Brasília, 16 de agosto de 2022 às 10:01
Selecione o Idioma:

Internacional

Postado em 12/04/2021 7:14

‘O roubo’ continua: EUA levam mais de 40 tanques de petróleo sírio para o Iraque

.

ORIENTE MÉDIO E ÁFRICA

Sputnik – As forças dos Estados Unidos transportaram 41 tanques de petróleo roubado da província de Hasakah, no norte da Síria, para o Iraque, informou a Agência de Notícias Árabe Síria (SANA), nesta segunda-feira (12), citando fontes locais.

Conforme publicou a agência SANA, o comboio norte-americano incluiu vários caminhões cobertos que circularam na noite do domingo (11). A agência informou que o petróleo foi contrabandeado para o território iraquiano através de uma passagem “ilegal” na fronteira.

Esta não é a primeira vez que a agência síria reporta esse tipo de situação. Em dezembro de 2020, uma publicação semelhante relatou que as forças dos EUA saquearam o petróleo do interior de Hasakah e o transportaram através da fronteira para bases norte-americanas no Iraque.

A notícia desta segunda-feira (12) diz que o comboio foi protegido, em parte, por membros da milícia FSD, também conhecida como Forças Democráticas da Síria. Embora o QSD seja a força de defesa oficial da administração autônoma do norte da Síria, o grupo já foi acusado de limpeza étnica e uso de crianças como soldados.

Comboio dos EUA patrulha na província de Hasakah, no nordeste da Síria (foto de arquivo)
© AFP 2021 / DELIL SOULEIMAN
Comboio dos EUA patrulha na província de Hasakah, no nordeste da Síria (foto de arquivo)

No domingo (11), a SANA informou que os EUA transportaram armamento e equipamento logístico de bases no Iraque para a província de Hasakah na Síria, com o carregamento de 59 caminhões refrigerados, tanques com suprimentos militares e blindados Humvee.

No ano passado, o então secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, confirmou que uma empresa de petróleo dos Enorte-americana faria parceria com as forças lideradas por curdos que operam no nordeste da Síria – uma ação fortemente condenada pelo governo do presidente sírio, Bashar Assad.

Comentários: