Brasília, 26 de novembro de 2021 às 06:25
Selecione o Idioma:

Cuba

Postado em 27/01/2020 10:51

Minrex: Cuba rejeita pretextos das autoridades golpistas da Bolívia para suspender relações diplomáticas

.

O Ministério das Relações Exteriores do Estado Plurinacional da Bolívia tornou pública a decisão do governo golpista de suspender as relações diplomáticas com a República de Cuba, alegando que o governo cubano afetou sistematicamente a relação bilateral e foi hostil às autoridades bolivianas.

O Ministério das Relações Exteriores de Cuba rejeita categoricamente as acusações infundadas do governo boliviano de fato.

Desde sua violenta erupção no poder, em 12 de novembro de 2019, membros do governo de fato daquele país desenvolveram ações sistemáticas para deteriorar e dificultar as relações bilaterais com Cuba.

As autoridades em exercício lançaram uma feroz campanha de mentiras e deturpações contra Cuba, em particular contra a cooperação médica cubana, que incitou publicamente a usar da violência contra nosso pessoal de saúde e incluiu rusgas e batidas brutais, ilegais e injustificadas, acusações falsas e prisão de colaboradores cubanos

Bem cedo, em 14 de novembro de 2019, eles pediram a Cuba que retirasse seu embaixador, o qual retornou definitiva e honrosamente a Havana em 7 de dezembro, depois de garantir e executar impecavelmente o retorno seguro destes últimos, com riscos significativos para o pessoal diplomático que organizou e acompanhou os deslocamentos dos colaboradores por zonas de perigo. Entre 15 e 20 de novembro, unilateralmente, o Ministério das Relações Exteriores em exercício retirou todo o pessoal diplomático boliviano credenciado em Cuba.

No mesmo dia 14, o chamado Ministro da Comunicação emitiu declarações difamatórias contra o pessoal diplomático cubano e suas famílias, que incluíam ofensas contra o embaixador cubano e a acusação absurda de que sua esposa organizou manifestações e resistência ao golpe, quando nunca ela visitou aquele País.

Como parte desta campanha, em 15 de novembro de 2019, a Clínica do Colaborador, de propriedade da República de Cuba em La Paz, foi violentamente invadida por autoridades policiais, sem ordem judicial. Como resultado, equipamentos, materiais e outros bens foram roubados dessa instalação e até hoje o pessoal da embaixada de Cuba foi impedido de acessar essa propriedade do Estado cubano.

Em uma ridícula denúncia, em 18 de novembro, de um suposto plano de ataque contra autoridades do golpe em Beni, a participação de cidadãos cubanos inexistentes foi incluída para alimentar a histeria.

Em 8 de janeiro de 2020, o ministro da Saúde designado acusou nossos colaboradores de não serem profissionais de saúde e de desenvolver trabalho de doutrinação. Ele foi acompanhado nessa conferência pelo coronel da Polícia Boliviana, Gonzalo Medinacelli, a serviço da Embaixada dos EUA em La Paz e principal instigador e protagonista dos incidentes contra nossos colaboradores.

Na Mensagem Presidencial à Nação do Estado Plurinacional da Bolívia, em 22 de janeiro, referiu-se ofensivamente aos «falsos médicos cubanos», ignorando o trabalho altruísta e profissional de nossa equipe de saúde. De maneira difamatória, esta mensagem afirma que 80% dos fundos da Brigada Médica Cubana na Bolívia foram transferidos para o nosso país «para financiar o comunismo castrista que submeteu e escravizou seu povo».

Tal como afirma o Ministério das Relações Exteriores de Cuba em 5 de dezembro de 2019, o chamado Ministro da Saúde «exagera descaradamente o valor da bolsa dos médicos especialistas cubanos, na verdade menor do que a dos médicos gerais bolivianos; e esconde que Cuba não recebeu um centavo de benefício com essa cooperação». O dinheiro ganho pela brigada médica cubana na Bolívia nunca foi transferido para Cuba e foi usado para cobrir as despesas dos colaboradores naquele país. O orçamento da Brigada Médica Cubana foi aprovado em conformidade com os procedimentos bolivianos para sua alocação, incluindo os procedimentos parlamentares correspondentes e foi devidamente auditado pelo Ministério da Saúde da Bolívia e outras autoridades.

Não estamos acostumados a divulgar quanto custa a cooperação médica com os países, porque nosso povo, apesar do bloqueio e das dificuldades econômicas, assume isso com generosidade e altruísmo como um dever que deve ser encarado com modéstia.

Mas os insultos cometidos nos forçam a revelar que a cooperação médica com a Bolívia começou em 1985 com a doação de três salas de terapia intensiva para hospitais pediátricos. De 2006 a 2012, Cuba assumiu todas as despesas da cooperação com a Bolívia no valor de mais de duzentos milhões de dólares anualmente, incluindo equipamentos médicos, remédios, suprimentos e material descartável, sustentabilidade da brigada cubana, transporte aéreo de funcionários e despesas em equipamentos médicos. A partir dessa data, levando em consideração a situação favorável da economia boliviana, este país assumiu as despesas de prestação de serviços médicos, mas nunca transferiu um dólar para Cuba nem recebeu renda. Simultaneamente, 5.184 jovens bolivianos se formaram em medicina em nosso território, totalmente às custas do lado cubano.

Nenhuma das autoridades de fato reconheceu que, como resultado da consagração e conduta estritamente profissional e humanitária do pessoal de saúde cubano, cujos 54% eram do sexo feminino, 77,3 milhões (77.330.000) de consultas foram realizadas naquele país, 1,5 milhão (1.529.301) de intervenções cirúrgicas, 60.640 partos foram atendidos, 22.221 vacinas foram aplicadas e 508.403 cirurgias oftalmológicas foram realizadas, serviços dos quais o povo boliviano está privado desde a saída de nossos profissionais de saúde.

Em 22 de janeiro, o também nomeado ministro de Hidrocarbonetos, declarou que a Bolívia quebrou um contrato comercial para a venda de ureia a uma empresa cubana sob o pretexto de que constituía um suposto «presente» a Cuba, por ser um preço muito baixo para mercado internacional. Novamente, os golpistas usam mentiras para justificar suas decisões. O preço acordado com a empresa cubana estava em correspondência com as referências internacionais que, na prática, são tomadas como base para a comercialização deste produto.

O governo boliviano alude na declaração oficial de que o governo cubano afeta a suposta relação bilateral de respeito mútuo com base em princípios de não interferência nos assuntos internos. No entanto, em 20 de janeiro, uma cidadã cubana de ampla e conhecida ação contra seu país, a serviço e mediante o pagamento de potências estrangeiras, foi recebida no Palácio Presidencial da Bolívia para discutir «a situação do povo cubano», o que constitui um ato de interferência nos assuntos internos da República de Cuba e de cumplicidade com as campanhas hostis a ela.

Nenhuma das alternativas acima é estranha à pressão do governo dos Estados Unidos para impor a Doutrina Monroe em Nossa América ou ao ressurgimento do bloqueio e hostilidade contra Cuba. São conhecidas as pressões que o governo do presidente Donald Trump exerce sobre outros países para forçá-los a aderir a suas políticas que violam o direito internacional neoliberais, unilateralistas e coercitivas.

Desde o início do golpe, funcionários do governo dos EUA pressionaram a Bolívia a impor a deterioração das relações com Cuba, perseguir médicos cubanos, perseguir diplomatas e abortar a cooperação médica em benefício do povo boliviano. Conforme relatado oportunamente, em algumas dessas operações repressivas e violentas contra o pessoal da saúde, funcionários «diplomáticos» dos Estados Unidos participaram diretamente.

Não é por acaso que os eventos discutidos aqui coincidem com uma campanha norte-americana brutal e politicamente motivada contra a cooperação médica internacional que Cuba oferece em dezenas de países e que é um símbolo global de solidariedade.

Quando as autoridades do golpe, depois dos primeiros dias, fizeram declarações de reconhecimento aos cooperadores cubanos e pediram para interromper as ações contra eles, as autoridades norte-americanas intensificaram suas pressões. Então, o secretário de Estado Michael Pompeo declarou em 19 de novembro que «a expulsão de centenas de funcionários cubanos foi uma decisão certa. Bravo Bolívia!».

Em 15 de janeiro, as autoridades do golpe em La Paz receberam com muita fanfarra Mauricio Claver-Carone, assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, que atua como capataz na agressão e no bloqueio a Cuba, desde tenra idade.

Em 21 de janeiro, eles receberam no mesmo tom o subsecretário de Estado David Hale, coincidindo com a turnê casual de Pompeo por nossa região. No dia do anúncio que agradou a Washington, o chanceler interino estava precisamente nos escritórios do Departamento de Estado.

As autoridades do golpe boliviano não devem responsabilizar Cuba por sua decisão de suspender as relações diplomáticas entre os dois países. Hostilidade e ofensas não emanaram de nosso governo ou de nosso povo. Cuba agiu com paciência e prudência, na defesa e proteção de seus cidadãos e evitou o confronto, apesar do desempenho reprovável dos golpistas.

O ministério das Relações Exteriores reitera seu respeito pelos princípios e normas do Direito Internacional que regem as relações entre os Estados e o cumprimento estrito de sua obrigação de não intervir, direta ou indiretamente, nos assuntos internos de outros Estados.

Havana, 25 de janeiro de 2020

Comentários: