Brasília, 19 de janeiro de 2022 às 15:11
Selecione o Idioma:

Colômbia

Postado em 30/10/2021 8:17

Denunciados na Colômbia abusos da polícia contra manifestantes

.

Bogotá (Prensa Latina) A Campanha Defender a Liberdade: assunto de Todos denunciou hoje o uso excessivo da força pela polícia colombiana contra as manifestações.

‘Continua o uso de armas de baixa letalidade que causaram múltiplos ferimentos pessoais e inclusive a morte de quem se manifesta’, destacou a rede de organizações que trabalha para denunciar as detenções arbitrárias, as perseguições judiciais e a criminalização do protesto social na Colômbia.

Lembrou que na noite passada as ações excessivas e abusivas do Esquadrão Móvel Antidistúrbios (Esmad), braço de elite da polícia, deixaram vários feridos gravemente em Usme, no sul da capital.

Da mesma forma, denunciou os ataques à imprensa e aos defensores dos direitos humanos, a quem os fardados impedem o seu trabalho de fiscalização e intervenção a favor do cumprimento dos direitos fundamentais dos seus manifestantes.

‘As investigações criminais são urgentemente necessárias contra os encarregados da aplicação da lei que cometeram abusos desse tipo’, exortou a rede.

Enquanto isso, o jornal El Tiempo, confirmou que ‘um menino de 14 anos se debate entre a vida e a morte’ depois de ser atingido por um projétil de gás lançado pelo Esmad na cidade citada, onde dezenas de pessoas saíram para protestar na noite passada contra o governo.

Também foi determinado que há outra criança com menos de 17 anos ferida, acrescentou a publicação.

De acordo com o jornal, o general Jorge Eliécer Camacho, comandante da Polícia Metropolitana, disse que se está trabalhando para esclarecer os fatos e alertou que haverá sanções disciplinares se comprovada a responsabilidade de um agente.

A partir desta quinta-feira, 28 de setembro, até tarde da noite, foram registrados distúrbios violentos nas cidades de Usme, Kennedy e Suba.

Por sua vez, o vereador Diego Cancino, de Bogotá, destacou no Twitter que Esmad chegou e não falou com os manifestantes e o violento confronto começou imediatamente.

Nesse contexto, voltam à tona os projetos de lei dos senadores da oposição Iván Cepeda, Antonio Sanguino e Feliciano Valencia, que buscam o desmantelamento definitivo do Esmad. Os parlamentares asseguram que sua permanência é baseada na filosofia dos adversários e por isso é necessário que este tipo de Esquadrão não funcione, muito menos para evitar ou combater a mobilização social.

Ao longo dos 22 anos de existência do Esmad, pelo menos 61 morreram e há um grande número de denúncias de abusos policiais, uso excessivo de força e crimes que podem ser equiparados a tortura, entre outros.

Comentários: