10.5 C
Brasília
sábado, 20 julho, 2024

EUA, Chile e Cuba, outro 11 de Setembro

Washington (Prensa Latina) O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, convocou hoje um dia de oração e memória, 22 anos depois que um ataque terrorista explodiu o World Trade Center em Nova York.

Pela primeira vez na sua história, os Estados Unidos sofreram em primeira mão o impacto do terrorismo, que tem sido, em muitos casos, uma arma ao serviço do próprio Washington contra outras nações do mundo.

Em 11 de setembro de 2001, um grupo de 19 terroristas sequestrou quatro aviões comerciais; Dois deles colidiram com as torres gémeas do World Trade Center e um contra o Pentágono em Washington, DC, enquanto um quarto avião caiu na Pensilvânia.

Como resultado, quase três mil pessoas de cerca de 80 nações perderam a vida naquele que é considerado o maior ataque extremista sofrido por este país na sua história.

Na semana passada, Biden proclamou o dia 11 de setembro de 2023 como o Dia do Patriota e o Dia Nacional de Serviço e Memória e apelou a todos os departamentos, agências e instituições para exibirem a bandeira dos Estados Unidos a meio mastro esta segunda-feira.

Ele também convidou o povo americano a participar de serviços comunitários em homenagem àqueles que morreram naquele dia e pediu um momento de silêncio a partir das 8h46, horário do leste, para homenagear as vítimas inocentes que morreram como resultado dos ataques.

Na sexta-feira, as autoridades de Nova Iorque confirmaram a identificação dos restos mortais de duas pessoas, um homem e uma mulher, que morreram no Commerce Center, mas foram mantidos em sigilo a pedido de familiares.

Mais de mil restos mortais de pessoas que morreram naquele trágico dia ainda aguardam ser nomeados e, enquanto isso, permanecem guardados no Memorial e Museu Nacional do 11 de Setembro, erguido sobre aquelas que foram as duas torres reduzidas a cinzas pelos aviões.

Na noite de 11 de setembro de 2001, o então presidente George W. Bush falou ao povo americano no Salão Oval, num discurso televisionado no qual se referiu às “imagens de aviões voando contra edifícios, incêndios queimando, o colapso de imensos estruturas, (que) nos encheram de descrença, uma tristeza terrível e uma raiva silenciosa e inabalável.”

Nesse discurso, Bush delineou a estratégia de Segurança Nacional que mais tarde seria a proclamada cruzada global ou guerra contra o terror que, segundo Washington, seria travada em qualquer canto do planeta.

No dia 17 de outubro, o governante sublinhou: «A nossa será uma campanha ampla, travada em muitas frentes. É uma campanha que será travada dia e noite, na luz e nas trevas, em batalhas que vocês verão e batalhas que vocês não verão.”

Assim, em busca de Osama Bin Laden, líder da rede Al Qaeda, acusado de ser o responsável pelos ataques, os Estados Unidos invadiram o Afeganistão em outubro de 2001.

As tropas do Pentágono permaneceram numa guerra durante duas décadas, a mais dispendiosa que tiveram, e retiraram-se da nação da Ásia Central em 2021 sem atingir os seus objetivos: Bin Laden não estava no Afeganistão (apareceu 10 anos depois no Paquistão, onde forças especiais o mataram). dos Estados Unidos) e os talibãs regressaram ao poder.

Aliás, Bin Laden foi descrito por Washington como “inimigo público número 1”, mas nem sempre foi um adversário, pois na década de 1980, treinado pela CIA, participou da primeira guerra no Afeganistão contra a ex-União Soviética. e os americanos consideraram-no então um herói “combatente da liberdade”.

Em nome dessa própria guerra ao terror, a Casa Branca ordenou a invasão do Iraque e destruiu a Líbia.

Mas, olhando para trás, há outros 11 de Setembro que marcam a dor e a morte.

Esta segunda-feira marca 50 anos desde o golpe militar no Chile que encerrou os sonhos do Governo de Unidade Popular e de Salvador Allende, e se um elemento fica claro após uma recente desclassificação parcial de documentos, é o papel não só da CIA, mas também do atual presidente americano, Richard Nixon.

A administração Nixon (1969-1974) esteve intimamente envolvida nos esforços para impedir que Allende assumisse o poder em 1970 e na subsequente derrubada do seu governo em 11 de setembro de 1973, afirmou um artigo publicado no site Common Dreams.

Também em 11 de setembro de 1980, o diplomata cubano Félix García foi assassinado por terroristas nas mesmas ruas de Nova Iorque. Um crime que resultou da impunidade concedida a terroristas notórios que sempre gozaram de protecção nos Estados Unidos.

No dia de sua morte, no início da manhã, García comemorou a resistência de Allende junto com vários chilenos no Palácio de la Moneda, em Santiago, naquele outro 11 de setembro.

Cuba dedica esta data para prestar homenagem a todos os funcionários do serviço exterior que deram a vida para defender a Revolução daquela trincheira.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS