18.5 C
Brasília
domingo, 21 julho, 2024

Indo recolher os passos no Chile

José Bessa Freire

Si vas para Chile / Te ruego, viajero / Le digas a ella / Que de amor me muero.  (Chito Faró, 1942)

Sim senhora, vamos ao Chile outra vez agora, 8 de setembro, em uma caravana de brasileiros que lá se exilaram em três levas. A primeira após o golpe de 1964. A segunda, da qual fiz parte, levada pelo AI-5, ambas no governo democrata cristão de Eduardo Frei. A terceira, na era Garrastazu, acolhida pelo governo socialista de Salvador Allende. Os chilenos solidários, que nos receberam de braços abertos, comprovam “cómo quieren en Chile al amigo cuando es forastero”.

Partiremos de várias cidades do Brasil. No Rio de Janeiro, o grupo de ex-exilados se reuniu sábado (26) no salão reservado da Taberna da Glória, que lotou. “Nunca vi família tão grande” – disse o garçom. O que ele viu foi apenas pequena amostra. Quantos foram os exilados? Calcula-se entre 3 até 4 mil pessoas, dos quais cerca de 500 formaram o grupo Viva Chile no WhatsApp. Desses, cerca de 100 voltaremos para agradecer em nome de todos a hospitalidade.

O grupo criado em maio pelo sociólogo Ricardo Azevedo e o matemático William Martani propiciou encontros e reencontros, veiculando milhares – eu disse milhares – de postagens sobre o exílio.  A última coisa ao me deitar e a primeira ao acordar era lê-las com sofreguidão. As narrativas, dolorosas umas, divertidas outras, tornaram-me um dependente anímico do Viva Chile.

Os relatos de violência, prisão e tortura me causaram seguidos pesadelos. E não fui o único a tê-los. Um dos administradores do Grupo, Beluce Bellucci conta isso ao descrever “O setembro de 1973 em Valdívia”. Apesar disso, o que prevaleceu não foi nem a vitimização nem a glorificação de heróis individuais, mas a resistência coletiva, mostrando que no final, apesar de toda a barbárie, venceu a humanidade.

Pau-de-arara

Alguns exilados testemunharam o bombardeio do Palácio La Moneda, os tiroteios nas ruas, a busca de asilo em embaixadas, incluindo a do Panamá – um apartamento com três quartos pequenos que abrigou centenas de pessoas em pé, alternando horas de dormir. O economista Theotônio dos Santos e a socióloga Vania Bambirra doaram a própria casa para a Embaixada do Panamá, que abrigou mais de 300 pessoas, entre elas crianças e mulheres grávidas. A casa transformada depois em um centro de tortura, hoje é um museu de resistência.

Não convivi in loco com essa cruel realidade. Quando Pinochet emergiu das trevas, em setembro de 1973, eu já estava residindo no Peru. Só fui informado depois por amigos. O estarrecedor é que documentos oficiais atestam a participação da ditadura brasileira na preparação do golpe que derrubou Allende, desde 1970, quando o Itamaraty contatou militares chilenos de extrema-direita e espionou os exilados que, presos depois no Estádio Nacional, foram interrogados por agentes brasileiros da repressão.

Esses agentes torturaram não apenas seus patrícios, mas também os presos chilenos – segundo o jornalista Robert Simon, que se refere à incorporação do termo pau-de-arara no espanhol falado pela milicada chilena. Empréstimos lexicais revelam sempre as relações entre comunidades linguísticas. O léxico importado se referia ao método de tortura física, produto brasileiro de exportação.

Esse tipo de “cooperação” foi uma política de estado, que poucos funcionários se recusaram a seguir, ao contrário do então embaixador da ditadura brasileira no Chile, Antônio Cândido Câmara Canto – guardem o nome do pilantra – que serviu com fidelidade canina à ditadura de Pinochet, de quem era amigo pessoal. Ele morreu em 1977 e virou nome de rua no bairro La Victoria, em Santiago, assim como no bairro de Piqueri em São Paulo, homenageado assim pelas duas ditaduras irmãs.

Luta pela memória

A rua de Piqueri parece esperar a eleição de Boulos para prefeito, mas a de Santiago – já está decidido pela subprefeitura chilena – vai mudar de nome e, por proposta do Viva Chile deve ser denominada rua Dr. Otto Costa Brockes, pediatra brasileiro preso e torturado no Estádio Nacional. Ele salvou filhos de tantas mães e examinou durante todo o exílio milhares de crianças de diferentes nacionalidades, conforme documentário da TV Senado.

Viva Chile vai inaugurar duas placas em Santiago: uma na embaixada do Brasil, que termina assim: “No Brasil e no Chile, ditadura nunca mais”. A outra na Praça Brasil nominando os brasileiros assassinados por Pinochet. Segundo William Martani, o grupo conta com o apoio do Itamaraty, do atual embaixador brasileiro no Chile, Paulo Roberto Pacheco e do ministro Silvio Almeida (Direitos Humanos). As placas já foram feitas e uma das atividades da caravana será a sua colocação.

Levaremos flores aos túmulos de Allende e de Victor Jara, além de cumprir uma extensa agenda política vinculada à luta pela memória. Visita ao Museu da Memória e dos Direitos Humanos e à exposição de fotos de Evandro Teixeira a ser inaugurada no dia 10, atividade no Estádio Nacional, manifestação com velas acesas em memória dos mortos e desaparecidos, com performance teatral, música, danças, falas.

Na taberna da Glória

Tudo isso foi conversado na reunião da Taberna da Glória, onde todos cantamos Los Hermanos de Atahualpa Yupanqui observados pelo garçom Loyola, que tinha razão: somos uma grande família. “Yo tengo tantos hermanos, que no los puedo contar”.

O repertório musical incluiu ainda “Volver a los 17” de Violeta Parra. Juro – quero ver minha mãe mortinha no inferno se minto – que enquanto cantávamos, eu me sentia o próprio Milton Nascimento, vi o Chico Buarque na voz do Chiquinho Mendes, meu querido colega da Escola de Comunicação, naquele momento o Caetano era o Tuca ou o Gaiola, a Gal podia ser a Mônica Rabelo, a Márcia Fiani ou as ausentes Angelina e Leda Gitahy. A Mercedes Sosa era a Solange Bastos ou a Flávia Cavalcanti.

O retorno ao Chile será uma forma de “volver a los diecisiete, después de vivir médio siglo”. No mundo andino, que concebe o tempo como circular, ao chegar a uma certa idade as pessoas voltam aos lugares por onde passaram para “recoger los pasos”. É esse caminho de volta que faremos agora, os cem exilados, como uma forma de revisitar a história. “Eso es lo que sentimos nosotros en este instante fecundo”.

Referências:

  1. Roberto Simon:  O Brasil Contra a Democracia, Editora Companhia das Letras, 2021

  2. O médico Otto Brockes aborda aspectos de sua experiência durante o golpe que depôs pres. chileno – YouTube  https://www.youtube.com/watch?v=Mdo3SxFSnJY

  3. Emir Sader. O golpe militar no Chile 30 anos depois. 11 /09/ 2003 https://www.sintrajusc.org.br/30-anos-depois-leia-aqui-artigo-do-sociologo-emir-sader-sobre-o-golpe-militar-no-chile/

ÚLTIMAS NOTÍCIAS