Brasília, 16 de outubro de 2021 às 07:28
Selecione o Idioma:

Especiais

Postado em 08/10/2021 5:29

Os direitos das mulheres no Afeganistão

.

Burka afegã
Stephen Gowans

 Em nítido contraste, os bolcheviques elevaram os padrões de vida dos afegãos tadjiques, turcomanos e uzbeques na Ásia Central soviética e libertaram as mulheres da misoginia do islão tradicional. A reclusão feminina, a poligamia, o preço da noiva, os casamentos de crianças e forçados, o uso do véu (assim como a circuncisão de homens, considerada pelos bolcheviques como abuso infantil) foram proibidos. As mulheres foram recrutadas para cargos administrativos e profissionais e incentivadas – na verdade obrigadas – a trabalhar fora de casa.  Foi seguida a ideia de Friedrich Engels de que as mulheres só poderiam ser libertadas da dominação dos homens se tivessem rendimentos independentes.

Sem Título.jpg

Escrito em agosto de 2010, este artigo presciente do escritor anti-imperialista canadiano Stephen Gowans vale a pena ser relido hoje. Os Editores [ML Today]

Qualquer pessoa preocupada com o renascimento dos Talibãs deve esperar pelo renascimento dos comunistas.

 Por Stephen Gowans

O que  restou

Embora se manifestem muitas preocupações com “os direitos precários das mulheres no Afeganistão … [que] estão a esvair-se” [1], houve um tempo em que os direitos das mulheres afegãs eram muito mais sólidos, e ainda mais sólidos entre as pessoas que compartilhavam uma cultura comum com os afegãos, mas viviam na Ásia central Soviética. Enquanto os jornalistas dos EUA chamam a atenção para a preocupação de que a retirada das tropas dos EUA e o possível regresso dos Talibãs ao governo colocarão em risco os poucos direitos que as mulheres conquistaram, o jornalismo oficial dos EUA expressou poucas preocupações sobre a perda dos direitos das mulheres quando Washington apoiou a misógina Mujahedeen na sua luta contra um governo progressista em Cabul que procurava libertar as mulheres afegãs das práticas islâmicas tradicionais.

Eis o que diz a repórter do New York Times, Alissa J. Rubin:

Os precários direitos das mulheres no Afeganistão começaram a esfumar-se. As escolas femininas estão a fechar; as mulheres trabalhadoras são ameaçadas; as advogadas são atacadas; e famílias aterrorizadas estão a confinar cada vez mais as suas filhas à casa. Enquanto os governos afegão e ocidentais exploram a reconciliação com os Talibãs, as mulheres temem que a paz que desejam possa vir à custa de direitos que se reforçaram desde que o governo dos Talibãs foi derrubado em 2001. [2]

O relatório de Rubin faz parte de uma ofensiva de propaganda em jornais e revistas dos EUA para angariar apoio para a ocupação contínua do Afeganistão pelos Estados Unidos e seus aliados da OTAN. A campanha é talvez revelada de forma mais flagrante na edição de 29 de julho da Time, cuja capa, para citar os editores da revista,

é poderoso, chocante e perturbador. É um retrato de Aisha, uma tímida afegã de 18 anos que foi condenada por um comandante dos Talibãs a cortar o nariz e as orelhas por fugir dos familiares do marido que a perseguiam. Aisha posou para a foto e disse que quer que o mundo veja o efeito que o ressurgimento dos Talibãs teria sobre as mulheres do Afeganistão, muitas das quais floresceram nos últimos anos. A sua foto é acompanhada por uma história poderosa do nosso jornalista Aryn Baker sobre como as mulheres afegãs abraçaram as liberdades que surgiram com a derrota dos Talibãs – e como elas temem um renascimento dos Talibãs.

O que acontecerá se deixarmos o Afeganistão? Pergunta a revista Time. Os editores da revista teriam mostrado um maior sentido da história se tivessem perguntado: isso teria acontecido se não tivéssemos apoiado os Mujahedeen na década de 1980? Washington apoiou a reação islâmica no Afeganistão, recrutando e financiando dezenas de milhares de jihadistas para derrubar um governo que procurava libertar as mulheres da misoginia do Islã tradicional.

Não há nada de bom a ser dito sobre a perspetiva de um renascimento dos Talibãs. As condições para as mulheres irão de fato afundar-se a um nível bárbaro se os extremistas islâmicos voltarem ao poder. Mas a ideia de que os formuladores da política externa dos EUA se importam um pouco com a condição das mulheres no Afeganistão, ou que a maneira mais certa de garantir os direitos das mulheres afegãs é manter as tropas dos EUA firmemente no local, ignora a história da política externa dos EUA na região, e também ignora um ponto que a própria Rubin afirma: que Washington está a explorar a reconciliação com os Talibãs.

O uso que Rubin faz da palavra “reconciliação” é adequado. Washington tinha uma relação de trabalho com os Talibãs desde 1995, quando financiou e assessorou o movimento nascente através da CIA, em parceria com a agência de inteligência do Paquistão, o ISI, e a Arábia Saudita. [3] Washington não teve escrúpulos, então, sobre o tratamento bárbaro dado às mulheres pelos Talibãs e, pelos motivos explicados abaixo, provavelmente também não tem escrúpulos hoje. O Departamento de Estado manteve relações amigáveis ​​com os extremistas sunitas até 1999, quando todos os funcionários dos Talibãs estavam na folha de pagamentos do governo dos Estados Unidos. [4]

O fato de haver preocupações muito mais importantes para os decisores em Washington do que as condições das mulheres nas sociedades islâmicas fundamentalistas é evidenciado pelo enorme apoio que a Arábia Saudita, rica em petróleo, recebe do governo dos Estados Unidos. O reino é um aliado estratégico-chave para Washington e uma fonte de lucros colossais para as empresas de petróleo e bancos de investimento dos EUA, por meio dos quais os sauditas reciclam os seus petrodólares. E embora pouco seja dito nos Estados Unidos sobre a condição das mulheres na Arábia Saudita, as mulheres sauditas são submetidas a práticas tão bárbaras e obscuras como as que os Talibãs infligiram às mulheres do Afeganistão.

Mas os sauditas, devido à sua cooperação com as empresas americanas com muita prática de construção de Himalaias de lucros do petróleo todos os anos, safam-se com práticas retrógradas que deixam o mundo ocidental indignado quando praticadas pelos Talibãs, cujas práticas em relação às mulheres só receberam o escrutínio que mereciam quando os fundamentalistas islâmicos se recusaram a ir a jogo com a Unocal [Union Oil Company of Califórnia] num negócio para um gasoduto.

É assim que os sauditas – um dos sócios de Washington no Oriente Médio – tratam as mulheres. Não podem votar, conduzir ou sair de casa sem um acompanhante masculino e, quando o fizerem, devem evitar os homens e cobrir a maior parte do corpo. Se quiserem casar-se, divorciar-se, viajar, ir à escola, conseguir um emprego ou abrir uma conta no banco, precisam da aprovação de um parente do sexo masculino. O lugar da mulher é no lar, e o papel da mulher é criar os filhos e cuidar da casa. Num tribunal, o testemunho de duas mulheres vale o testemunho de um homem.

A presença de tropas americanas na Península Arábica não pôs fim a essas práticas bárbaras.

Os sexos são estritamente segregados, com entradas separadas para homens e mulheres na maioria das casas e prédios públicos e áreas segregadas em locais públicos. As redes de restaurantes dos EUA, incluindo a McDonald’s, a Pizza Hut, e a Starbucks são coniventes na opressão das mulheres, mantendo áreas separadas para os sexos nos seus restaurantes. As meninas frequentam escolas só para meninas, onde os professores são menos qualificados e os livros são atualizados com menos frequência do que nas escolas para meninos. Os pais podem casar as suas filhas em qualquer idade, e meninas de nove anos já se casaram. Num caso, uma menina de 10 anos foi forçada a casar-se com um homem de 80 anos.

Com as suas escolas separadas e direitos legais diferentes e injustos e as suas restrições ao movimento de mulheres, os sauditas praticam uma forma de apartheid não diferente daquela praticada antigamente na África do Sul . A única diferença é que as vítimas são definidas pela posse de útero e não pela cor da pele. [5]

Outra evidência da suprema indiferença de Washington para com os direitos das mulheres no exterior é evidenciada pelo papel que desempenhou em minar um governo progressista no Afeganistão que procurou libertar as mulheres das garras das práticas islâmicas antifemininas tradicionais. Na década de 1980, Cabul era “uma cidade cosmopolita. Artistas e hippies encheram a capital. As mulheres estudaram agricultura, engenharia e gestão na universidade da cidade. Mulheres afegãs ocuparam cargos públicos”. [5] Havia mulheres no parlamento e as mulheres conduziam, viajavam e iam a encontros, sem a necessidade de pedir permissão a um tutor masculino.

O fato de isso ter deixado de acontecer deve-se em grande parte a uma decisão secreta tomada no verão de 1979 pelo então presidente dos EUA Jimmy Carter e o seu conselheiro de segurança nacional Zbigniew Brzezinski de atrair “os russos para a armadilha afegã” e dar “à URSS a sua Guerra do Vietnã”, financiando e organizando terroristas islâmicos para lutar contra um novo governo em Cabul liderado pelo Partido Democrático Popular do Afeganistão. [6]

O objetivo do PDPA era libertar o Afeganistão do seu atraso. Na década de 1970, apenas 12% dos adultos eram alfabetizados. A expectativa de vida era de 42 anos e a mortalidade infantil a mais alta do mundo. Metade da população sofria de tuberculose e um quarto de malária.

A maior parte da população vivia no campo, governado por proprietários de terras e mullahs ricos. As mulheres – submetidas às práticas islâmicas tradicionais de casamento forçado, preço da noiva, casamento infantil, reclusão feminina, subordinação aos homens e o véu – viviam existências particularmente bárbaras. [7]

Reagan na Casa Branca com líderes talibans.Reagan na Casa Branca com líderes talibans.

O presidente dos EUA, Ronald Reagan, festeja os Mujahedeen “lutadores pela liberdade” na Casa Branca. O Departamento de Estado manteve relações amigáveis ​​com os Talibãs até 1999, quando todos os funcionários Talibãs estavam nas folhas de pagamento do governo dos Estados Unidos. Apesar das alianças de Washington com fanáticos religiosos que impuseram – e continuam na Arábia Saudita a impor – um governo patriarcal bárbaro sobre as mulheres, a mídia dos EUA promove a ideia contraditória de que a libertação das mulheres no Afeganistão pode ser confiada aos Estados Unidos.

Em nítido contraste, os bolcheviques elevaram os padrões de vida dos afegãos tadjiques, turcomanos e uzbeques na Ásia Central soviética e libertaram as mulheres da misoginia do Islã tradicional. A reclusão feminina, a poligamia, o preço da noiva, os casamentos de crianças e forçados, o uso do véu (assim como a circuncisão de homens, considerada pelos bolcheviques como abuso infantil) foram proibidos. As mulheres foram recrutadas para cargos administrativos e profissionais e incentivadas – na verdade obrigadas – a trabalhar fora de casa. Foi seguida a ideia de Friedrich Engels de que as mulheres só poderiam ser libertadas da dominação dos homens se tivessem rendimentos independentes. [8]

Em 1978, o governo de Mohammed Daoud, que o PDPA havia apoiado, mas com o qual estava cada vez mais desencantado, matou um membro do partido muito conhecido. Isso gerou manifestações de massas, nas quais Daoud recebeu ordens para prender os líderes do PDPA. No entanto, antes que a ordem pudesse ser executada, o PDPA ordenou que os seus apoiantes no exército derrubassem o governo. A rebelião foi bem-sucedida e Noor Mohammed Taraki, líder de uma ala da linha dura do partido, chegou ao poder. A Revolução de Saur (abril) foi uma reação espontânea aos planos do governo de Daoud de prender os líderes do PDPA e suprimir a esquerda, não foi a realização de um plano elaborado com a conivência de Moscou para tomar o poder. Embora o novo governo fosse pró-soviético e os soviéticos tivessem intervindo militarmente a seu pedido, num esforço para suprimir a reação islâmica apoiada pelos EUA nos campos, Moscou não estava por trás da tomada do poder. [9]

O novo governo anunciou imediatamente uma série de reformas. As dívidas dos camponeses pobres seriam canceladas e seria criado um Banco de Desenvolvimento Agrícola para fornecer empréstimos a juros baixos aos camponeses, num esforço para erradicar as práticas usurárias de agiotas e proprietários de terras. A propriedade da terra deveria ser limitada a 15 acres e as grandes propriedades divididas e redistribuídas aos camponeses sem terra. [10]

Ao mesmo tempo, as mulheres seriam libertadas das restrições do Islã tradicional. O preço da noiva – o tratamento de mulheres casadoiras ​​como bens móveis a serem trocados em transações comerciais – era severamente limitado. A idade de consentimento para o casamento das meninas foi elevada para 16 anos. E estudantes das cidades foram despachados para o campo para ensinar homens e mulheres a ler e escrever. [11] Embora tenham sido alcançados alguns ganhos, especialmente em Cabul, onde o apoio ao PDPA era mais forte, as reformas nunca se enraizaram no campo, onde o governo avançou rápido demais, despertando uma oposição determinada dos ricos latifundiários e mullahs que não tinham poder militar para neutralizar. [12]

O recrutamento por Washington de dezenas de milhares de mujahedeen de países muçulmanos para a jihad, incluindo o milionário saudita Osama bin Laden, acabou por contribuir para a decisão soviética de retirar as suas forças militares e para o eventual derrube do governo PDPA, que perdurou alguns anos depois de os soviéticos terem deixado o país. Depressa os Talibãs, apoiados pelos Estados Unidos, Paquistão e Arábia Saudita, fizeram o Afeganistão voltar mais uma vez com dureza à Idade Média, depois de o país ter dado alguns passos determinados em direção à modernidade sob a liderança do PDPA. Significativamente, foram os bolcheviques na Ásia Central soviética e o PDPA de inspiração marxista-leninista no Afeganistão que agiram para melhorar as condições das mulheres, enquanto os Estados Unidos se aliaram aos fanáticos religiosos que impuseram – e continuam na Arábia Saudita a impor – a bárbara lei patriarcal sobre as mulheres.

Para Washington, os lucros estão acima dos direitos das mulheres. Os comunistas, por contraste, foram inspirados pelos objetivos de libertar os camponeses do atraso feudal e quebrar o domínio do Islã tradicional sobre a sorte das mulheres. Este último atuou como paladino do progresso humano e dos direitos das mulheres; os primeiros, como cativos da lógica do imperialismo. A libertação das mulheres da misoginia dos Talibãs e dos sauditas não acontecerá pela ação de Washington. Qualquer pessoa preocupada com o renascimento dos Talibãs e a consequente perda dos poucos ganhos que as mulheres afegãs conseguiram sob um governo fantoche apoiado pelo Pentágono, deve esperar, em vez disso, o renascimento dos comunistas. Eles têm um histórico no serviço da libertação das mulheres; O histórico de Washington, ao contrário, não inspira confiança.

[1] Alissa J. Rubin, “Afghan women fear the loss of modest gains [As mulheres afegãs temem a perda dos ganhos modestos], The New York Times de 30 de julho de 2010.
[2] Rubin.
[3] Michael Parenti, “Afghanistan, Another Untold Story” [Afeganistão, outra história não contada], Michael Parenti Political Archives, dezembro de 2008, atualizado em 2009. www.michaelparenti.org/afghanistan%20story%20untold.html
[4] Parenti.
[5] “Women’s rights in Saudi Arabia” [Os direitos das mulheres na Arábia Saudita] Wikipedia, en.wikipedia.org/wiki/Women’s_rights_in_Saudi_Arabia San Francisco Chronicle, 17 de novembro de 2001. Citado em Parenti.
[6] Extraído de uma entrevista no Le Nouvel Observateur, Paris, 15-21 de janeiro de 1998, traduzida por William Blum, disponível em www.globalresearch.ca/articles/BRZ110A.html «Pergunta: O ex-diretor da CIA, Robert Gates, declarou nas suas memórias [“From the Shadows”] que os serviços de inteligência americanos começaram a ajudar os Mujahadeen no Afeganistão 6 meses antes da intervenção soviética. Nesse período, o senhor foi o conselheiro de segurança nacional do presidente Carter. O senhor, portanto, desempenhou um papel neste caso. É assim?
Brzezinski: Sim. De acordo com a versão oficial da história, a ajuda da CIA aos Mujahadeen começou em 1980, ou seja, depois de o exército soviético ter invadido o Afeganistão, em 24 de dezembro de 1979. Mas a realidade, secretamente guardada até agora, é completamente diferente. Na verdade, foi no dia 3 de julho de 1979 que o presidente Carter assinou a primeira diretriz de ajuda secreta aos oponentes do regime pró-soviético em Cabul. E nesse mesmo dia escrevi uma nota ao presidente na qual lhe explicava que, em minha opinião, essa ajuda iria induzir a uma intervenção militar soviética.
P: Apesar desse risco, o senhor foi um defensor dessa ação secreta. Mas talvez o senhor desejasse esta entrada soviética na guerra e procurasse provocá-la?
B: Não é bem isso. Não pressionámos os russos a intervir, mas conscientemente aumentámos a probabilidade de que o fizessem.
P: Quando os soviéticos justificaram a sua intervenção afirmando que pretendiam lutar contra um envolvimento secreto dos Estados Unidos no Afeganistão, as pessoas não acreditaram neles. No entanto, havia uma base de verdade. O senhor não se arrependeu de nada hoje?
B: Arrepender de quê? Essa operação secreta foi uma excelente ideia. Teve o efeito de atrair os russos para a armadilha afegã e o senhor quer que eu me arrependa? No dia em que os soviéticos cruzaram oficialmente a fronteira, escrevi ao presidente Carter. Temos agora a oportunidade de dar à URSS a sua guerra do Vietname. Na verdade, durante quase 10 anos, Moscovo teve de travar uma guerra insuportável pelo governo, um conflito que trouxe a desmoralização e, finalmente, a dissolução do império soviético.
P: E você também não se arrepende de ter apoiado o fundamentalismo islâmico, de ter dado armas e conselhos a futuros terroristas?
B: O que é mais importante para a história do mundo? Os Talibãs ou o colapso do império soviético? Alguns muçulmanos agitados ou a libertação da Europa Central e o fim da guerra fria?
P: Alguns muçulmanos agitados? Mas foi dito e repetido que o fundamentalismo islâmico representa uma ameaça mundial hoje.
B: Disparate! Diz-se que o Ocidente tinha uma política global em relação ao Islão. Isso é estúpido. Não existe um Islão global. Olhe para o Islão de maneira racional e sem demagogia ou emoção. É a principal religião do mundo, com 1,5 mil milhões de seguidores. Mas o que há em comum entre o fundamentalismo da Arábia Saudita, o Marrocos moderado, o militarismo do Paquistão, o secularismo egípcio pró-Ocidente ou o secularismo da Ásia Central? Nada mais do que o que une os países cristãos.
[7] Albert Szymanski, Class Struggle in Socialist Poland: With Comparisons to Yugoslavia, Praeger, 1984a.
[8] Albert Szymanski, Human Rights in the Soviet Union, [Direitos Humanos na União Soviética], Zed Books, Londres, 1984b.
[9] Szymanski, 1984a.
[10] Szymanksi, 1984a.
[11] Szymanksi, 1984a.
[12] Irwin Silber, Afeghanistan – The Battle Line is DrawnAfeganistão – A linha de batalha está traçada], Line of March Publications, 1980.
Agosto/2010
[*] Escritor anti-imperialista canadiano.
O original encontra-se em mltoday.com/womens-rights-in-afghanistan e a tradução de MFO em pelosocialismo.blogs.sapo.pt/os-direitos-da-mulher-no-afeganistao-164443
Este artigo encontra-se em resistir.info

Comentários: