17.5 C
Brasília
quinta-feira, 25 julho, 2024

Imperialismo se junta, mas Palestina segue firme e forte!

Apesar dos sionistas e amigos, o mundo inteiro sabe dos problemas que a Palestina enfrenta. Na imagem, mural na Argentina de apoio à Palestina – Fonte da imagem: Site PalestinaLibre.org

Heba Ayyad*

Apesar dos sionistas e amigos, o mundo inteiro sabe dos problemas que a Palestina enfrenta. Na imagem, mural na Argentina de apoio à Palestina – Fonte da imagem: Site PalestinaLibre.org

Ainda nos lembramos do desejo do criminoso de guerra Yitzhak Rabin, que sonhou que acordaria uma manhã e descobriria que Gaza tinha afundado no mar. Rabin foi morto, e seu sonho foi enterrado com ele, mas Gaza permaneceu orgulhosa e firme. Quando o mais brutal criminoso de guerra, Ariel Sharon, percebeu que não era capaz de derrotar Gaza, decidiu fugir dela e pediu aos seus generais que impedissem o lançamento de projéteis de Gaza em direção aos colonatos. No entanto, isso era impossível, e ele sofreu um grave derrame do qual não se recuperou até ser transferido. Condoleezza Rice tentou angariar a ajuda de alguns elementos associados ao sistema de segurança israelita para esmagar as forças de resistência, mas ficou desiludida, e aqueles acusados de criar o caos e depois controlar os elementos da resistência fugiram e retornaram aos braços dos aliados da entidade no Golfo.

Em seguida, a mesma entidade lançou suas guerras. As nuvens de verão em 2006 após o sequestro do soldado Shalit. A Operação Chumbo Fundido em 2008/2009, a Operação Pilar de Defesa em 2012 e a Operação Margem Protetora, que durou 50 dias em 2014 e é a mais longa das guerras árabe-israelenses. Depois vieram os confrontos das marchas cercando 2018 e 2019, seguidos pela Operação “Guardião dos Muros” em maio de 2021 e, por último, este confronto. Em todas essas operações, Israel retornou desapontado, com as asas e a dignidade quebradas. Buscou ajuda de Hillary Clinton em 2012, quando as condições no Egito eram popularmente favoráveis e centenas de pessoas se reuniram em Gaza para apoiá-la com ações, não apenas com palavras. Bombardeou e matou milhares de crianças, mulheres e idosos, e destruiu infraestruturas, escolas e edifícios. Depois partiu sem preço, com o nariz esmagado e sua dignidade atirada ao pó, se é que tinha tal coisa como dignidade. Gaza manteve-se firme, enfaixando as feridas, limpando a poeira da testa e voltando a organizar seus assuntos, preparando-se para um novo confronto, pois não tem outras opções.

Este confronto difere em tipo, quantidade, dimensões e resultados de seus antecessores. Na Operação ‘Inundação de Al-Aqsa’, a resistência escolheu a hora e o local e pegou o inimigo de surpresa após penetrar o muro de separação, interromper os meios de comunicação, invadir os campos, fazer prisioneiros, confrontar com firmeza e escrever um épico heroico que surpreendeu o mundo inteiro. Isso quebrou a arrogância do monstro que estava acostumado a derramar sangue palestino sem levar nada em conta.

Nome enganoso

A reação mais imprudente veio do establishment sionista na Operação Espadas de Ferro, que está agora lançando para restaurar a dignidade à instituição humilhada. É um nome enganador, pois não há espadas nem ferro na operação. A operação ‘Dilúvio de Al-Aqsa’ derrubou suas espadas, seu ferro, sua dignidade e seus preparativos, e capturaram o que eram: uma entidade frágil que não conseguiu resistir à determinação do combatente palestino que defendia sua terra, sua história, sua civilização, sua santidade e seu povo, enquanto estes se refugiavam no sistema Cúpula de Ferro e numa fisga. As barcas estadunidenses e as europeias apoiam e, se fossem deixados sozinhos durante uma semana, cada um deles correria para seu refúgio, de onde vieram. Eles recorrem ao derramamento de lava de cima para destruir, matar e intimidar. Cortaram a água, a comida e os medicamentos e, se pudessem, cortariam também o ar, porque Gaza fez com que experimentassem a derrota.

Perdendo Apostas

Muitos aguardam os resultados deste confronto, e a fila daqueles que esperam para desenraizar a resistência é longa. Não se deixe enganar por algumas declarações que clamam pelos civis e exigem uma redução da escalada e uma passagem segura. À luz desta batalha, muitos resultados serão decididos. Se a resistência persistir e sair desta posição de confronto, mudará muitas equações no Oriente Médio, e a questão palestina ocupará sua verdadeira e correta posição como a questão de um povo que foi deslocado à força de suas terras e está pronto a sacrificar-se, caro e barato, para recuperar seus direitos. Se a entidade apoiada pelo arsenal ilimitado de matança proveniente dos Estados Unidos e dos países ocidentais for capaz de quebrar a resistência, o que não esperamos, todo o Oriente Médio ficará sob o comando sionista.

Quem são essas pessoas que aguardam impacientemente o colapso da resistência? Os primeiros a esperar foram os adeptos à negociação de Oslo, que abraçaram incessantemente o programa de negociação. Não conseguiram nada através de negociações, nem aderiram aos desejos do seu povo de firmeza, resistência e luta. Em vez disso, transformaram os serviços de segurança em cadeias para defender o inimigo e não o seu povo, até que este grupo perdeu legitimidade e viveu através de tubos de apoio vindos do exterior que derramavam ar, comida e sangue em suas artérias. A segunda parte é aquela que impôs o cerco a Gaza a partir da passagem de Rafah, arrasou as aldeias do lado egípcio, fechou os túneis e abriu uma vala profunda de cimento reforçado e águas residuais ao longo da fronteira com Gaza. Ver uma forte resistência registrando vitórias para não perder esta importante carta de sua mão, que utiliza em suas relações estadunidenses-israelenses. Suas posições na guerra de 2014 foram mais do que claras durante os 50 dias de confrontos.

Adicione à lista todos os países que normalizaram relações e desejam ver o líder da resistência se destacando nas areias de Gaza, para que não se sintam envergonhados por esses confrontos corajosos que os expõem cada vez mais. Quando se juntaram à entidade em celebrações vergonhosas, comprometeram-se a cobrir a questão palestina e alegaram que usariam suas relações com a entidade para impedir a colonização e pressionar para que o povo palestino alcançasse seus direitos e estabelecesse seu Estado. No entanto, aconteceu exatamente o oposto. A entidade interpretou essa normalização como um abandono por parte desses países da questão palestina e aproveitou a normalização para estender seu controle total sobre a terra da Palestina, negando completamente quaisquer obrigações e avançando para a liquidação completa da Questão Palestina. Quem tiver alguma dúvida, lembre-se do mapa que Netanyahu exibiu em seu discurso de 22 de setembro passado no pódio das Nações Unidas, afirmando que este é o mapa de Israel em 1948. Ele teria dito isso se não fosse pela normalização, o que é passado e o que está por vir? Alguém pode negar que o nível de violência, as atividades de colonização, as incursões em Al-Aqsa e a libertação de colonos aumentaram consideravelmente após os Acordos de Abraham malfadados? Esses países voltaram as costas para a Palestina, e não se deixem enganar por declarações enfadonhas sobre o apoio aos direitos do povo palestino. A declaração dos Emirados Árabes Unidos sobre a operação ‘Inundação de Al-Aqsa’ parece ter sido escrita por Netanyahu. Esses países normalizados serão libertados, no mínimo, da vergonha de seu povo, que é totalmente solidário com a Palestina, com exceção de algumas exceções.

A quarta parte que espera enfraquecer a resistência são os países à beira da normalização. O grande conflito em torno de Gaza e a subsequente guerra genocida contra Gaza perturbaram o progresso das negociações que Netanyahu celebrou no pódio da Assembleia Geral. Esse confronto, especialmente depois que a poeira da batalha assentou e a resistência saiu ilesa, mudará drasticamente a equação, e ninguém poderá ignorar o povo palestino ou olhá-lo de forma inferior. O projeto da linha comercial que liga a Índia a Israel, passando pelos Emirados, Arábia Saudita e Jordânia, até Haifa, não verá a luz do dia. A entidade que não conseguiu proteger-se contra milhares de combatentes será digna de confiança para proteger esse projeto?

Não é necessário mencionar que os Estados Unidos e os países europeus estão prontos para entrar na batalha para salvar a entidade que criaram e na qual investiram muito em desenvolvimento, armamento e sua defesa caso ela seja exposta a perigo. A operação ‘Inundação de Al-Aqsa’ provou aos Estados Unidos e a seus aliados que é possível derrotar e desmantelar essa entidade. Isso explica as razões desse pânico e desse alinhamento sem precedentes de equipamentos.

@Heba Ayyad

Jornalista internacional

Escritora Palestina

ÚLTIMAS NOTÍCIAS