10.5 C
Brasília
sábado, 20 julho, 2024

Os tiranos da paz e os democratas da guerra

Hugo Dionísio [*]

As eleições na Turquia ensinam muito – ou deviam – sobre a percepção popular relativamente às coisas da guerra. Em geral, os povos, as massas trabalhadoras e as suas famílias, não querem guerra ou perigosas confrontações. Exceptuando as lutas pela libertação, os povos apenas querem continuar com as suas vidas em paz, procurando a previsibilidade, a estabilidade e a melhoria gradual das suas condições de vida.

Ora, hoje, aderir à estratégia dos EUA significa precisamente o contrário disto tudo. Como podemos constatar nós próprios, a submissão da UE e dos países que a integram, à estratégica hegemónica dos EUA, apenas nos tem trazido a imprevisibilidade, resultante das constantes sanções que têm efeito boomerang; instabilidade, quer em relação ao estado atual e às previsões futuras para a economia, quer em relação à própria ameaça de guerra, sempre no horizonte; degradação rápida das condições de vida, traduzida numa percepção geral de que tudo está a piorar, sem que se vejam luzes ao fundo do túnel. Algum povo vota para isto?

O que é que justificou tanta propaganda contra Erdogan? O que é que justificou a sua responsabilização direta pelo sismo ocorrido no sul do país? O que é que justificou uma cobertura mediática ocidental, sem precedentes, relativamente às eleições turcas? O que justifica tais ingerências nas eleições turcas, no fundo, é a mesma causa que justifica a ingerência nas demais eleições e os inúmeros golpes de estado – militares ou civis – “democraticamente” instaurados pelos EUA. Trata-se da integração do país – neste caso da Turquia – no quadro da relação de forças que se estabelece entre os EUA e o sul global, em especial, a Rússia, mas não só.

A preocupação dos EUA é tão grande que leva uma comentadora da CNN Portugal a dizer “era importante a Turquia ficar com uma democracia verdadeira”. Leia-se: democracia pró-ocidental, o que neste momento é muito perigoso e danoso para quem o faz. E é esta contradição que terá estado na escolha do povo turco. Em eleições com mais de 93% de participação (e depois fala a outra de “democracia verdadeira”), num país assolado pela inflação, pelos danos do terremoto, pelo autoritarismo do Sultão e pela corrupção endémica do seu movimento, o que é que justificou tal votação? Mesmo os “analistas” pró-Nato parecem admiti-lo: as pessoas tiveram medo dos resultados de uma viragem da política externa do país, no sentido da confrontação com a Rússia, com a China, com a Síria, etc. Todos perceberam para onde voaria Kemal Kilicdaroglu a seguir. E rejeitam-no.

Não fosse esse detalhe e Kemal teria ganho à primeira. Mas esse detalhe é fundamental para quem quer paz, estabilidade, previsibilidade e desenvolvimento. Mesmo não havendo “desenvolvimento”, como sucede, em parte com Erdogan, pelo menos que haja o resto. O povo turco não quis entrar em confronto com um país com o qual partilha uma fronteira marítima enorme (Mar Negro), de onde recebe energia, cereais, maquinaria, armas, investimento e cerca de 4 milhões de turistas anuais. Percebe-se e ajuda a entender a quão danosa pode ser a venda de uma pátria aos interesses dos EUA.

Na segunda volta, prevê-se que Erdogan volte a ganhar. E a suceder, o que ganha com ele é a neutralidade da Turquia. A mesma neutralidade que Zelinsky rejeitou e contra a qual destruiu o seu país e traiu o seu povo. A Ucrânia é um exemplo muito real do que está em jogo. Em 2021, o corrupto comediante ganhou as eleições com 70% dos votos, eleições essas em que havia prometido duas coisas: fazer a paz com a Rússia e cumprir os acordos de Minsk. O povo ucraniano, ao contrário do que a propaganda ocidental diz vezes sem conta, não queria, não quer e não votou pela guerra, pelo belicismo, pela agressão ao Donbass. Votou ao contrário disso tudo, não sendo despiciendo que até às eleições, quando instado sobre o povo e cultura russas, o comediante respondia sempre: é um povo irmão, é a minha cultura, é a minha língua.

Ganhou e revelou-se. Perseguiu russos, pró-russos, russófonos, russófilos e tudo o que tinha sabor, cheiro ou cor de russo. Fechou partidos, sindicatos, confiscou propriedades, fechou igrejas, prendeu, censurou, fechou TVs, revistas e jornais, proibiu a língua nas escolas e nos livros, bombardeou diariamente civis indefesos no Donbass e instalou nazis russófobos no poder. Tudo isto antes do malogrado dia 24/02/2022. Kyrylo Bogdanov disse para quem o quis ouvir que “continuaremos a matar russos”. Não disse militares. O chefe do GUR (a CIA Ucraniana) disse “russos”. Para quê tanto ódio? Em nome de quê? Quando quer matar em nome dos EUA, é ao seu povo que ele mata! Mata-o bocado a bocado todos os dias!

Outro povo que parece não querer que lhe aconteça o que aconteceu ao ucraniano – e a tantos outros que são traídos – é o povo de Taiwan. O que justifica que, depois de tanta propaganda, o candidato da oposição ao partido do poder, apresentado como defendendo o retorno à China continental, esteja à frente das sondagens e por larga vantagem? A previsibilidade, a estabilidade, a melhoria das condições de vida e a paz. Taiwan não quer tornar-se numa versão degradada da Ucrânia.

Ainda outro exemplo em marcha é o que se passa no Paquistão. Ihmram Khan era primeiro ministro e mantinha a neutralidade do país, em função dos interesses da sua nação. A CIA operou uma golpada civil e retirou-o através da dissolução do seu governo. O povo revoltou-se em massa e os jagunços da CIA no parlamento ficaram sem saber o que fazer. Se o deixassem em paz, ele ganharia as próximas eleições… O que fizeram então? Uma “lulada paquistanesa”. Acusação de corrupção e prisão com ele. Tudo extremamente democrático. Fosse Maduro a fazer isto…. Viu-se com o insecto Navalny o que aconteceu. Hoje, o povo revolta-se nas ruas, parte, incendeia, e com medo de perderem as eleições, já se fala de uma nova ditadura militar apoiada pelos EUA, como no passado. Aliás, a história prova que os EUA se dão muito mal com as escolhas democráticas no Paquistão – não só por lá…

O caso Geórgia também é paradigmático. Foram buscar uma presidente que nunca tinha lá vivido e nem a língua falava. Elegeram-na e colocaram-na no poder. No dia em que ela começou a insistir em não hostilizar a Rússia, em não atacar a Ossétia, em controlar o financiamento das ONGs da CIA… Logo deixou de ser “democrática” e colocaram-lhe um Maidan nas previsões. Perante a adesão popular às suas políticas, inclusive a reposição dos voos entre a Rússia e a Geórgia, os EUA ameaçaram com sanções. Mas como é que alguém se atreve em falar em democracia nestas situações?

Quando estes “analistas” de taberna falam em “democracia verdadeira”, deve ser uma espécie de código para “traição dos interesses do povo e da pátria”. A verdade é que, como já provou Michael Hudson num livro seu sobre o perdão das dívidas ao longo da história, sempre que um governante perdoava as dívidas aos pobres era apelidado de “tirano” pelos ricos. Hoje, muitos dos classificados “tiranos” estão no mesmo patamar. A maioria defende interesses que os seus povos consideram fundamentais, mas que vão contra os interesses das classes dominantes, as quais, detentoras do poder económico, conseguem colar-lhes uma imagem que nem sempre corresponde à verdade. No caso de Erdogan, não há um único elemento que o classifique como autocrata que não seja praticado pelos EUA e pelo ocidente. Um único. Onde é que isto nos deixa relativamente à nossa “democracia verdadeira”, cujos representantes optam pelo confronto, pela guerra e pela degradação das condições de vida?

Só para dar um exemplo dos danos para a Ucrânia que esta traição fatal provoca, veja-se o caso das munições de Urânio empobrecido. Hás uns tempos escrevi sobre isto, referindo um parecer jurídico internacional que apontava para os efeitos que tais munições têm em matéria ambiental. As gentes neoliberais fartaram-se de rir. Ontem na Ucrânia ocidental (Khmelnitsky e Ternopyl), dois depósitos enormes com armas vindas do ocidente foram bombardeados pelas forças russas. Nesses depósitos encontravam-se quantidades enormes de munições de urânio empobrecido. Hoje, há milhares de pessoas a abandonar a região, os fogos são apagados com ajuda de drones e existem equipas de técnicos equipados com dosímetros para medição e radiação, por toda a região. Ainda de manhã, foram divulgados os dados dos níveis de radiação da região, e verifica-se um pico acentuado nos níveis. Eis o resultado do uso destas munições.

Agora, como é cientificamente sabido, aumentarão os números de cancro nesses locais, tal como sucedeu na Jugoslávia, Sérvia, Iraque e nos soldados americanos e ingleses. O objetivo era envenenar o Donbass… Eis um exemplo real do que significa, hoje, estar do lado da destruição, da guerra, do terror e da ameaça…

O mais grave é que esta luta pela “democracia verdadeira”, em que só os mais ricos veem melhorada a sua condição, não cria apenas dificuldades aos que estão do lado de lá… Somos nós todos que sofremos com ela.

Vítimas da degradação da sua consciência de classe e do ataque às suas organizações de massas, os povos ocidentais encontram-se encarcerados entre: o autoritarismo soberanista de gente como Erdogan ou Orban, os quais estando longe de garantir o progresso e desenvolvimento social, tem garantido, pelo menos, a adesão a uma política externa mais neutral e pacífica, em nome, especialmente, dos seus e dos negócios de quem os apoiam; a farsa “democrática” dos EUA, nas mãos de uma reduzida oligarquia, que associa as mais insidiosas práticas de ingerência, vigilância, assédio e subversão dos interesses dos povos, a um discurso superficial pró-ambiental (para os jovens), à desconstrução dos laços sociais tradicionais no plano dos costumes. Nem uma nem outra conjugam o essencial: a paz e o desenvolvimento das condições de vida!

É razão para perguntar, “mas de que democracia verdadeira estão a falar”?

14/maio/2023

[*] Advogado. Telegram: https://t.me/canalfactual

O original encontra-se em

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS