Brasília, 21 de janeiro de 2022 às 10:41
Selecione o Idioma:

Cuba

Postado em 19/11/2020 10:52

Cuba tem condições de conseguir um forte sistema de ciência, tecnologia e inovação

.

Temos condições de conseguir um forte sistema de ciência, tecnologia e inovação, onde consigamos fertilizar as necessárias interligações entre o setor do conhecimento, o setor produtivo e de serviços e a atividade do Governo. A afirmação foi feita pelo presidente da República, Miguel Díaz-Canel, ao conduzir uma reunião, no Palácio das Convenções, com as Câmaras de Governo, órgãos representativos dos interesses do Estado no controle da gestão empresarial do Estado.

No encontro, onde a ministra da Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente, Elba Rosa Pérez Montoya, fez uma apresentação sobre o financiamento das atividades de ciência, tecnologia e inovação, o presidente considerou que, apesar das 43 medidas aprovadas para o fortalecimento da empresa estatal, ainda há inércia em termos de propostas nestes momentos complexos, atravessados ​​pela Covid-19 e pela intensificação do bloqueio, e convocou o sistema empresarial a promover de imediato uma cultura de inovação, destacou o site da Presidência .

«O olhar de quem dirige as empresas e os Conselhos de Governo tem de estar voltado para isso, tem de ver quais os obstáculos que temos de eliminar, quais os elementos que nos podem permitir mais uma motivação para o setor empresarial impulsionar a nossa economia», disse.

O chefe de Estado refletiu sobre a contradição que surge em Cuba. Somos um país subdesenvolvido, com alto índice de desenvolvimento humano, reconhecido no último relatório do PNUD, o que nos permite ocupar o 72º lugar internacionalmente, especialmente pelo trabalho social e pelas políticas públicas desenvolvidas pela Revolução, disse. Por outro lado, acrescentou, no ranking mundial de inovação, do qual participam várias entidades, entre as quais a Organização Mundial para a Propriedade Intelectual, existem cerca de 143 países, e Cuba não integra o índice Global de Inovação.

«Ter uma nação socialista, soberana, próspera e sustentável exige inovação e pesquisa científica na solução dos problemas do país», afirmou.

Temos esse modelo que funciona, que foi idealizado e desenvolvido pelo Comandante-em-chefe, Fidel Castro Ruz, e posteriormente trazido pelo general-de-exército, Raúl Castro Ruz, a peculiaridade de passar do sistema orçamentário ao empresarial. Aquilo ficou um bom exemplo e não generalizamos, avaliou, embora, disse, não estejamos detidos. «Qual foi a forma de trabalho do Governo para enfrentar a epidemia? Convocar os especialistas do Ministério da Saúde Pública, o seu Conselho Consultivo, que é um dos que sabe gerir a inovação, a comunidade científica, todas as disciplinas e conhecimentos», e concluiu: «Temos um protocolo mais robusto para cuidados com a doença e os melhores indicadores no seu manejo. Respondemos a um problema complexo e intenso em pouco tempo aplicando a gestão da inovação».

Questionado sobre o que precisamos para que a inovação seja uma importante alavanca para o desenvolvimento do país, principalmente no setor empresarial, Díaz-Canel traçou o caminho: precisamos de uma gestão governamental que estimule a inovação e estamos construindo; um sistema de negócios inovador, e ainda há um longo caminho a percorrer; um marco regulatório, que temos, e um financeiro, em que os passos são dados; e o potencial humano que o país criou.

Nesse caminho essencial, afirmou, «temos que ver a inovação como um processo social, multiatoral, interativo, sistêmico, capaz de favorecer a produção, a disseminação e o uso do conhecimento».

A reunião foi conduzida por Marino Murillo Jorge, chefe da Comissão Permanente de Implementação e Desenvolvimento, e pelo segundo secretário do Comitê Central do Partido, José Ramón Machado Ventura; o vice-presidente da República, Salvador Valdés Mesa; o primeiro-ministro, Manuel Marrero Cruz, e os vice-primeiros-ministros e titulares de várias pastas.

Comentários: