Brasília, 24 de novembro de 2021 às 19:23
Selecione o Idioma:

Brasil

Postado em 22/02/2018 1:58

EUA querem levar cadeia produtiva inteira da Embraer para solo americano

.

Zarattini: americanos vão roubar a tecnologia nacional
Do portal DefesaNet:
Um grupo de empresários do segmento aeronáutico (…) tem procurado a Câmara de Comércio dos Estados Unidos para saber das possibilidades de se transferir para solo norte americano. Praticamente todas são ligadas à cadeia de fornecimento de peças e subsistemas da Embraer e pertencem ao polo aeroespacial de São José dos Campos. Isso havia sido estimulado alguns anos atrás pelo então secretário de Estado John Kerr (BR-US – SelectUSA e a Base Industrial de Defesa).

“Os americanos já estiveram aqui no Parque Tecnológico (de São José dos Campos) e formalizaram o convite para aderirmos ao programa de investimento nos EUA, mas na época já se ouvia rumores sobre a migração da Embraer que tinha acabado de comprar mais uma unidade por lá. Mas agora é uma realidade e nossa sobrevivência depende disto, vamos tentar nos qualificar para seguirmos junto com nossa parceira”, (…) observou o empresário de lidera o grupo e que tem uma larga experiência no segmento aeronáutico. (…) “Os EUA pedem que levemos nossos engenheiros e os técnicos mais capacitados, estão nos dando linhas de créditos especiais com juros baixíssimos, toda infraestrutura para produzir e a facilidade de comprar maquinários de ponta sem qualquer entrave.”

(…) O grupo contempla cerca de 50 empresas de diversos portes e atuação dentro da cadeia produtiva da Embraer. A intenção é conseguir fazer a migração no menor prazo de tempo possível e se tornar uma exportadora para a antiga estatal brasileira. Isso esvaziaria totalmente o parque industrial instalado no Brasil, o que facilitaria inclusive a migração integral da Embraer para os EUA, (…) levando toda sua equipe de engenheiros de projetos e de manutenção.

Em tempo: do deputado federal Carlos Zarattini (PT-SP):

Venda da Embraer para americana Boeing é criminosa”, diz Zarattini 

Na tentativa de denunciar e impedir a venda criminosa da Embraer para a gigante norte-americana de aviação Boeing, o deputado Carlos Zarattini (PT/SP) apresentou requerimento na Câmara nesta quarta-feira, 21, convocando os ministros da Defesa, Raul Jungmann, e da Fazenda, Henrique Meirelles, para prestarem esclarecimentos sobre as tratativas da compra. Isso porque, apesar de a Embraer ser privatizada, o governo federal tem o poder de vetar mudanças estratégicas, a chamada “Golden Share”, e impedir que essa venda comprometa os programas militares do País e a fabricação de aviões comerciais e jatos executivos. 

Segundo Zarattini, os termos do contrato não são de conhecimento público, o que suscita mais apreensão. Até o momento, o único que se sabe é que a Boeing vai controlar até 90% de uma nova empresa que receberia toda a área de aviação comercial da Embraer tanto de jatos regionais quanto executivos. “Com a compra, a Boeing acabará com a concorrência da Embraer e vai liderar o mercado de aviação mundial”, destacou.

Se efetivada a venda, o Brasil vai entregar toda cadeia produtiva e acúmulo tecnológico e científico nacional para os americanos. “A entrega da Embraer vai obrigar o fechamento de fábricas e milhares vagas de emprego. Precisamos nos opor a essa venda criminosa do patrimônio e do conhecimento nacional desenvolvido desde os anos 50 pela Aeronáutica, por meio do Marechal Montenegro, que fundou o ITA (Instituto Tecnológico da Aeronáutica) e o CTA (Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial), instituições que impulsionaram a criação a Embraer”, alertou Zarattini. 

A Embraer é uma empresa de alta tecnologia do setor de aviação e de defesa e estratégica no setor e para o Brasil. E a terceira maior fabricante de aviões do mundo e detém a tecnologia de aviões comerciais, executivos e militares. 

A inclusão na pauta de votações do pedido de convocação dos ministros da Defesa e da Fazenda depende de deliberação do presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia.

Leia também no Conversa Afiada:

Comentários: