Brasília, 2 de dezembro de 2021 às 07:02
Selecione o Idioma:

México

Postado em 10/01/2020 4:43

México condena assassinatos de jornalista e radialista

.

México, (Prensa Latina) O assassinato de um jornalista e de um radialista, as duas primeiras fatalidades do jornalismo no México em 2020, foi condenado hoje por várias associações do setor e pela Federação Latino-Americana de Jornalistas (Felap).
Em Pichucalco, Chiapas, Álvaro Ruiz foi morto, cujo corpo foi encontrado dentro de sua casa, e na estrada de San Lucas-Huetamo, Michoacán, ele foi encontrado em seu veículo com ferimentos a bala Fidel Ávila Gómez.

Sindicatos de prestígio, como o Colégio Nacional de Graduados em Jornalismo, a Federação de Associações de Jornalistas Mexicanos e o Primeiro Clube Flat, condenaram os assassinatos em uma declaração conjunta.

Com esses dois homicídios, no que se refere ao governo de Andrés Manuel López Obrador, somam 18 assassinatos de trabalhadores da imprensa, dos quais 14 jornalistas, dois anunciantes, um simples trabalhador e um familiar do comunicador.

Em sua conta no Twitter, a organização Periodistas Desplazados México, publicou a mensagem sobre as mortes nas quais ele expressa que a autoridade ministerial iniciou as investigações, mas não esclarece as causas de sua morte.

De 2000 até o momento, 256 assassinatos ocorreram: 217 jornalistas; 5 palestrantes: 11 assessores de imprensa; 12 parentes e 9 amigos de comunicadores e 2 civis.

A união jornalística organizada do México eleva sua voz na denúncia às autoridades para gerar investigações precisas nos dois casos e pede para encontrar os autores intelectuais e materiais.

Comentários: