Brasília, 2 de dezembro de 2021 às 18:15
Selecione o Idioma:

Colômbia

Postado em 19/11/2015 12:15

FARC-EP denuncia postura do Governo de desacelerar processo de paz

.

Havana, 18 nov (Prensa Latina) As FARC-EP expressaram ontem sua vontade de avançar nos diálogos para a paz na Colômbia que se desenvolvem aqui, ao denunciar que o governo do presidente Juan Manuel Santos tende a complicar o progresso do referido processo.

Em um comunicado divulgado nesta capital, o comandante do Estado-Maior Central das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia-Exército do Povo (FARC-EP), Timoleón Jiménez, manifestou sua preocupação pela desaceleração no avanço das conversas de paz, devido à postura do Executivo depois da assinatura do acordo de justiça.

No texto, o líder guerrilheiro destacou a grande importância de tal convênio assinado no dia 23 de setembro, mas criticou que após esse histórico ato, “se voltaram frequentes (por parte do Governo) os adiamentos, os pretextos e as desculpas para não cumprir os ciclos e as sessões de modo esperado”.

De repente, resultou que o acordo sobre justiça não podia ser considerado fechado, que o único oficial era um comunicado. Que tinha que revisar uma série de temas, criticou Jiménez.

A uma escassa semana de cumprir-se dois meses do ato solene no qual se anunciou o feliz acordo, continua sendo impossível seu fechamento definitivo. E não porque as FARC-EP tenhamos desconhecido uma só letra do aprovado, acrescentou o chefe insurgente. Hoje preocupa-nos que do lado do governo prospere um verdadeiro propósito de reduzir, de complicar o progresso nos acordos. O lento ritmo imposto na Mesa e nas Subcomissões dá muito o que pensar, afirmou Jiménez.

Ante tal contexto, o dirigente guerrilheiro reafirmou que a Mesa de Diálogos é e deve continuar sendo o espaço ideal para discutir e chegar a acordos, pois nenhuma das partes tem o direito a concebê-la como um mecanismo para submeter a outra, ressaltou.

Chegamos até aqui porque em meio a todas as dificuldades se fortaleceu a confiança. Não deveríamos afetá-la de nenhum modo, assegurou.

Não queremos que se diga que as FARC-EP está anunciando faltar com a palavra pactuada. Pelo contrário, ao se apresentar os atuais obstáculos esperamos do governo nacional uma atitude positiva que nos permita concluir o quanto antes este longo conflito, disse Jiménez.

Presidente Santos, com vontade todo acordo é possível. A nossa existe e é firme, então que o façamos, enfatizou Jiménez.

Comentários: