Brasília, 28 de janeiro de 2022 às 21:37
Selecione o Idioma:

Venezuela

Postado em 25/11/2021 4:29

Estados Unidos estão tentando desacreditar as eleições na Venezuela

.

Washington (Prensa Latina) O Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) venceu as megaeleições no domingo passado e os Estados Unidos tentam desacreditar os resultados, denunciou hoje o site The Grayzone.

A publicação descreveu os resultados, nos quais o PSUV obteve mais votos em 18 dos 23 estados e na capital, Caracas, como uma vitória esmagadora. O governo dos EUA respondeu tentando desacreditar a votação, disse ele.

O site cita uma declaração do Departamento de Estado que ataca as eleições venezuelanas, alegando que elas foram “falhas” e que o “regime” do presidente democraticamente eleito Nicolás Maduro supostamente “distorceu grosseiramente o processo para determinar o resultado”.

Em sua declaração, ele acrescentou, o Secretário de Estado Antony Blinken referiu-se ao golpista não eleito Juan Guaidó como o suposto “presidente interino” da Venezuela.

O Grayzone destacou uma entrevista com o jornalista Diego Sequera, o podcast Rebeldes Moderados, na qual ele exclamou: “Se o governo de Maduro é uma ditadura, deve ser a ditadura mais imperfeita e a ditadura mais inconsistente que eu já vi”.

Havia “três vezes mais candidatos da oposição concorrendo em todas essas diferentes eleições, muito à frente dos candidatos Chavista”, acrescentou ele.

“Portanto, é uma ‘ditadura’ muito estranha e imperfeita que permite a participação da oposição política, que lhes permite votar, que garante o direito de voto e também um processo transparente para votar”, disse.

Sequera enfatizou como a administração do Presidente Joe Biden deu continuidade às políticas agressivas de Donald Trump’s na América Latina.

“Vejam o que aconteceu em Cuba. Não foi a inversão da política de Trump, da política de (Mike) Pompeo, e não foi um retorno à era Barack Obama nas relações EUA-Cuba”, disse Sequera. “Na verdade, ele permaneceu sob a estrutura da política do Departamento de Estado do Trump”, disse ele.

Comentários: