Brasília, 19 de julho de 2021 às 16:31
Selecione o Idioma:

Brasil

Postado em 01/06/2021 7:36

O antibolsonarismo está nas ruas

.

Foto: Mídia Ninja
Leandro Demori – Editor executivo/The Intercept Brasil

Bolsonaro nunca foi tão impopular. Milhares de pessoas saíram às ruas para protestar contra a gestão assassina da pandemia, comandada pelo ex-capitão. Os protestos do último sábado aconteceram em mais de 200 cidades brasileiras e em outros países. A repercussão dos atos também extrapolou o território nacional e se espalhou pela imprensa internacional. Em meio às manifestações, Bolsonaro postou foto nas redes segurando uma camiseta onde se lê: “Imorrível, imbroxável, incomível”.

Bolsonarismo e antibolsonarismo nas ruas | O Antagonista

Mas a despeito da ironia sociopata de Bolsonaro no dia em que o Brasil bateu a triste marca de 460 mil mortes por Covid-19, há motivos para afirmar que os ventos estão mudando para o mito. Antes mesmo dos protestos, pesquisa Datafolha mostrou que pela primeira vez a parcela da população favorável ao impeachment de Bolsonaro é maior que a parcela da população contrária a seu afastamento. A aprovação ao governo do ex-capitão é a mais baixa de sua gestão, de 24% – enquanto 45% o rejeitam.

Tudo isso acontece no momento em que a CPI da Covid fragiliza ainda mais Bolsonaro. Não que seja novidade para alguém, mas a comissão reforça a enorme incompetência do governo na administração da maior crise sanitária do planeta.

Bolsonaro minimizou o impacto da pandemia. Recusou várias ofertas de vacina (ofertas comprovadas pela CPI) que teriam poupado milhares de vidas. Colocou um general despreparado no Ministério da Saúde. Defendeu o uso da cloroquina e do tratamento precoce. Debochou do uso de máscara e foi à Justiça contra o isolamento social.

Em paralelo, lidera o mais brutal processo de desmonte do Estado brasileiro de nossa história. Esse é o governo que queria um auxílio de apenas R$ 200 ao mesmo tempo que tira direitos, aprofunda o desemprego e destrói o mínimo de assistência que ainda temos. Não é apenas um governo negacionista e de morte, é o governo da fome!

É por isso que sábado foi um dia tão importante: a temperatura que vem das ruas é  peça nova no jogo político dos novos tempos. A rejeição da população e a crise econômica na qual o país está mergulhado complicam a vida de Bolsonaro. Além disso, segundo especialistas, estamos perto de enfrentar uma terceira onda da pandemia. Ela chega em velocidade acelerada ao mesmo tempo em que o ritmo da vacinação é lento.

As pessoas que estavam em casa para ajudar a frear a contaminação foram empurradas para as ruas pela força do luto por seus mortos e pela desesperança no futuro. Não faltam motivos para protestar. E a população brasileira sabe disso. Milhares de pessoas ontem se arriscaram porque nesse momento Bolsonaro é mais perigoso que o vírus.

Não temos vacina (apenas 10% de vacinados com a segunda dose), a taxa de desemprego é histórica, voltamos para o mapa da fome, as ameaças de golpe são constantes. Derrotar Bolsonaro não é uma questão política, é uma questão de sobrevivência. Por isso, as próximas semanas são importantes para acompanharmos o movimento antibolsonarista nas ruas.

O Intercept, você sabe, é incansável. E tem um lado bem definido nessa questão. Diferente dos grandes veículos que decidiram brigar com a notícia e omitir a dimensão dos atos, nós estamos nas ruas e nas redes totalmente comprometidos com a vida, com os direitos humanos, com o interesse público.

Nossa contribuição nesse momento é o jornalismo independente, que investiga com cuidado e denuncia com coragem. Já mostramos que somos capazes de gerar impacto social e mudar os rumos da história do país. Eu te garanto que faremos muito mais.

Sem o apoio massivo dos nossos leitores não teríamos chegado até aqui. Estamos em um momento decisivo e cada novo apoio que recebemos significa um empurrão a mais para nossas investigações e reportagens. Temos uma oportunidade: quero te convidar para fazer história com a gente. Se puder, doe para o TIB hoje e vamos juntos pra cima deles.

 

 

Comentários: