Brasília, 22 de janeiro de 2022 às 04:24
Selecione o Idioma:

Panamá

Postado em 02/01/2020 9:58

Panamá renova os três poderes do Estado

.

Panamá, (Prensa Latina) Em uma coincidência incomum, o Panamá está renovando o Supremo Tribunal de Justiça (CSJ), o Ministério Público (MP) e o Procurador Geral da República, em meio a um cenário complexo com a justiça.
No caso do novo procurador-geral da Nação, Eduardo Ulloa, chega ao MP após a demissão de seu antecessor, Quênia Porcell, e com os desafios de recuperar a institucionalidade, respondendo a casos de alto nível em andamento e garantindo que a entidade seja visto como um representante da sociedade.

Segundo La Estrella de Panamá, ‘Ulloa está hoje no escritório de uma instituição com uma credibilidade muito debatida’, por causa das investigações de alto nível, ele só conseguiu condenar Luis Cucalón, ex-diretor da antiga Autoridade Tributária Nacional e um acordo em colaboração com Rafael Guardia, ex-diretor do Programa Nacional de Assistência, pois os demais foram demitidos do tribunal.

Portanto, existem poucas vozes que exigem pesquisa transparente, longe dos interesses de partidos políticos e grupos econômicos porque ‘o país precisa de justiça’.

A esse respeito, Ulloa disse que é a percepção mais negativa da sociedade em relação ao trabalho da instituição, porque considera que o parlamentar não faz justiça de maneira imparcial e atenta à prática do crime, mas para julgar ou processar pessoas baseadas na amizade ou não com certas figuras de poder.

‘O advogado não deve servir ou agradar a um determinado setor político ou econômico, mas cumprir um dever imposto pela Constituição e pela lei’, disse o alto funcionário, que por 17 anos trabalhou no MP como promotor e em outros cargos

Por sua parte, o controlador Gerardo Solís substituirá Federico Humbert, que terminou seu mandato em 31 de dezembro, em meio a fortes perguntas sobre suas ações.

Entre os desafios estão a independência, a transparência, a eliminação da corrupção, a utilização dos recursos do país de maneira honesta e responsável, além da realização do Censo da População e Habitação.

‘O que os cidadãos exigem é um controlador que trabalhe de forma independente e transparente … para lidar com os políticos que desejam usar o orçamento (do estado) para fins de campanha’, disse o economista Rolando Gordón.

No caso do CSJ, três novos membros atualizarão a imagem dessa instituição colegiada que, na tarde de quinta-feira, terá que escolher seu presidente, que assumirá o compromisso de liquidar muitas dívidas pendentes com a sociedade, a fim de conferir uma verdadeira e justiça eficiente.

Na opinião de alguns analistas, essa instituição sucumbiu à percepção ou ideia de que as falhas respondem a interesses econômicos, que beneficiaram uma das partes em troca de dinheiro ou que os ricos se safam dela, enquanto os pobres recebem as penas mais longas.

Comentários: