31.5 C
Brasília
domingo, 10 dezembro, 2023

López Obrador denuncia cumplicidade no crime no Estado de Ayotzinapa

Cidade do México, 28 set (Prensa Latina) O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, denunciou hoje que existe uma rede de cumplicidades em torno do crime de Estado dos 43 normalistas de Ayotzinapa.

O presidente abordou amplamente o caso em sua coletiva de imprensa matinal no Palácio Nacional, quando ontem foi apresentado um extenso relatório sobre o assunto pela comissão de investigação presidida pelo subsecretário do Interior Alejandro Encinas.

Nós, disse, temos que avançar, porque o importante é saber onde estão os restos mortais dos jovens assassinados e entregá-los às suas famílias.

Ao falar da rede de cumplicidades, mencionou a OEA, mas sem dar detalhes, e disse que é muito provável que o Ministério Público também estivesse envolvido no caso Ayotzinapa e que um procurador especial se opusesse ao pedido de mandados de prisão.

Reiterou que o seu governo está a realizar uma investigação exaustiva e mencionou que o antigo procurador Jesús Murillo Karam do governo do presidente Enrique Peña Nieto está detido, enquanto o chefe da Agência de Investigação Criminal, Tomás Zerón, está fugitivo em Israel.

Anteriormente, Encinas publicou um extenso relatório sobre o descontentamento dos familiares dos 43 devido à demora no processo e ao facto de entre os mencionados culpados não constar quem consideram ser o principal responsável, o primeiro presidente Enrique Peña Nieto de quem Murillo e Zerón eram subordinados.

Segundo o relatório da presidência da Comissão para a Verdade e Acesso à Justiça no Caso Ayotzinapa (CoVAJ), chefiada por Encinas, Ayotzinapa era um crime estatal ao mais alto nível.

Ficou demonstrado afirma ele que a chamada verdade histórica foi uma construção – criada pelo governo federal – para encobrir os fatos e legitimar e impor a versão oficial da incineração dos 43 estudantes no lixão de Cocula e feche o caso. .

A cumplicidade de funcionários dos três níveis de governo e as ações concertadas para ocultar a verdade constituem um crime de Estado, reitera, mas não menciona o nome de Peña Nieto.

Especifica que este é o caso do conselho de autoridades, presidido pelo então Presidente da República (não é mencionado nominalmente), juntamente com funcionários do mais alto nível do governo, que foi directamente responsável pela construção de a chamada verdade histórica. Esta operação ao mais alto nível constitui um segundo desaparecimento dos estudantes devido aos seguintes indícios:

As omissões das autoridades que foram sempre informadas e permitiram a violência e o desaparecimento dos estudantes. Participação com o grupo criminoso no desaparecimento dos normalistas. A manipulação e ocultação de provas e provas.

Além disso, a criação de cenas de crime. Obtenção de declarações sob tortura. A proteção dos servidores públicos que participaram dos eventos. Mentir para as famílias das vítimas e para a sociedade.

A verdade histórica foi encoberta por ações institucionais e de comunicação que tinham o propósito de encerrar as investigações para encerrar o caso.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS