23.5 C
Brasília
domingo, 14 julho, 2024

Morrendo, os manguezais do mundo pedem ajuda

Prensa Latina – Em 2050, centenas de milhares de pessoas se despedirão dos manguezais, sob pena de morrerem próximas às áreas que abrigavam árvores conhecidas por sua resistência às águas salobras e a todo um mundo paralelo.

Além de formar habitat e refúgio para espécies de pássaros, peixes e insetos naquela inesgotável cadeia alimentar formada pela natureza há centenas de milhares de anos, à qual o homem altera seu delicado equilíbrio com as consequências que todos conhecemos porque as sofremos, eles defendem nós.

Entre os exemplos mais evidentes da crise das populações residentes nas zonas entremarés próximas da foz dos cursos de água doce em latitudes tropicais e subtropicais, está a ilha de Vhypin, na costa ocidental da Índia, onde, ao contrário do que ocorre em outras latitudes, a população compreende plenamente a importância de ter um ecossistema de mangue saudável.

Isto explica a sua determinação em permanecer na área, apesar dos acontecimentos climáticos adversos, como a subida do nível do mar, as inundações das marés e os deslizamentos de terra causados ​​por tempestades, contra os quais plantam árvores nas zonas costeiras de Vypin e áreas circundantes no sul da Índia, onde as áreas mais ameaçadas são os manguezais do planeta.

As inundações das marés ocorrem quando a subida do nível do mar coincide com factores locais que aumentam a altura da água acima do normal.

Essa cidade, localizada no estado de Kerala, foi escolhida para o estudo após sua inclusão na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

Considerada a maior rede global do género, a UICN, criada em 1948, reúne mais de 80 estados, 111 agências governamentais, 784 ONG nacionais, 34 agências afiliadas, 89 ONG internacionais e cerca de mil cientistas e especialistas de 160 países.

A defesa dos mangais, mais do que uma moda ou santuário de personalidades sociais, culturais e políticas em busca de uma imagem internacional, resulta na protecção das defesas naturais costeiras contra a subida do nível do mar, as marés e as penetrações provocadas pelas tempestades.

Os especialistas da UICN concluíram que estes ecossistemas estão ameaçados não só na localidade indiana, mas em todo o mundo, como evidenciado pelo caso da área de Salinas, na ilha caribenha de Porto Rico, com o agravamento adicional das construções ilegais para fins urbanos e turísticos. fins que exigem a derrubada e posterior destruição de manguezais.

A magnitude do problema é dada pelo facto de ser a primeira vez, desde a sua fundação sobre os escombros da Segunda Guerra Mundial, em 1948, que a UICN elaborou uma Lista Vermelha dedicada exclusivamente aos ecossistemas de mangais em perigo de desaparecer.

A pesquisa, realizada por especialistas do grupo, chegou à dramática conclusão de que, ao atual ritmo de desaparecimentos, existe a possibilidade de que até 2050 mais da metade dos sistemas de manguezais entrem em colapso e, com eles, a flora e a fauna que os compõem. os povoa, uma obra que a natureza levou eras para construir.

O relatório inclui quase um quinto dos mangais do planeta Terra nas categorias “Em Perigo” ou “Criticamente Em Perigo”, o que implica que estão em risco de colapso.

Segundo Marcos Valderrabano, gerente do programa e um dos principais pesquisadores da IUCN, a elevação do nível do mar causada pelas mudanças climáticas é a causa dos maiores danos aos manguezais.

Ao final da pesquisa, o professor Valderrabano declarou que “esta foi a primeira vez que realizamos uma Lista Vermelha Global de manguezais que avalia o risco de colapso desses ecossistemas em todo o mundo e o resultado surpreendente foi que 50 por cento da população do planeta os manguezais estão em risco.

“Quando olhamos para modelos de aumento futuro do nível do mar, vemos que 30 por cento dos mangais existentes serão afectados e terão pouca capacidade para sobreviver e recrutar novas plantas para se fortalecerem.”

O especialista termina a sua declaração com um alerta que ressoa como uma das trombetas de Josué diante dos muros de Jericó: “os mangais são vitais para as comunidades costeiras porque podem defender-se melhor contra eventos extremos como os tusinami; Outros que não possuem esses ecossistemas estão indefesos.”

ÚLTIMAS NOTÍCIAS