Brasília, 28 de novembro de 2021 às 14:41
Selecione o Idioma:

Sem Titulo

Postado em 24/08/2018 11:57

O que não podem perdoar a Nicolás Maduro

.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, declarou segunda-feira, 20 de agosto, como um dia não útil para «facilitar a entrada em vigor do novo cone monetário e seu processo de adaptação».

A partir desse dia, seu país terá oficialmente duas unidades contábeis: o bolívar soberano e o Petro, um novo sistema salarial e um sistema de preços ancorado à criptomoeda, bem como um novo sistema de subsídio direto da gasolina às famílias venezuelanas e ao transporte público nacional.

É um dia que, sem dúvida, marcará um antes e um depois na recuperação, renovação e estabilidade econômica de um país que foi submetido à mais feroz guerra econômica, psicológica, da mídia e violenta, que causou inúmeras vítimas inocentes. Um governo cujas forças opostas — externas e internas — não pouparam maneiras e métodos para desestabilizá-lo, destruí-lo e subjugá-lo.

UM GABINETE ECONÔMICO EM AÇÃO

O líder venezuelano dedicou pessoalmente, juntamente com um Gabinete Econômico criado expressamente sessões intensas a abordar, definir, ajustar e supervisionar as medidas urgentes que seriam postas em prática como parte do que ele chamou de Programa de Recuperação Econômica, Crescimento e Prosperidade da Venezuela.

O processo, também, incluiu três dias para a conclusão de um Censo Nacional de Transportes, que começou na quarta-feira 15 de agosto e terminou dois dias depois, dando a principal matéria-prima para a reorganização prévia desse sistema de controle de combustíveis e do transporte público. Lembre-se de que foi o próprio presidente Maduro que pediu a participação voluntária no censo, em 4 de agosto, exatamente no momento em que foi feita uma tentativa contra sua vida.

«Eu sei que conto com o compromisso de milhões», disse Maduro, referindo-se à vontade e espírito nacional que deve governar a recuperação econômica, que incluirá não apenas a reconversão monetária para consolidar a prosperidade do povo, mas também maior produtividade e eficiência em todas as áreas da vida do país.

Entre as prioridades do trabalho está especificado: «A equipe econômica deve dar o máximo de esforço para aumentar as receitas do petróleo, mineração, turismo, exportações não tradicionais e todas as alternativas de produção que geram riqueza, para tornar nossa economia sustentável».

«Uma nova história começa na vida econômica da Venezuela, que coloca o ser humano no centro. Peço o apoio de todas as forças produtivas do país para que elas se juntem ao melhor espírito do programa», disse o presidente através de sua página oficial no Facebook.

O PETRO: UM NOVO TEMPO

A moeda venezuelana Petro, que pretende se fortalecer e alcançar uma dimensão que muitos não ousam tentar medir, teve seu primeiro lançamento em fevereiro deste ano e imediatamente fez grandes manchetes — entre outras coisas — porque sua pré-venda chegou a 735 milhões de dólares em apenas as primeiras 20 horas de sua circulação.

Qualificado pelo presidente Nicolás Maduro como uma «bomba”», exigiu que as tecnologias usadas para garantir a segurança das operações realizadas com ele impedissem a ação de «hackers, narcotraficantes e lavadores ativos». Imediatamente, foi anunciada a criação de uma Tesouraria do Criptoativo e a certificação de mais de cinco mil pessoas para explora-lo no país, após o registro. As máquinas usadas para a mineração digital vieram da China e foram montadas na Venezuela.

Desde então, empresas públicas, como a Petróleos da Venezuela (Pdvsa) e a Corporação Venezuelana da Guiana fariam uma porcentagem de suas compras de insumos através desse novo sistema. Também o combustível para as companhias aéreas e os serviços turísticos do país poderia ser pago pela criptomoeda, bem como pelos serviços consulares em todo o mundo e a gasolina que era fornecida nos postos de gasolina colombiano-venezuelanos.

Foi anunciada a emissão de cem milhões de Petros cujo valor seria suportado pelo preço do petróleo bruto no país e ao contrário das mais de 1.500 criptomoedas existentes em todo o mundo, o Petro nasceu com um sustento físico, pelo apoio de 5,342 bilhões barris de petróleo do campo 1, do Bloco Ayacucho, do Cinturão Petrolífero de Orinoco.

O governo venezuelano deu assim um passo importante no confronto com o bloqueio financeiro imposto a seu país, ao mesmo tempo em que estimulou o investimento estrangeiro e criou-se um novo sistema de pagamento de bens e serviços que agora vai por outros caminhos, com o novo cone monetário e os sistemas de preços e salários que começaram no dia 20.

A UNIÃO CÍVICA MILITAR E A LUTA PELA PAZ

Juntamente com o Programa de recuperação econômica, crescimento e prosperidade da Venezuela, essencial para alcançar seus objetivos, o Governo Bolivariano continuou fortalecendo a união cívico-militar e a luta pela paz no país.

A luta contra a corrupção, a burocracia, o respeito e o fortalecimento das instituições do país, o reconhecimento e a preparação do papel de liderança da Força Armada Nacional Bolivariana (FANB), com o próprio presidente como seu principal Comandante, também reforça o progresso, construindo a prosperidade e a estabilidade da nação.

Nas últimas semanas, ao mesmo tempo que o Gabinete Econômico apoiou os detalhes para a próxima etapa que se inicia, também Nicolás Maduro se reuniu em várias ocasiões com o Alto Comando da FANB para avaliar os ensinamentos que deixaram os eventos do dia 4 de agosto, refletir sobre os desafios e responsabilidades de todas as forças na construção dessa paz vital para continuar avançando, com a participação de todos os venezuelanos que amam sua Pátria.

A este respeito, Maduro disse que a tentativa de assassinato tinha a intenção de gerar confusão e culpar a FANB, manchando assim a honra militar, e ratificou que esta é uma das ações da estratégia global do imperialismo para controlar o poder político e a riqueza natural e econômica da Venezuela. «Tenho certeza de que a FANB teria se juntado ao povo para realizar uma revolução mais radical, revolucionária e chavista», disse Maduro.

Exigiu que os governos da Colômbia e dos Estados Unidos entregassem os responsáveis ​​pelo ataque, porque nesta nova etapa da Revolução «não haverá intocáveis», disse, referindo-se àqueles que cometem atos violentos de qualquer tipo que afetam a segurança e a estabilidade do país e dos cidadãos.

«Vamos lutar pela paz, vamos cuidar da vida do país e seguir em frente sem descanso. Nós defenderemos nosso direito à paz. A FANB tem a responsabilidade de proteger o país e torná-lo inexpugnável para o terrorismo imperialista oligárquico colombiano. Vamos defender a integridade do país e vamos proteger o nosso direito a um futuro em paz e tranquilidade», disse Maduro em uma dessas reuniões com o Alto Comando Militar. O comando, por sua vez, ratificou seu apoio ao governo, seu compromisso com o legado de Chávez e do povo.

UMA REVOLUÇÃO MAIS HUMANA, DIGNIFICADA E SEGURA

Poucos no mundo puderam compreender como um país, um processo revolucionário submetido a tanta pressão, a tantas guerras de todos os tipos, pode resistir e, ao mesmo tempo, tornar-se mais forte, abrir novos caminhos — internos e externos — e avançar sem renunciar aos princípios básicos que lhe deram origem.

Tampouco podem entender como um líder operário contra o qual foram executadas todos os tipos de ações, até o ataque direto à sua vida, permanece firme, em pé e determinado em fazer da Venezuela um país mais soberano, próspero e pacífico, com o ser humano como centro, a partir de sete linhas estratégicas de trabalho que também foram discutidas e assumidas desde a base até a sessão nacional, pelo recém-concluído Congresso do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), a maior força política do país.

É precisamente isso que as grandes oligarquias direitistas e o imperialismo não podem perdoar a Nicolás Maduro: sua resistência, sua bravura, sua dignidade, sua capacidade de sair de cada armadilha e avançar apesar de qualquer obstáculo, por mais difícil que seja, seu compromisso com o povo, que é o principal protagonista e beneficiário, como fazem os líderes das Revoluções mais genuínas.

LINHAS ESTRATÉGICAS DE AÇÃO

→ Diálogo, pacificação e reconciliação

→ Acordo econômico produtivo para atingir a estabilidade e a prosperidade

→ Luta renovada e frontal contra a corrupção e a burocracia

→ Fortalecimento e ampliação do Sistema de Proteção e Previdência Social

→ Defesa da Venezuela perante os ataques do imperialismo e o bloqueio dos EUA.

→ Ratificar o socialismo bolivariano, chavista, humanista e multidimensional.

→ Atenção à infraestrutura e os serviços públicos.

Comentários: