22.5 C
Brasília
quinta-feira, 18 julho, 2024

‘Nenhum lugar de Israel está a salvo’, adverte Hezbollah sobre possível guerra geral

© AP Photo / Hassan Ammar

Sputnik – Em um discurso televisionado e descrito pelos meios de comunicação israelenses como o mais forte desde o início da guerra na Faixa de Gaza, em outubro passado, Hassan Nasrallah, líder da organização xiita libanesa pró-Irã Hezbollah, disse nesta quarta-feira (19) que se houver um conflito total, nenhum lugar de Israel está a salvo de seu alcance.

A declaração é dada em meio ao acirramento das tensões na fronteira de Israel com o Líbano, com confrontos entre as Forças de Defesa do país e o Hezbollah. Na última semana, mais de 200 mísseis foram lançados em direção ao território judeu, o maior ataque desde o início da guerra em Gaza.

“O inimigo sabe muito bem que nos preparamos para o pior […] e que nenhum lugar da entidade sionista ficará livre de nossos mísseis e drones”, disse Nasrallah durante o funeral de um alto comandante morto em um ataque israelense no sul do Líbano na semana passada, Talib Abdallah (Abu Talib).

Nasrallah advertiu que os israelenses enfrentarão a “resistência libanesa” por terra, mar e ar, da mesma forma que o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu tem promovido sua investida militar contra a população palestina em Gaza desde o ano passado. Mais de 37 mil pessoas já morreram por conta dos ataques no enclave.
O líder xiita também ameaçou o Chipre pela primeira vez, afirmando que o Hezbollah considerará o país “parte da guerra” se abrir seus aeroportos e bases para que Israel realize ataques contra Beirute.
Nasrallah também garantiu que o grupo não busca uma “guerra total”, mas atua em apoio ao Hamas. “Não temos medo. Nossa demanda é clara: um cessar-fogo completo e permanente em Gaza”, afirmou.
Manifestantes protestam contra o governo israelense no centro de Tel Aviv, em Israel - Sputnik Brasil, 1920, 03.06.2024

Panorama internacional

Líderes do G7 afirmam apoiar ‘totalmente’ proposta de Biden sobre cessar-fogo na Faixa de Gaza

Plano de ofensiva no Líbano

Na última terça-feira (18), as Forças de Defesa de Israel (FDI) anunciaram planos operacionais para uma investida no Líbano. A situação na fronteira entre os dois países piorou após o início das operações militares de Israel na Faixa de Gaza, em outubro de 2023.
Segundo o Ministério das Relações Exteriores do Líbano, cerca de 100 mil pessoas foram forçadas a deixar suas casas no sul do Líbano devido aos bombardeios israelenses. O lado israelense relatou cerca de 80 mil residentes do norte de Israel que se encontram em situação semelhante.

Na segunda, o The Washington Post informou que dois importantes democratas no Congresso dos EUA concordaram em apoiar uma grande venda de armas para Tel Aviv, que inclui 50 caças F-15, no valor de mais de US$ 18 bilhões (R$ 97,8 bilhões).

ÚLTIMAS NOTÍCIAS