Brasília, 26 de junho de 2022 às 17:41
Selecione o Idioma:

Internacional

Postado em 25/02/2022 4:26

O desarmamento da Ucrânia

.

Moon of Alabama [*]

Os militares da Rússia lançaram uma operação para desarmar e, possivelmente, mudar o regime na Ucrânia.

Compreendo porque a Rússia está a fazer isto – ou ataca agora ou se defende mais tarde com muito mais baixas e o perigo de uma derrota total.

Esperava, no entanto, que encontrasse outros métodos para proteger a Rússia de novas agressões da OTAN.

Em 2014, os EUA instigaram uma mudança de regime em Kiev e desde então controlam o governo ucraniano. Construíram a Ucrânia como uma base para estrangular a Rússia económica e militarmente.

Durante os últimos dois séculos, a Rússia teve de se defender, com baixas horríveis, contra duas enormes invasões do Ocidente. É compreensível que não queira repetir tais experiências.

É difícil perceber qual é o final planeado para esta operação. Onde é que ela vai parar?

Os acréscimos à Ucrânia ao longo da história.

Ao olhar para este mapa, acredito que o estado final mais vantajoso para a Rússia seria a criação de um novo país independente, chamado Novorussiya, nas terras a leste do Dnieper e a sul ao longo da costa que detém uma população maioritariamente de etnia russa e que, em 1922, fora anexada à Ucrânia por Lenine. Esse Estado estaria política, cultural e militarmente alinhado com a Rússia.

Esta solução eliminaria o acesso ucraniano ao Mar Negro e criaria uma ponte terrestre em direção à Transnístria, a região separatista moldava, que se encontra sob proteção russa.

O resto da Ucrânia seria uma terra confinada, na sua maior parte um estado agrícola, desarmada e demasiado pobre para constituir uma nova ameaça à Rússia nos tempos mais próximos. Politicamente, seria dominada pelos fascistas da Galiza, o que se tornaria então um grande problema para a União Europeia.

Graças às adições de Stalin à Ucrânia, três países – Polónia, Hungria e Roménia – têm reivindicações a certas áreas nas regiões ocidentais da Ucrânia. Se eles quiserem voltar a apanhá-las, provavelmente será agora a melhor altura para o fazerem. Apesar de fazerem parte da OTAN, que provavelmente não apoiaria tais iniciativas, esses três países terão dificuldades políticas internas para resistir a esse impulso.

Espero um combate agudo, mas breve que destrua as capacidades militares da Ucrânia, mas cause o mínimo de baixas e outros danos possíveis.

É triste que os países da NATO, incluindo o meu [Alemanha], não tenham tido a coragem de fazer as concessões necessárias para impedir que isto acontecesse.

Atualização: O discurso de Putin ontem à noite (versão inglesa) explica porque tudo isto está a acontecer.

24/fevereiro/2022

Ver também:

[*] Editado por Bernard.

O original encontra-se em www.moonofalabama.org/

Este artigo encontra-se em resistir.info

Comentários: