19.5 C
Brasília
domingo, 14 julho, 2024

Liberdade de Assange, “Uma vitória para os jornalistas do mundo”

Berna, Suíça (Prensa Latina) A Federação Internacional de Jornalistas (IFJ), com sede em Bruxelas, Bélgica, expressou neste dia 25 de junho sua enorme satisfação pela liberdade do jornalista australiano Julian Assange, que estava detido na prisão de segurança máxima de Belmarsh, Londres , Grã Bretanha.

Sergio Ferrari*, colaborador da Prensa Latina

Para a IFJ, que reúne 600 mil profissionais de comunicação social afiliados a 187 sindicatos e associações de imprensa em 140 países, esta é “uma vitória significativa para a liberdade dos meios de comunicação social”.

A federação considera que o fato de 17 das 18 acusações contra ele terem sido retiradas “impede a criminalização das atuais práticas jornalísticas”. E incentiva as fontes, base insubstituível da qual nasce todo conteúdo informativo sério, a continuarem com a disposição de “compartilhar confidencialmente evidências de irregularidades e criminalidade”.

liberdade negociada

Julian Assange, fundador do WikiLeaks, deixou a prisão britânica onde estava detido e deixou o Reino Unido na segunda-feira, dia 24, depois de chegar a um acordo com o governo dos Estados Unidos, que lhe permitirá evitar ser extraditado para aquele país.

Segundo o WikiLeaks, o voo de Assange após uma escala em Banguecoque continuou a sua viagem até à Ilha de Saipan, no arquipélago das Marianas do Norte, território norte-americano no Oceano Pacífico.

Segundo vários meios de comunicação internacionais, Assange ali se declararia culpado do crime de espionagem perante um juiz, aceitando assim uma pena de cinco anos e dois meses de prisão, já cumprida durante a sua detenção na Grã-Bretanha. Após este acontecimento jurídico formal, Assange continuaria a sua viagem à Austrália, seu país de origem.

Para a Federação Internacional de Jornalistas, a liberdade deveria permitir a Assange, “sujeito a um dos processos mais exagerados da história, desfrutar de uma vida normal pela primeira vez em 14 anos, incluindo os 1.901 dias que passou na prisão”.

A IFJ foi um dos principais atores da mobilização internacional de solidariedade ao jornalista australiano, iniciada em 2019, depois de conhecidas as acusações dos EUA contra o fundador do WikiLeaks.

Um representante-observador da FIP participou de todas as audiências do processo que promoveu a extradição do jornalista para os Estados Unidos, fornecendo reportagens e comentários sobre os procedimentos. No dia 18 de junho, o Comité Executivo da FIJ organizou um protesto em Londres, em frente à prisão de segurança máxima onde o comunicador australiano estava detido.

Fortalece o livre exercício do jornalismo

O jornalista francês Dominique Pradalié, que preside a Federação Internacional de Jornalistas, comentando a libertação de Assange, afirmou: “Constitui uma vitória para o direito de informar e de ser informado. É uma vitória para jornalistas de todo o mundo.”

Entretanto, o seu colega e compatriota Anthony Bellanger, secretário-geral daquela federação, declarou a partir de Bruxelas: “A tentativa de acusação de Julian Assange lança uma sombra negra sobre os jornalistas, especialmente aqueles que cobrem questões relacionadas com a segurança nacional. “Se Assange tivesse ido para a prisão para o resto da vida, qualquer repórter que recebesse um documento confidencial temeria enfrentar um destino semelhante (ao de Assange).”

Bellanger destacou o sucesso da liberdade do colega australiano, embora tenha lembrado que mais de 500 jornalistas ainda estão presos em prisões em todo o mundo.

O sindicato suíço de imprensa e comunicação SYNDICOM, nas suas redes sociais, saudou a liberdade do colega australiano, em favor de quem promoveu e apoiou diversas campanhas de denúncia e solidariedade realizadas na Europa.

Afirma: “Além da nossa alegria pela libertação, também criticamos as condições prisionais absolutamente desumanas que Assange teve de sofrer durante anos e que causaram grande preocupação em todo o mundo. Alguns até os equipararam a uma imagem diária de tortura.” O sindicato dos jornalistas suíços sublinhou que a liberdade de Assange “reforça os princípios fundamentais da liberdade de imprensa e envia um sinal forte a todos os jornalistas de todo o mundo: o seu trabalho é de vital importância para as sociedades democráticas e a defesa da liberdade de expressão deve ser”. constantemente perseguido.”

rm/sf

ÚLTIMAS NOTÍCIAS