18.5 C
Brasília
domingo, 21 julho, 2024

Grã-Bretanha: uma transformação histórica após a vitória trabalhista e o revés dos conservadores.

Fonte da imagem: Reuters

Heba Ayyad*

Em linha com as expectativas, veio a vitória esmagadora alcançada pelo Partido Trabalhista nas eleições britânicas que ocorreram na quinta-feira, 4 de julho. O Partido Trabalhista apagou a derrota histórica sofrida nas eleições de 2019, que foi descrita como uma perda sem precedentes em toda a sua história. Por outro lado, as últimas eleições representaram também uma derrota histórica para o Partido Conservador, a pior em um século. Os Trabalhistas conquistaram 411 assentos na Câmara dos Comuns, que possui 650 assentos, enquanto os conservadores conquistaram apenas 120 assentos. Isso significa que o Partido Trabalhista desfrutará de uma maioria confortável na Câmara dos Comuns, o que lhe permitirá impor suas políticas que sempre defendeu durante sua oposição aos conservadores nos últimos catorze anos.

Analistas políticos britânicos descrevem o desempenho do Partido Trabalhista como uma das transformações institucionais mais bem-sucedidas da história política britânica, desde que Keir Starmer assumiu o controle do partido. Este foi um partido abalado pela derrota sob a liderança de Jeremy Corbyn nas eleições de 2019, e seus assessores inicialmente quebraram o controle da extrema esquerda para, em seguida, revitalizar o partido. Os Trabalhistas defenderam valores conservadores e conduziram uma campanha marcada por disciplina rígida. O total de votos do Partido Trabalhista não aumentou muito, mas Morgan McSweeney, chefe da campanha eleitoral do partido, conseguiu distribuir os votos eleitorais de forma muito eficiente e expandir o apoio que anteriormente se concentrava nas cidades para as províncias. Os resultados eleitorais resultaram em 43 assentos por milhão de votos para o Partido Trabalhista, um aumento em relação aos 20 assentos por milhão obtidos em 2019.

O ex-primeiro-ministro Rishi Sunak admitiu a derrota ao telefonar para Sir Keir Starmer para parabenizá-lo. Ele acrescentou: ‘O povo britânico tomou uma decisão preocupante esta noite. Eu assumo a responsabilidade pela perda.’ Sunak, o quinto primeiro-ministro conservador em 14 anos, não conseguiu reparar os danos causados ao seu partido devido à confusão praticada pelos seus quatro antecessores. A declaração do Partido Conservador, que prometia reduzir os impostos para os reformados e para o Serviço Nacional da Juventude, não fez qualquer diferença significativa nos resultados eleitorais. Nem os avisos que têm sido cada vez mais emitidos nos últimos dias sobre a ‘maioria crescente’ do Partido Trabalhista resultaram em qualquer mudança nas políticas eleitorais do Partido Conservador. Nos dias anteriores à votação, Sir Keir Starmer reuniu a sua base apelando a um ‘acerto de contas democrático’ com a corrupção e os delitos conservadores. Ele declarou numa conferência eleitoral: ‘Não esqueçam o que eles fizeram, não esqueçam as mentiras, não esqueçam as propinas’. Os eleitores do Partido Trabalhista não esqueceram, e a vitória foi esmagadora. No entanto, Sunak ganhou a cadeira em North Yorkshire, assim como seu chanceler Jeremy Hunt na área de Surrey, no sul de Londres. Mas ao amanhecer, onze membros do governo de Sunak tinham perdido os seus assentos parlamentares, incluindo o secretário da Justiça Alex Chalk, o secretário da Defesa Grant Shapps, e Penny Mordaunt, líder da Câmara dos Comuns e provável sucessora de Sunak. E estas não foram as únicas perdas de grande visibilidade. Liz Truss foi desonrada do seu cargo em Norfolk como punição pelo antigo Primeiro-Ministro cujo mandato desastroso prejudicou a reputação de competência econômica dos Conservadores.

O jogo de culpas começou imediatamente após o encerramento das urnas e a divulgação dos resultados iniciais. Jacob Rees-Mogg, líder do movimento Brexit, que também perdeu seu assento, culpou seus colegas pela destituição do antecessor de Sunak, Boris Johnson. Penny Mordaunt atribuiu o fracasso do partido ao custo de vida e ao acesso aos cuidados de saúde. Robert Buckland, derrotado pelo Partido Trabalhista em Swindon, expressou seu pesar pela falta de disciplina de Suella Braverman, Secretária do Interior do governo Sunak, que tem uma reputação questionável, derrubada pelas manifestações anti-guerra em Gaza. Braverman declarou que o Partido Conservador era um perdedor inevitável antes mesmo de abrir as urnas. Ela falou com uma calma alarmante para expressar seu pesar pelo fato de o partido não ter ouvido os eleitores, o que certamente levará à derrota eleitoral.

Além da vitória esmagadora do Partido Trabalhista, o principal beneficiário foi o Partido Liberal Democrata, que subiu de 11 para 70 assentos, o melhor resultado alcançado pelo partido em sua história. Os ganhos do Lib Dem concentraram-se nas cidades mais prósperas que eram redutos conservadores, incluindo Henley, a antiga sede de Boris Johnson, Tunbridge Wells e Wokingham. A nova ameaça às políticas do Partido Trabalhista e do seu novo governo vem da extrema direita, representada pelo partido Reform Britain, liderado por Nigel Farage. O partido conquistou quatro cadeiras, o que é uma conquista histórica, já que anteriormente tinha apenas um deputado. Em Clacton, ele recebeu 46% dos votos, um sucesso após sete tentativas anteriores de entrar na Câmara dos Comuns. Nigel Farage prometeu um “movimento nacional de massa” e, com outros três deputados de seu partido, Farage ficou em segundo lugar em antigos redutos trabalhistas como Sunderland, Blyth e Hartlepool, marcando uma mudança marcante na natureza da oposição ao novo governo de Sir Keir Starmer.

Outra ameaça também vem dos rebeldes da esquerda, já que Thangam Debbonair, Ministra da Cultura do governo trabalhista, perdeu seu assento para o Partido Verde, que conquistou quatro assentos no novo parlamento. Jonathan Ashworth, o oficial geral encarregado do desembolso de salários no Partido Trabalhista, considerado uma ferramenta ofensiva para o partido, perdeu para um independente, numa clara indicação da crescente influência do número de eleitores muçulmanos que rejeitaram a posição hesitante do Partido Trabalhista sobre a guerra em Gaza. Os independentes eleitos apoiam a luta do povo palestino.

Corbyn, o ex-líder trabalhista, também conquistou seu assento eleitoral como independente em Islington North. No topo da lista de tarefas do governo Starmer está a realização de uma operação no sistema de planejamento britânico, que ‘atrapalhou o investimento e a construção na Grã-Bretanha por muito tempo’, disse Rachel Reeves, a primeira mulher Chanceler do Tesouro na história britânica, que tem grandes ambições de reindustrializar a Grã-Bretanha, apoiada pelo investimento privado. Reconstruir o decadente Serviço Nacional de Saúde com novas tecnologias e tratamento preventivo, e resgatar um sistema de justiça criminal atormentado por atrasos nos tribunais e pela sobrelotação das prisões, são desafios que precisam superar o sombrio legado financeiro herdado da longa era conservadora. Observadores e analistas britânicos comentaram após a vitória esmagadora do Partido Trabalhista nas eleições parlamentares, dizendo que as recentes eleições resultaram na chegada de Keir Starmer ao número 10 de Downing Street. Agora, a questão mais importante será: que políticas podemos esperar do governo de Starmer nas próximas semanas e meses?

No topo da lista de prioridades do Partido Trabalhista estará a redução dos tempos de espera para tratamento nos hospitais estatais, que têm aumentado desde que os conservadores chegaram ao poder, há 14 anos, e aumentaram dramaticamente durante a pandemia de Covid-19. O Partido Trabalhista prometeu realizar 40.000 consultas adicionais por semana no Serviço Nacional de Saúde, que enfrenta dificuldades financeiras, mas como isso será financiado é um mistério. A declaração do partido sugere que isso será feito por meio da “implementação rigorosa de medidas contra a evasão fiscal” e outras lacunas.

Outra prioridade fundamental é a estabilidade econômica, à medida que o Reino Unido sai da crise do custo de vida e da recessão. O partido prometeu não aumentar as taxas de imposto sobre o rendimento nem o imposto sobre o consumo, conhecido no Reino Unido como imposto sobre o valor acrescentado (IVA). Starmer também se comprometeu a tornar as fronteiras do país mais seguras, criando um novo comando de segurança fronteiriça e utilizando “poderes semelhantes aos antiterroristas” para combater o contrabando de pessoas. Prometeu reverter a controversa medida dos conservadores de enviar requerentes de asilo que chegam à costa britânica, muitas vezes através de viagens perigosas pelo Canal da Mancha, para o Ruanda, e em vez disso eliminar as redes de contrabando de pessoas, sem direcionar recursos para o projeto em Ruanda. Em relação à política externa do Reino Unido, o partido afirmou que considera os Estados Unidos um “aliado indispensável” e que seu compromisso com a NATO será inabalável. Também buscará estabelecer uma relação “forte e ambiciosa” com a Europa, oito anos após o referendo do Brexit. O apoio do Reino Unido à Ucrânia também será firme sob um governo trabalhista. O governo de Starmer também planeia continuar a pressionar por um cessar-fogo imediato em Gaza.

Heba Ayyad*

Jornalista internacional

Escritora Palestina Brasileira.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS