19.5 C
Brasília
domingo, 14 julho, 2024

Honduras, resistência e memória, disputa e futuro

Tegucigalpa (Prensa Latina) Durante a última semana de junho, Honduras foi o principal palco da esquerda, do progressismo e dos movimentos populares do nosso continente. Aqui reuniram-se durante três dias para participar nas atividades do décimo quinto aniversário do golpe de Estado perpetrado por políticos locais, militares, empresários, a Igreja e os Estados Unidos, entre outros, contra o então presidente José Manuel Zelaya, em 28 de junho de 2009.

Texto e fotos: Santiago Masetti*, colaborador da Prensa Latina

Junto com os atos e apelos realizados pelo povo e governo hondurenho para repudiar o golpe neste país centro-americano, a II Cúpula Social da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), o Fórum de San Pablo, realizou suas reuniões. a Internacional Progressista e o Grupo Puebla.

Durante o primeiro dia, dia 27 ao meio-dia, a notícia da tentativa de golpe de Estado contra o governo de Luis Arce na Bolívia repercutiu entre os presentes, que concordaram que o ataque à democracia na nação altiplano-amazônica foi devido aos sinais emitidos por Washington e que esta ação coincidiu com o nascimento do presidente chileno, Salvador Allende, e foi realizada menos de 24 horas depois de comemorar os 15 anos de interrupção democrática em Honduras. Não é uma coincidência estranha no calendário.

Nesse contexto, então, as mais de 400 delegações de países da América Latina, África e Ásia ocuparam os assentos na Sala Sortilégio do Hotel Plaza Juan Carlos, em Tegucigalpa, antes da abertura oficial da II Cúpula da Celac.

O evento foi liderado pelo ex-presidente hondurenho José Manuel Zelaya; o secretário geral da ALBA-TCP, Jorge Arreaza; o vice-chanceler de Honduras, Gerardo Torres, e outros líderes e parlamentares do continente.

Declaração de Tegucigalpa

“Aqueles de nós que nos juntamos ao trabalho da Chamada Social Celac, do Fórum de São Paulo, do Grupo Puebla e destas Mesas Redondas de Integração Latino-Americana e Caribenha, onde participam líderes intelectuais e irmãos com consciência social, nos reunimos em Tegucigalpa, capital de Honduras, no coração da América Central para comemorar e prestar uma justa homenagem à Resistência Hondurenha e à sua luta pacífica contra o golpe de Estado até derrotar a ditadura do narcotráfico que durante 12 anos e 7 meses oprimiu o povo hondurenho”, leu um alto funcionário do o Ministério das Relações Exteriores do país anfitrião.

A declaração afirmava: “O golpe de Estado repudiado internacionalmente representou não apenas um crime contra a humanidade, mas um ato de corrupção que levou à imposição de uma narcoditadura que saqueou os cofres do Estado, aumentou a pobreza, a marginalização e a desigualdade social”. .

Além disso, a Declaração de Tegucigalpa apontou que o “socialismo democrático” endossado pelo governo de Xiomara Castro é “necessário para preservar a espécie humana e o planeta, no processo de destruição pela imposição neoliberal e pelos terríveis efeitos do capitalismo global”.

“A América Latina e o Caribe sofrem os efeitos destrutivos do colonialismo e do imperialismo em suas formas mais cruéis de violência, bloqueios e sanções injustas, golpes de estado, guerras legais e abuso de práticas comerciais monopolistas e do quadro financeiro global, que nos condenam. vivem endividados em detrimento da dignidade e da soberania nacionais”, afirma o documento.

Além disso, foram denunciados “processos oportunistas e fraudulentos”, como é o caso do ICSID; Ele expressou solidariedade com a Palestina e “condenou veementemente o genocídio perpetrado contra eles pela invasão militar de Israel na Faixa de Gaza”.

“Unimo-nos à condenação global levada a cabo anualmente pela Assembleia Geral das Nações Unidas contra o infame e cruel bloqueio económico e comercial do povo e do governo de Cuba, e condenamos as sanções injustas contra os povos da Nicarágua e da Venezuela, vítimas da rapacidade dos planos geopolíticos dos Estados Unidos. Estas ações criminosas e irracionais são intervencionistas e carecem de qualquer significado humanitário e pacífico”, foi destacado noutra passagem da declaração.

A celebração pela libertação de Julián Assange esteve presente, bem como a exigência da Frente Nacional de Resistência Popular (FNRP), do Partido Livre e dos hondurenhos, “para que os operadores da justiça acusem e condenem os autores do golpe de Estado”. Estado e os responsáveis ​​pela corrupção público-privada de alto impacto, que após 15 anos continuam impunes. “Honduras tem direito à verdade, à justiça, à reparação dos danos e à adoção de medidas para evitar a repetição destes crimes”, afirma o comunicado.

O encerramento do primeiro dia de atividades e posicionamentos latino-americanos nesta cidade centro-americana deixou não apenas posições e debates oficiais, mas também diversas questões para compreender a importância do processo político-social de resistência e refundação em Honduras.

Histórias que devem ser contadas

René Amador é um militante histórico do Libre, líder da resistência desde o primeiro minuto do golpe de estado perpetrado contra José Manuel Zelaya em 2009. Um homem jovem, jovial, falante e divertido que, tendo sido alvo da direita hondurenha de reação, deve estar exilado por 12 anos em diversos países do mundo.

Amador conseguiu partir para El Salvador três meses após o golpe de Estado e após ser salvo de diversas tentativas de sequestro, assassinato e falsos atentados, iniciou uma nova etapa de sua vida e de sua militância, que o instalou na Europa, onde hoje reside e trabalha na Embaixada de seu país em Roma. Um militante de esquerda, com argumentos e que sabe ler detalhadamente a situação atual do seu país.

A partir de sua experiência e capacidade de observação, ele me contou como foi o golpe militar, “oligárquico, empresarial e americano que despejou o presidente de Honduras” e narrou detalhadamente a resistência de seu povo, de seus companheiros, dos caídos e dos traidores.

Referiu-se também às “saídas” e “caminhos” que os hondurenhos construíram, primeiro com a FNRP e depois com o partido Libertad y Refundación (Libre), após 12 anos de ditadura, duas eleições roubadas, assassinatos, saques e corrupção, Xiomara. Castro poderia tornar-se presidente desta nação centro-americana.

Uma visita reveladora à Rádio Nacional

Um dia antes do início das atividades formais da Celac social, Amador me acompanhou em uma visita à sede da Rádio Nacional de Honduras (RNH), onde pude conhecer suas instalações e os jornalistas que ali demonstram incrível capacidade jornalística. Todos contaram como o governo golpista saqueou o rádio e que ao chegarem ao local de trabalho a única coisa que encontraram foram cabos inúteis, já que o restante das instalações e ferramentas, como computadores, impressoras, microfones, consoles e até um aparelho de outdoors desapareceram do RNH e ninguém deu explicação para isso.

Tomy Barahona é o diretor da RNH, assim como Amador, um homem que foi parte importante da resistência e das janelas do sétimo andar, onde ficam os estúdios de rádio, ele traçou um gráfico de como foi um dos combates de rua ocorridos como. Livro juvenil hondurenho contra a polícia militar naquela área de Tegucigalpa. E mais uma vez apareceram os assassinados pela narcoditadura e as histórias de heroísmo que facilmente se encontram entre os militantes do Libre e o povo hondurenho.

Chuvas e condenação do escolhido pelos mortos

Quando a décima sétima chuva do dia caiu sobre Tegucigalpa, surgiu a notícia de que o ex-presidente de Honduras, Juan Orlando Hernández, foi condenado por um tribunal de Nova York a 45 anos de prisão por acusações de tráfico de drogas.

JOH, como é conhecido neste país, tornou-se presidente em 2017 graças a uma tremenda fraude eleitoral, em eleições onde votaram os mortos. Foi assim que o centro de informática, depois de sofrer um corte de energia “casual” e “inesperado”, anunciou que o direitista Partido Nacional, que estava vários pontos atrás do candidato do Libre, Salvador Nasralla, passou para o primeiro lugar por um pouco mais. um ponto.

Tarde da noite, os militantes e alguns membros das delegações internacionais se reuniram para comer no “La Trackeria”, que é um grande bar instalado em uma das esquinas do bairro Plaza General San Martín, onde acontecem as reuniões e encontros organizados pelo governo. de Honduras.

Estava presente o dono do estabelecimento, Fernando Varela, que também é renomado radialista do programa “Hora do Chá”, que em hondurenho significa algo como a hora da verdade.

Com posicionamentos inteligentes, piadas cortantes e desafios de rapidez mental, Varela opinou sobre o impacto que a sentença de JOH tem em Honduras, enquanto Amador garantiu que a decisão do tribunal de Nova York foi branda e beneficia o ex-presidente do narcotráfico, já que abriu a possibilidade de ele recuperar a liberdade em dez anos.

Não faltaram as seguintes especulações: caso Donald Trump vença as próximas eleições nos Estados Unidos, JOH poderá ser libertado.

“Quem não pula é um guaxinim.”

O segundo dia foi o mais emocionante e revelador. Os debates que existem dentro do Libre e o processo de refundação em Honduras aconteceram, por se tratar de uma organização profundamente democrática e com participação popular.

Esse dia marcou o 15º aniversário do golpe de Estado em Honduras, a criação da Resistência e o início de um ciclo político que coloca o país em lugar de destaque na disputa permanente das forças nacionais e progressistas contra a reação na América. Latina.

Também refletiram sobre o retorno dos golpes de Estado registrados em outras latitudes do continente, como o sofrido por Fernando Lugo no Paraguai (2012); o impeachment da presidente brasileira, Dilma Roussef (2016) e a tomada da presidência de Evo Morales na Bolívia (2019).

O evento central do 15º aniversário do golpe de Estado em Honduras foi realizado no ginásio do Instituto Central Vicente Cáceres, local onde nasceu formalmente a FRNP, que mais tarde conseguiu não só derrotar a direita e o golpe, mas também se colocou na vanguarda desde o Executivo hondurenho até se tornar a primeira mulher presidente da sua história.

Estavam presentes o ex-presidente José Manuel Zelaya, a atual presidente Xiomara Castro; o candidato presidencial do Libre, Rixi Moncada; o líder sindical Juan Barahona, o vice-chanceler Torres e outras personalidades do governo hondurenho.

Também participaram convidados internacionais e delegações de familiares dos assassinados e desaparecidos. O dia teve excelente cobertura jornalística de diversos lugares do mundo.

A cor e o fervor foram proporcionados pela militância que levantou bandeiras e estandartes com os nomes das vítimas da ditadura, ao som das canções que a Resistência sabia cantar; e uma música chamou a atenção, dizia: “Quem não pula é guaxinim”, e Amador me explicou que se referia a quem ocupa altos cargos administrativos no Governo, mas que não saiu às ruas para mobilizar ou enfrentar os golpistas durante os 12 anos de interrupção democrática.

O gabinete governamental mais jovem da América

Este gesto de saúde e inteligência ideológica por parte da militância Libre, somado à intervenção da Presidente Xiomara Castro, sensibilizada pelo significado da data, foram propícios à exibição de um pequeno documentário da realizadora Katia Lara, que resume a principais acontecimentos de 15 anos atrás e mostra os militantes que lutam contra a ditadura, muitos dos quais fazem parte do atual gabinete do governo, o mais jovem da América.

Neste contexto emocionante, tomaram a palavra a coordenadora geral da Comissão de Familiares de Detidos e Desaparecidos em Honduras (Cofadeh), Berta Oliva e outros representantes sociais.

Também falou a Chanceler do México, Alicia Bárcena; o ex-presidente argentino Alberto Fernández e o chefe de Estado da Venezuela, Nicolás Maduro, que enviaram uma mensagem gravada na qual asseguravam que existe um compromisso total do seu país com o processo de mudança hondurenho liderado pelo presidente Xiomara Castro.

E o chefe de Estado destacou que “há sempre um nó na garganta, porque continuamos a aspirar à justiça para os nossos mártires… com a convicção de que temos que continuar a lutar por este povo, por Honduras, pela justiça social para todos .” Povo hondurenho.”

Por sua vez, Zelaya pegou o microfone e garantiu: “Somos produto de um povo, de uma luta, de uma convicção, de uma consciência, que ganha cada dia mais força, na busca dos nossos objetivos”.

O encerramento

Sim, o sol apareceu e a II Cúpula Social da Celac foi concluída com definições estratégicas das comissões de Soberania Alimentar, Justiça Ambiental e Climática e Liberdade de Expressão.

As palavras finais foram proferidas pelo secretário particular da presidência de Honduras, Héctor Zelaya, pela secretária executiva do Fórum de San Pablo, Mónica Valente, pelo representante coordenador da Celac em Honduras e vice-chanceler, Gerardo Torres, e por Patricia Rodas, ex-chanceler no governo de Manuel Zelaya, na época do golpe de Estado.

Ao tomar a palavra, Torres disse que em todas as mesas de trabalho houve dissidência, algo que classificou “como muito bom”, depois apelou ao “debate constante” e recomendou que aqueles que criticam o processo de integração democrática na América Latina e do Caribe leram e refletiram sobre o trabalho realizado por mais de 400 organizações.

“A América Latina bate cada vez que suas organizações sociais e políticas se reúnem e debatem… O sonho dos libertadores tem que saber passar para os libertários”, concluiu Torres no final dos dias em que o Fórum de San Pablo também desempenhou um papel proeminente. papel, a Internacional Progressista e o Grupo Puebla.

Aconteceu na última semana de junho de 2024, em Honduras. A vocação latino-americana para a independência e a justiça estava ali presente.

* Jornalista (México, 7 de março de 1982). Nacionalidade argentina. Estudos Universitários: Bacharel em História Universal pela Universidade de Havana, Cuba, formado em 2009. Membro da Cátedra “Libertador San Martín” da Universidade de Havana.

Experiências profissionais: 2018-2023-Editor e editor do site Primeriendo Las Noticias. 2017-2018-Chefe Editorial da revista internacional Correo del Alba. La Paz, Bolívia. -Colunista do programa de rádio Contextos Salvajes da Rádio Patria Nueva, La Paz, Bolívia. 2012-Editor da Agência Jornalística de Buenos Aires (Agepeba) e Diretor do Portal del Sur (www.portaldelsur.info). 2011-Correspondente da Agência Sul-Americana de Jornalismo (APAS) em Havana, Cuba. -Assessoria de imprensa do Centro Cultural Pablo de la Torriente Brau em Havana, Cuba.

Realizou diversos trabalhos acadêmicos e eventos notáveis ​​de 2006 a 2020.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS