23.5 C
Brasília
quarta-feira, 24 julho, 2024

Mais de 80 líderes apelam ao TPI para prender e processar Netanyahu

Mais de 80 líderes de diferentes países pedem ao Tribunal Penal Internacional (TPI) que prenda e processe Netanyahu pelo genocídio em curso contra Gaza.

HispanTV – A ministra espanhola dos Direitos Sociais e da Agenda 2030, Ione Belarra, e mais de 80 líderes de vinte países europeus e latino-americanos, incluindo 60 parlamentares, apresentaram na terça-feira um pedido formal ao procurador do Tribunal Penal Internacional (TPI), Karim. Ahmad Khan, para prender e julgar o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu e a sua liderança política por crimes de guerra, crimes contra a humanidade e genocídio contra o povo palestiniano.

A petição, também assinada pelo histórico líder trabalhista e deputado britânico, Jeremy Corbyn, foi formulada ao abrigo do artigo 15 do Estatuto de Roma. Os signatários instam o TPI a expandir a investigação iniciada em 2021 contra Israel por crimes de guerra à luz dos crimes cometidos desde 7 de outubro em Gaza, incluindo ataques a campos de refugiados, a utilização de alvos de fósforo ou o bombardeamento do Al-Ahli Al. -Hospital árabe que ceifou mais de 500 vidas civis.

Em comunicado publicado sobre seu criminoso de Israel.

Ele descreveu uma pequena parte do horror vivido no enclave costeiro sitiado, com “bebês prematuros desconectados de suas incubadoras – por falta de eletricidade –, ambulâncias com feridos atacadas e milhares de pessoas abandonadas sob os escombros gritando por socorro”.

Além disso, alertou que permanecer em silêncio ajuda a entidade sionista a continuar o genocídio em Gaza, razão pela qual apela aos cidadãos para que “levantem a voz” e assinem a iniciativa judicial, na página justiceforgaza.info, que exige a prisão e processar Netanyahu e os seus colaboradores e “promover um cessar-fogo, para acabar com esta barbárie”.

Belarra é o primeiro ministro europeu a denunciar os crimes atrozes de Israel desde que iniciou a campanha de agressão contra Gaza em 7 de outubro. O responsável espanhol acusou a União Europeia (UE) de exercer uma “hipocrisia inaceitável” face ao genocídio israelita e apelou à  imposição de sanções econômicas a Netanyahu e ao rompimento dos laços com Israel.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS