Brasília, 14 de janeiro de 2022 às 06:50
Selecione o Idioma:

Internacional

Postado em 08/06/2020 5:13

Como é ser um estado vassalo. Império dos EUA: Biden e Kerry davam ordens ao presidente da Ucrânia

.

Em 19 de maio, um aviso político internacional implícito foi emitido, mas não foi emitido entre países; foi emitido entre facções aliadas versus facções opostas em cada um dos dois países: EUA e Ucrânia. Nos Estados Unidos, é um aviso do Partido Republicano ao Partido Democrata: um aviso de Trump contra Biden e Obama. Está dizendo: “Temos as mercadorias para você e ainda não as estamos divulgando. Mas aqui está uma amostra. Então, vamos negociar.”

É um aviso que vem do atual presidente da Ucrânia, Volodmyr Zelenskiy, e coloca em uma luz excepcionalmente ruim seu antecessor imediato, Petro Poroshenko, como tendo sido um mero vassalo do antecessor imediato de Trump, Obama.

A facção pró-Zelenskiy ucraniana, anti-Poroshenko e pró-Trump, está alertando o Partido Democrata dos EUA, que apoiou Poroshenko. Este aviso é enviado por uma estação de TV ucraniana pró-Zelenskiy, InTimeUkraineTV, e foi emitido em um youtube de 32 minutos em 19 de maio de 2020:

Pode-se ouvir lá, primeiro, o secretário de Estado dos EUA John Kerry e, em seguida, o vice-presidente dos EUA, Joe Biden, dizer ao presidente da Ucrânia Petro Poroshenko como administrar seu país para que o FMI continue a garantir (apoiado pelos contribuintes americanos e aliados) os investimentos de investidores privados americanos e aliados em dívidas do governo ucraniano (títulos). A alternativa que Poroshenko enfrentou foi sempre que esses investidores perderiam o que eles tinham investido, e que Poroshenko não seria mais protegido pelo Governo dos EUA e por seus governos aliados.

Esses são apenas trechos selecionados e constituem também um aviso de que, a menos que o povo pró-Poroshenko e pró-Obama logo comece a cooperar com o povo pró-Zelenskiy e pró-Trump, trechos de conversas telefônicas diplomáticas EUA-Ucrânia que foram registradas ainda mais incriminadoras contra o povo de Poroshenko-Obama também serão tornadas públicas. Nesse sentido, é como chantagem, mas atualmente é apenas um risco político – em vez de legal.

Aqui estão algumas das revelações notáveis ​​neste, o primeiro desses lançamentos:

As autoridades americanas, agentes do presidente dos EUA, Barack Obama, são mostradas, no início de 2016, não negociando, mas instruindo, o presidente da Ucrânia Petro Poroshenko, que, às 17:00 – 22:50, pede a Biden que “aumente a pressão” em para conseguir que as facções parlamentares (extremistas anti-russas) de Tymoshenko, Lyashko e Samopomich apoiem os projetos de lei exigidos pelos EUA (propostas de leis) que estão no parlamento da Ucrânia. Às 19:20, Biden menciona a americana Natalie “Jaresko [em sua] página no Facebook falando sobre querer considerar ser primeiro-ministro do governo tecnocrático.” O blog de Michael Bloomberg (Bloomberg News) havia encabeçado, em 22 de março de 2016, “Jaresko da Ucrânia diz que estaria disposta a chefiar um novo gabinete”, e relatou que nem o presidente Poroshenko nem o (secretamente nomeado por Obama – veja o vídeo aqui desse segredo) A nomeação dos EUA do primeiro-ministro da Ucrânia, e a transcrição e explicação aqui aqui), o atual primeiro-ministro ucraniano (nomeado pelos EUA), Arseniy Yatsenyuk, falaria publicamente sobre a iniciativa da americana Natalie Jaresko de se tornar (a norte-americana nomeada ) Sucessor de Yatsenyuk. A resposta de Poroshenko a Biden foi “prometer [a você] receber minha proposta sobre o governo tecnocrático de Jaresko”. Os funcionários da Bloomberg relataram lá que o FMI queria que ela se tornasse a sucessora de Yatsenyuk, para que “as reformas sejam mais radicais e signifiquem mais riscos políticos, mais conflitos possíveis com o parlamento” (porque – embora a Bloomberg tenha ocultado isso – proteger os investidores em títulos do Governo ucraniano exigiria ainda mais o empobrecimento do público ucraniano). Como Poroshenko disse a Biden às 20:00, “a razão da crise política é que as três frações (facções ou partidos políticos) de Samopomich, Tymoshenko e Lyashko saem da [saída] da coalizão e nós somos deixados juntamente com o Primeiro Ministro [nomeado pelos EUA] em uma minoria. Convido Samopomich e proponho que apoiem Jaresko ou que proponham [seu] líder como [o] próximo primeiro ministro.” Portanto, embora Poroshenko não tenha apoiado publicamente a tentativa de Jaresko de se tornar o próximo primeiro-ministro a substituir o atual nomeado pelos americanos, ele confirmou em particular a Biden que apoiava a escolha dela ou de Samopomich para preencher esse ponto. Mas Poroshenko continuou dizendo que Samopomich cooperaria apenas desta vez, e Poroshenko explicou a Biden: “Isso não é possível sob nossa Constituição; eles deveriam inscrever pessoalmente seus membros na coalizão”, o que se recusaram a fazer. O vassalo, Poroshenko, estava aqui explicando ao imperador Obama (através do mensageiro do imperador, Biden), as dificuldades que estavam impedindo a inserção forçada do povo ucraniano pelo FMI.

(22:15) “Sem Samopomich, com a rejeição de Tymoshenko e Lyashko, não temos [o suficiente] para o seu pedido [de] 226 votos” (uma maioria governante – que permitiria que o público da Ucrânia se tornasse ainda mais explorado diretamente e o público americano e aliados se tornarem mais explorados indiretamente porque os riscos financeiros negativos dessas dívidas internacionais seriam então transferidos para eles). (22:40) “Pedi para entrar em contato com [seu] embaixador talvez para aumentar a pressão e apoiar a candidatura de Jaresko por Samopomich.” (23:23) “Nossos parceiros nos EUA concedem subsídios a Samopomich e lhe dão um apoio financeiro significativo”. Poroshenko estava dizendo a Obama (via Biden) “talvez para aumentar a pressão”, se ele quiser que os políticos eleitos da Ucrânia cooperem. Ele estava dizendo: eles não querem perder seus assentos, mas talvez mais dinheiro dos contribuintes dos EUA possa convencê-los a correr o risco de perder seus assentos (por meio de subornos e/ou ameaças suficientemente altos).

Não se sabe se o InTimeUkraineTV, ou qualquer outra frente de Zelenskiy, tem essas gravações desde o golpe que deu o controle do governo da Ucrânia ao governo dos Estados Unidos, mas não se sabe, mas as evidências anteriores sugerem que quase certamente é o caso.

Se já existem negociações em andamento entre a equipe de Trump e a equipe de Obama sobre como os EUA serão administrados (ou como serão realizadas as ‘eleições’), é ainda menos certo. O que não foi divulgado a partir dessas gravações é uma arma.


Autor: Eric Zuesse
Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Strategic-Culture

Comentários: