Brasília, 7 de agosto de 2022 às 10:12
Selecione o Idioma:

Chile

Postado em 11/08/2020 11:19

Chile: a saúde do líder mapuche se deteriora devido à greve de fome

.

Santiago do Chile, 11 de agosto (Prensa Latina) A saúde do conselheiro espiritual Mapuche Celestino Córdova está cada vez mais precária devido a uma greve de fome que já tem 100 dias, relataram seus amigos mais próximos, que disseram temer por sua vida.
Córdova e outros 26 presos estão em greve em várias prisões da região da Araucanía, no centro do Chile, exigindo do governo o cumprimento da Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e permitindo-lhes passar parte de suas sentenças em suas respectivas comunidades.

Até agora as poucas abordagens entre o governo e os porta-vozes dos prisioneiros não tiveram resultados concretos, embora no domingo o presidente Sebastián Piñera tenha dito que La Moneda estava aberta ao diálogo como forma de acalmar as crescentes tensões em La Araucanía.

Mas com o passar dos dias a saúde dos grevistas piora e, segundo Giovana Tafilo, a porta-voz de Machi, durante o fim de semana Celestino Cordova sofreu complicações que forçaram a preparação das condições no Hospital Intercultural de Nueva Imperial para atendê-lo se sua saúde se deteriorasse ainda mais.

Outros presos também apresentaram problemas de saúde e até quatro dos detentos da prisão de Angol foram transferidos para um hospital.

Os analistas advertem que, na ausência de um diálogo rápido e bem sucedido e da deterioração da saúde de Machi Celestino Córdova e outros prisioneiros, se algum deles morrer, haveria um aumento de proporções imprevisíveis da violência em La Araucanía, que já se agravou nas últimas semanas.

Um recurso de proteção legal apresentado pela defesa de Córdoba foi agendado para ser revisto ontem pelo Tribunal de Apelações da cidade de Temuco, mas devido à desqualificação de um dos juízes, foi adiado para terça-feira, informes da capital regional indicados.

Enquanto isso, há cada vez mais vozes exigindo um processo de diálogo entre o governo e representantes do povo mapuche, e até mesmo o Instituto Nacional de Direitos Humanos (INDH) se ofereceu para mediar nas possíveis negociações.

Em declarações à Rádio e Diario Universidad de Chile, o advogado e acadêmico Salvador Millaleo, assessor do INDH, disse que ‘uma possível solução ainda não está à vista’, embora tenham sido feitos progressos nas conversações realizadas na última sexta-feira entre o Ministério da Justiça e os porta-vozes de Córdova, mas não com outros prisioneiros.

Comentários: