Brasília, 17 de maio de 2021 às 03:41
Selecione o Idioma:

Sem Titulo

Postado em 28/01/2019 8:41

Maduro inspeciona tropas na véspera de grandiosas manobras militares

.

Na véspera de grandes manobras militares, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, visitou várias bases militares e se reuniu com membros das Forças Armadas bolivarianas.

Em 25 de janeiro, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, anunciou os exercícios militares Bicentenário de Angostura 2019, que serão realizados entre 10 e 15 de fevereiro. As Forças Armadas bolivarianas vão praticar a defesa do território, costa e rios nacionais de invasores estrangeiros. Além disso, os militares revisarão mecanismo de mobilizações civil e militar.

Depois que o opositor e o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se declarou presidente interino da Venezuela e vários países o reconheceram como líder do país, Maduro declarou que as Forças Armadas do país devem estar prontas para defender a Venezuela e anunciou grandes exercícios militares.

O presidente venezuelano publicou no Twitter vídeos inspecionando as manobras militares preparatórias para o Bicentenário de Angostura 2019.

O presidente já visitou a 41ª Brigada Blindada no Forte Paramacay e a Base Naval Agustín Armario, na cidade de Puerto Cabello.

O ministro da Defesa do país, Vladimir Padrino López, declarou anteriormente que o Exército venezuelano não apoia Juan Guaidó, autoproclamado líder do país, e destacou prontidão dos militares para defender a soberania do país.

Estamos nos preparando para os exercícios militares mais importantes da nossa história, em homenagem ao Bicentenário de Angostura. Seu objetivo é acoplar toda a capacidade, operativa, organizacional, de armas e de união cívico-militar para defender nossa Pátria.

Em 23 de janeiro, o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, se declarou presidente interino da Venezuela. Os EUA e uma série de países, inclusive o Brasil, reconheceram Guaidó como presidente da Venezuela. A Rússia e outros países, incluindo a China, Cuba, e México apoiam a permanência de Maduro.

Comentários: