16.1 C
Brasília
segunda-feira, 22 julho, 2024

Irã critica o silêncio da UE e dos EUA em resposta ao genocídio israelita em Gaza

Embaixador do Irã na Bélgica, Qolam Hsoein Dehqani (C), numa conferência de imprensa juntamente com os seus homólogos de países muçulmanos, 13 de novembro de 2022.

HispanTV – Um diplomata iraniano criticou o silêncio e as posições da União Europeia (UE) e dos Estados Unidos relativamente ao massacre do povo palestiniano pelo regime israelita.

“A União Europeia sempre se apresentou como defensora dos Direitos Humanos, mas agora silencia sobre o massacre dos palestinos, disse o embaixador iraniano na Bélgica, Qolam Hsoein Dehqani, na segunda-feira em conferência de imprensa juntamente com os embaixadores da Organização da Cooperação Islâmica (OCI) em Bruxelas, capital belga.

Denunciando que nos últimos 30 dias temos observado duplicidade de critérios por parte da UE, dos Estados Unidos e de muitos países europeus, o diplomata iraniano lamentou que apesar de as pessoas gritarem nas ruas de todo o mundo, da Europa aos Estados Unidos Estados Unidos e a Austrália, exigindo um cessar-fogo, as decisões no Ocidente não atendem à exigência do povo.

Depois de repudiar o silêncio que a UE mantém face ao massacre dos palestinianos, o representante iraniano na Bélgica destacou que ao não condenar os crimes do regime sionista de Israel na bloqueada Faixa de Gaza, o bloco europeu está na verdade a apoiar os crimes deste regime.

Neste contexto, o diplomata iraniano apelou à mudança de posição da União Europeia e às medidas necessárias para pôr fim aos ataques do regime sionista.

A missão do Irã junto da União Europeia (UE) denuncia que a indiferença global aos horríveis crimes de Israel lhe permite continuar o genocídio em Gaza.

Relativamente à recente declaração da Organização de Cooperação Islâmica condenando as agressões do regime sionista, Dehqani destacou que, apesar da posição clara do bloco de países islâmicos, na atual crise são necessárias medidas práticas para forçar o regime criminoso a parar o derramamento de sangue .

“Até que o regime sionista sinta uma pressão real da comunidade internacional e até que assuma a responsabilidade pelos seus crimes e desfrute do privilégio da impunidade pelas suas ações, não irá parar este genocídio”, sublinhou o enviado iraniano.

Segundo o responsável iraniano, os países membros da OIC e outros países deveriam utilizar as ferramentas disponíveis para pressionar o regime sionista a parar de cometer crimes contra os palestinianos.

O número de palestinos mortos desde o início da agressão israelense contra a Faixa de Gaza aumentou para 11.240 , incluindo 4.630 crianças e 3.130 mulheres, segundo o último relatório.

O Gabinete de Comunicação Social de Gaza informou esta segunda-feira que o exército do regime israelita cometeu 1.153 massacres na sua agressão à Faixa de Gaza desde 7 de outubro, que também deixaram 29 mil feridos, mais de 70% dos quais eram crianças e mulheres. Além disso, o número de mártires do pessoal médico atingiu 189.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS