12.5 C
Brasília
sábado, 20 julho, 2024

Governo do Peru cercado de problemas em diversas frentes

© AP Photo / Martin Mejia (Sputnik)

Lima (Prensa Latina) O Governo do Peru atravessa, após apenas 18 meses de mandato, uma série de problemas em diversas esferas sociais e políticas, que parecem confirmar a falta de consenso ou o que os adversários e as pesquisas consideram impopularidade e isolamento.

Por Manuel Robles/Correspondente-chefe no Peru

Desde as sondagens, em que a Presidente Dina Boluarte caiu para cinco por cento de aprovação, aos anúncios de marchas de protesto contra o Governo e às decisões do desgastado Parlamento de maioria conservadora, uma série de alterações legais e constitucionais favoráveis ​​a esse sector político e seus aliados.

Medidas dessa natureza vêm ocorrendo há meses no campo eleitoral, como proibir a participação de movimentos regionais nas eleições daquela área e a municipal, e fechar a possibilidade de candidatos de fora dos partidos existentes ou que possam cumprir . o registro complexo em tempo peremptório.

Estas e outras reformas, que um parlamentar descreveu como manobras da direita “para limpar o campo” de possíveis adversários nas urnas, são rejeitadas por organizações sociais, críticos de esquerda e centro e juristas que as consideram antidemocráticas e ataques aos direitos do eleitorado.

O ataque, como costumam chamá-lo vários meios de comunicação, registrou há algum tempo o restabelecimento da reeleição dos parlamentares e do Senado, eliminada em 2018 em referendo por mais de 80% dos eleitores.

A onda de medidas é considerada por amplos sectores como a execução de uma estratégia que inclui a tomada do sistema de justiça e de outras áreas do aparelho estatal e que visa capturar organizações eleitorais constitucionalmente independentes com o aparente propósito de controlar futuras eleições.

Aqueles que denunciam as medidas legislativas criticam ao mesmo tempo o Governo porque não contém a onda regressiva, ao manter um acordo tácito com a maioria parlamentar para preservar mutuamente a sua permanência apesar da contínua crise política, económica e social dos últimos anos.

Organizações de direitos humanos rejeitam uma nova lei pendente de ratificação e proposta pela extrema direita que prevê a prescrição de crimes considerados crimes contra a humanidade cometidos antes de 2002, quando o Peru aderiu à jurisdição do Tribunal Penal Internacional (que considerou imprescritível).

A lei também foi repudiada por instituições como a Ordem dos Advogados de Lima e a Sociedade Peruana de Direito Internacional e o sistema de justiça supranacional exigiu que o Estado peruano suspendesse a segunda votação da legislação até que o seu conteúdo fosse analisado.

Os procuradores supremos, superiores e provinciais aderiram ao repúdio e alertaram que, caso a legislação fosse aprovada, deixaria impunes os massacres de centenas de peruanos e outros crimes contra os direitos humanos cometidos por militares e policiais durante o chamado conflito interno ( 1990-2000).

A série de avanços das forças conservadoras no Parlamento sofreu um revés no dia 13 de junho, quando foi frustrada a tentativa de aprovação de uma lei cujos efeitos resultariam no banimento do candidato presidencial e nacionalista radical Antauro Humala, ao proibir aqueles que, como ele, foram condenados pelo crime de rebelião.

A denúncia de que a norma visa impedir a nomeação de Humala e, portanto, viola o princípio constitucional que proíbe leis com nome próprio, somada à possibilidade de vitimizá-lo e dar-lhe destaque, dividiu o bloco de direita e fechou caminho ao projeto ., pelo menos por enquanto.

A maioria parlamentar também é acusada de tomar inúmeras medidas antidemocráticas e anticulturais, como uma nova lei que exclui dos subsídios estatais – concedidos há décadas às produções cinematográficas – aqueles que vão contra o que é considerado pelos autores da ordem e da democracia. os princípios são a norma, descritos como censura pelo movimento dos cineastas.

A lei estabelece ainda que as produções do interior do país que obtenham o subsídio estatal receberão apenas metade do custo do filme financiado, o que é considerado discriminatório.

Por outro lado, o Ministério da Educação ainda aguarda a proposta de eliminação de uma lista de dezenas de manuais escolares por incluir conceitos como o chamado conflito interno ou igualdade de género, entre outros.

E na última semana da primeira Legislatura, uma comissão parlamentar aprovou preliminarmente um projeto de lei que dá aos pais o direito de decidirem que os seus filhos não recebam educação sexual nas escolas públicas; Isto, segundo especialistas em educação, invade as competências do Ministério da Educação.

A autora da iniciativa é a deputada Milagros Jáuregui, integrante de um grupo evangélico extremamente conservador e que, como pregadora, mantém a supremacia do homem no casal devido ao suposto mandato divino de que “ele é o rei e nenhuma mulher pode tirar sua autoridade.”

Por outro lado, as investigações ao chefe de Estado pelas mortes em protestos contra a sua ascensão por sucessão à presidência e investigações como a mais recente, por enriquecimento ilícito e suborno, devido à posse de relógios e joias caras.

Ao nível da segurança dos cidadãos, esmagados pelo crime organizado, o Parlamento aprovou uma lei que mitiga a legislação contra as organizações criminosas, ao ponto de exigir que as rusgas – por definição surpresa – só possam ser realizadas na presença do afectado e do seu advogado .

Além disso, aumentam os requisitos para investigar casos de organização criminosa com a devida drástica e só consideram como tal aqueles que merecem pena superior a seis anos e proíbem a apreensão ou imobilização de fundos de partidos políticos caso os seus dirigentes se envolvam em atividades de. corrupção, entre outras medidas.

Organizações empresariais e setores sindicais uniram-se na rejeição da norma, por considerarem que ela agrava a insegurança dos cidadãos ao favorecer organizações criminosas dedicadas a crimes como tráfico de drogas, extorsão e assassinos de aluguel.

A presidente, cuja administração questiona a veracidade das investigações que lhe atribuem mais de 90 por cento de desaprovação e proclama que não trabalha pensando nas pesquisas, parecia mortificada pelo cerco de situações conflituosas.

Num discurso público, o presidente disse que “estamos mais uma vez na narrativa perversa daqueles que se opõem ao progresso do povo, distorcendo declarações e criando histórias com o objetivo de colocar os cidadãos contra as suas autoridades, mas aqui estamos, firmes e digno”.

Afirmou que a reactivação económica é uma conquista, embora persistam queixas sobre a situação social nesse domínio, e destacou que o país vive “em democracia, em paz e tranquilidade, procurando o seu desenvolvimento”.

Ao mesmo tempo, a Associação de Movimentos Regionais esteve envolvida na preparação de uma marcha a Lima contra a aprovação definitiva da lei que proíbe eleitoralmente estas organizações e outras reivindicações, como a maioria, segundo as sondagens, de eleições presidenciais e parlamentares antecipadas.

Da Amazônia, os líderes da Nação Awajún anunciaram um dia de protesto em diversas regiões, contra a “constante violação e retrocesso de direitos por parte do Congresso, referendado pelo Executivo”.

Entretanto, a Provedoria de Justiça informou que no passado mês de Maio registou 209 conflitos sociais e 312 acções de protesto colectivo (10 por dia) e alertou que se não forem abordados com diálogo e negociação, podem levar a uma crise.

Na região andina meridional de Puno, bastião dos protestos do final de 2022 e de março de 2023, organizações sociais preparam novas manifestações para julho exigindo justiça para os que caíram nesses dias, entre outras demandas.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS