Brasília, 9 de junho de 2021 às 01:04
Selecione o Idioma:

Papo do Dia:

Chile

Postado em 24/11/2019 5:27

Chile: Piñera anuncia projeto para aumentar funções das Forças Armadas e aumento do efetivo policial

.

© REUTERS / Rodrigo Garrido

AMÉRICAS

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, anunciou neste domingo (24) que irá aumentar o efetivo policial e dar novas atribuições às Forças Armadas. O objetivo é conter a onda de protestos que abalam o país.

O presidente de centro-direita voltou a apoiar as duas instituições após uma semana em que elas foram duramente questionadas pela forma como reprimiram atos populares.

Em um discurso surpreendente, Piñera lamentou o número de civis mortos e feridos, sem especificar números, embora ele tenha enfatizado que “até o momento temos 2.171 carabineiros [polícia militar do Chile] feridos, alguns gravemente, e 154 quartéis de polícia atacados”.

Ele afirmou que esta semana enviará ao Congresso um projeto de lei que permite às Forças Armadas colaborar na proteção da infraestrutura do país. O objetivo, segundo o presidente chileno, é equiparar a legislação local com a de outros locais do mundo.

Ele também disse que a polícia chilena receberá nesta semana conselhos profissionais da polícia da Inglaterra, França e Espanha “para melhorar sua capacidade operacional, controle da ordem pública e proteção da segurança dos cidadãos”. Além disso, 4.354 policiais terão sua data de formatura antecipada para reforçar o efetivo das autoridades.

As manifestações começaram no Chile após o aumento no preço do metrô de Santiago, mas ampliaram a pauta e passaram a englobar assuntos como aposentadoria, sistema de saúde, educação, entre outros temas.

“A democracia tem o dever e a obrigação de se defender da violência destrutiva que causa tanto dano, com as armas da democracia e do Estado de direito”, disse Piñera segundo a agência de notícias Associated Press.

A promotoria chilena investiga 26 mortes desde o início dos atos no país. Mais de 287 perderam a visão desde o início da repressão e outras 2.200 pessoas ficaram feridas durante as manifestações.

Sputnik

Comentários: