Brasília, 2 de dezembro de 2021 às 23:43
Selecione o Idioma:

Papo do Dia

Postado em 30/09/2020 9:20

OS ATAQUES AO DUPLO EXPRESSO E A INDISPENSÁVEL LIBERDADE

.

Da redação Pátria Latina

“Dos muitos enganos consagrados como verdades ao longo dos séculos, a classificação do pensamento social e econômico do filósofo escocês Adam Smith (1723-1790) como fazendo parte do liberalismo é um dos mais aceitos”, escreve o cientista político Felipe Quintas no Monitor Mercantil (Adam Smith contra o Liberalismo – O capital produtivo, em 30/10/2020, Opinião).

Se algum pensamento foi embusteiro ao longo da história não olhe para a variedade dos pensamentos místicos. O liberalismo ganha desde sempre.

Começa pela confusão entre liberdade e liberal. Nada mais escravizador do que os liberalismos europeus e estadunidenses, sob a forma da colonização e da construção dos impérios econômicos e culturais.

E quem mais censura? O liberalismo, do que nos dá exemplo agora o site de Romulus Maya, “Duplo Expresso”.

Este site sempre se pautou, por seu editor e pelos seus convidados, pela ampla e franca discussão dos temas mais atuais e candentes da política internacional e brasileira. E, com competência, sabia se posicionar e manter simultaneamente o equilíbrio entre as diversas tendências do pensamento. Claro que não cabia dar palavra aos que fazem da pregação totalitária seu modo de vida.

Passo a palavra ao Romulus Maya na descrição das razões da agressão, sofrida pelo seu site, à Polícia Suíça:

“Podem compreender melhor a que tipo de pessoas me refiro, e que interesses barra-pesada contrariamos com nosso trabalho, ao ler uma das melhores matérias de autoria de Pepe Escobar: “#BanestadoLeaks: o escândalo de lavagem de dinheiro no Brasil dos infernos”, de 23 de julho de 2020, para a qual tenho orgulho de ter contribuído reunindo inteligência durante anos e anos. O roubo dos recursos naturais e dos ativos do Estado brasileiro segue um plano de longo prazo, previsto sob um acordo “Umbrella Deal” (“Acordo Guarda-Chuva”), assinado, entre outros, por Daniel Dantas, pelo ex-ministro Roberto Mangabeira Unger (também Professor em Harvard e alguém que diversas fontes dizem ser um ativo da inteligência dos EUA) e o então CEO do Citigroup, em 1992, na sede do banco, em Nova York. Fernando Henrique Cardoso era então Ministro das Relações Exteriores. E tornou-se Presidente dois anos depois, sob quem a execução do “Umbrella Deal” foi muito acelerada”.

Veem-se nesta passagem as forças que desejam calar o Duplo Expresso. E seria mero acaso seu liberalismo? Ou neoliberalismo?

Romulus, com sua forma de escrever e divulgar, distinta daquela de Felipe Quintas, um scholar, acadêmico, convergem, no entanto, na questão da base do pensamento totalitário e embusteiro: o liberalismo.

E a prova insofismável que as divulgações de Romulus Maya do crime do Banestado, da Lista da Odebrecht atingiram o alvo certo está na pressão que os controles digitais estão fazendo contra o seu site Duplo Expresso.

O Documento que deu condição de se aplicar o Acordo Guarda-Chuva foi nada mais, nada menos do que o Consenso de Washington, formulado em novembro de 1989, para o domínio do sistema financeiro no poder de todas as nações, e que contou com a participação de brasileiros, que viriam nas décadas seguintes a dirigir o País.

As 10 medidas preconizadas no Consenso eram:

Disciplina fiscal;

Redução dos gastos públicos;

Reforma tributária;

Juros de mercado;

Câmbio de mercado;

Abertura comercial;

Investimento estrangeiro direto, com eliminação de restrições;

Privatização das estatais;

Desregulamentação (afrouxamento das leis econômicas e trabalhistas) e

Direito à propriedade intelectual.

Romulus Maya é inteligente e estudioso o bastante para saber que não são apenas as notícias e análises que divulga as responsáveis pelas agressões à liberdade de imprensa, ao direito à vocalização, como um princípio da cidadania, que ele está sofrendo.

Ele está do outro lado dos interesses do Consenso de Washington. Ele está na defesa da industrialização brasileira, na proteção, que é obrigação do Estado, da parte mais vulnerável da nação, os despossuídos de toda sorte, da soberania do Estado e da construção da cidadania, que precisa conhecer o poder efetivo que se esconde na abstração de mercado, tantas vezes citado no Consenso de Washington.

Pátria Latina não poderia deixar de estar solidária ao Duplo Expresso. Ambos lutamos pela independência dos Estados e pela cidadania nas Nações, pela liberdade de crítica e de informação.

Especialmente nesta semana que comemora 90 anos da Revolução Brasileira. O início da Era Vargas.

Comentários: