9.5 C
Brasília
quarta-feira, 24 julho, 2024

Governo tem dificuldade em governar a França no cenário atual

Paris, 9 jul (Prensa Latina) O ex-primeiro-ministro francês Édouard Philippe (foto) reconheceu nesta terça (09) que o país se encontra numa situação difícil de governar, dada a existência de três blocos na Assembleia Nacional longe da maioria absoluta.

Segundo o fundador e líder do partido Horizontes, um dos aliados do partido no poder, o presidente Emmanuel Macron não conseguirá manter no cargo o primeiro-ministro Gabriel Attal, a quem o presidente pediu para continuar por enquanto depois de ter apresentado o pedido de demissão. ontem.

Portanto, terá de nomear o sucessor, e esta é normalmente a força com mais deputados na Assembleia Nacional, disse à BFM TV o presidente da Câmara de Le Havre e uma das figuras presidenciais francesas antes das eleições de 2027.

Nas eleições legislativas que tiveram a sua segunda volta no domingo, o bloco de esquerda Nova Frente Popular obteve 184 deputados, para chefiar a câmara baixa, à frente do partido no poder e dos seus aliados (166), do partido de extrema-direita Reunião Nacional e seus aliados (143) e os conservadores (65), campo liderado pelos republicanos.

Philippe considerou como cenário para evitar a ingovernabilidade em França não dar o poder à esquerda, que o reivindica exigindo-o nas urnas, e formar um bloco entre a força dominante e os conservadores, critério que outras figuras próximas de Macron, eles evocam com o argumento de que o país está mais à direita do que à esquerda.

Não seria uma coligação, mas sim um acordo técnico para garantir a governabilidade durante pelo menos um ano, estimou.

Segundo o político, esta união temporária entre o partido no poder e os conservadores somaria mais de 220 deputados, superandoMacron tem dificuldade em governar a França no cenário atual

ÚLTIMAS NOTÍCIAS