornecem uma forte orientação política e apoio às relações entre os dois países.

Comentários: