19.5 C
Brasília
terça-feira, 23 julho, 2024

Líder de Wagner diz que não tentou derrubar governo de Putin

O líder de Wagner, Yevgeny Prigozhin, diz que o recente motim abortado do grupo não foi uma tentativa de derrubar o governo do presidente russo, Vladimir Putin.

HispanTV – O líder do grupo paramilitar russo Wagner, Yevgeny Prigozhin, divulgou uma gravação de áudio de 11 minutos na segunda-feira, explicando que a marcha armada que ele liderou na Rússia no sábado no fim de semana foi “para demonstrar nosso protesto, não para derrubar o governo”. eleito democraticamente” o presidente russo, Vladimir Putin, “o objetivo era impedir a destruição de Wagner e levar à justiça aqueles que cometeram tantos erros no curso da operação militar especial”, disse ele.

Depois de se arrepender de ter atingido a Força Aérea do país eurasiano, garantiu que nem um único soldado russo morreu no terreno devido à sua sublevação militar, declarando que decidiu parar a rebelião porque “não queríamos derramar sangue russo”.

Além disso, ele destacou o papel mediador do presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, que ajudou Wagner a resolver o conflito por meio de jurisdição legítima.

Depois de um dia intenso na Rússia devido ao motim armado do grupo Wagner, a calma reina no país, mas quais são os aspectos marcantes dessa revolta abortada?

No sábado, o grupo paramilitar privado Wagner, chefiado por Yevgeny Prigozhin, anunciou um levante armado contra o comando militar russo após acusar o Exército russo de matar um “grande número” de seus membros ativos, em um bombardeio de posições militares. empresa; isso foi veementemente negado por Moscou.

No entanto, o motim de Wagner durou pouco. Prigozhin aceitou no sábado a oferta do presidente bielorrusso de  interromper o avanço em território russo  e tomar novas medidas para reduzir as tensões em troca de “garantias de segurança”.

De Moscovo, o primeiro-ministro russo, Mikhail Mishustin, destacou esta segunda-feira a colaboração das mais altas autoridades para apaziguar a tentativa de rebelião de Wagner contra o país e apelou à unidade em torno do Presidente Putin, denunciando ao mesmo tempo que o Ocidente está a mobilizar “todos os seus recursos militares, económicos e maquinário de informação” contra a Rússia.

De sua parte, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse que  a Rússia já está investigando se os serviços de inteligência ocidentais estiveram envolvidos na rebelião fracassada do grupo Wagner .

ÚLTIMAS NOTÍCIAS