Brasília, 14 de maio de 2022 às 02:10
Selecione o Idioma:

Sem Titulo

Postado em 24/09/2018 5:29

EUA não podem deixar de comprar petróleo venezuelano da noite para o dia

.

© Sputnik / Boris Babanov

Estados Unidos dependem do petróleo venezuelano e não poderão renunciar de uma hora para outra dele, afirmou em entrevista à Sputnik o embaixador da Venezuela na Rússia, Carlos Rafael Faría Tortosa.

Os EUA afirmaram em várias ocasiões que não descartam impor novas sanções à Venezuela, inclusive ao setor petrolífero do país no que diz respeito às vendas e à refinação do combustível fóssil.

“Eles só não fizeram ainda, porque os Estados Unidos dependem do nosso petróleo, e dependem de uma forma muito importante”, disse o diplomata, acrescentando que eles teriam que encontrar um fornecedor alternativo para substituir o petróleo do mercado venezuelano.

No dia 20 de maio, o presidente venezuelano Nicolás Maduro foi reeleito para um mandato de seis anos (de 2019 a 2025), mesmo sua reeleição sendo considerada fraudulenta tanto pela oposição como por uma série de países, dentre eles EUA.No dia seguinte ao resultado da eleição presidencial da Venezuela, o presidente norte-americano assinou um decreto proibindo cidadãos e entidades jurídicas dos EUA de comprarem ou venderem ativos que pertençam ao governo venezuelano nos EUA.

O embaixador venezuelano comentou que possíveis sanções dos EUA contra o setor petrolífero bolivariano não afetarão a cooperação russo-venezuelana.

“Acreditamos que nossa política de cooperação entre ambos os países é muito independente a alheia a qualquer ação que tenha a ver com sanções e bloqueio dos EUA”, declarou o diplomata.

Ele sublinhou que Caracas busca não só continuar, mas reforçar cooperação na área petrolífera com seus parceiros e aliados, particularmente com a Rússia, criando modelos diferentes, inovadores e engenhosos para ultrapassar bloqueios.

Nicolás Maduro em China
© REUTERS / HANDOUT/MIRAFLORES PALACE

A Venezuela está insatisfeita com a cota de produção no âmbito do pacto OPEP+, declarou à Sputnik MundoCarlos Rafael Faría Tortosa, acrescentando que a produção está diminuindo.”Estão sendo tomadas ações concretas para recuperar a capacidade de produção da nossa empresa principal (PDVSA)”, destacou o embaixador.

Ele lembrou também que um dos temas discutidos entre os líderes da Venezuela e da China se trata da ajuda financeira chinesa para auxiliar produção petrolífera do parceiro venezuelano.

A empresa PDVSA é a principal geradora de dinheiro para Venezuela, que depende dessa indústria, concluiu o diplomata.

Comentários: