Brasília, 18 de outubro de 2021 às 16:56
Selecione o Idioma:

Papo do Dia

Postado em 08/09/2021 7:13

CHEGA DE ENROLAÇÃO SEU FUTURO É A PRISÃO

.

Da Redação do Pátria Latina em São Paulo

O Sete de Setembro foi um peido, quando ameaçava colossal diarreia. Em tudo Jair Fakeada Bolsonaro é uma farsa.

Político medíocre, que beneficiava apenas as filhas e viúvas de militares, e há 30 anos lhe davam seu voto no Rio de Janeiro, além da covarde classe média, que levava a orgasmos, colocando nos muros próximos de suas residências, na zona oeste do Rio de Janeiro, o slogan nazista: bandido bom é bandido morto. E ainda precisava de Deus acima de tudo!?

Político mais desonesto, seguidor de Eduardo Cunha, que extorquia dos funcionários, não para comprar deputados, mas imóveis e outros bens, também no Rio de Janeiro, com as rachadinhas na Assembleia fluminense e no gabinete em Brasília. Que hoje lhe provocam medo e despesa com o poder judiciário.

Presidente, inundando o Executivo federal com militares como ele, incompetentes e de duvidoso escrúpulo, com inimagináveis salários, para quase todos demais brasileiros, de até 260 mil reais. E para que?

Todo Brasil pode assistir a reunião ministerial de 22 de abril de 2020 e viu o ministro Paulo Roberto Nunes Guedes (24 de agosto de 1949) dando um puxão de orelha no general Walter Souza Braga Netto (11 de março de 1957), que colocou o rabo entre as pernas e ficou mudo. Por que antiguidade é posto? Ou por que são as finanças internacionais que realmente mandam no Brasil, e todos demais são apenas palhaços no picadeiro, desviando a atenção do assalto que elas cometem?

Para vocês eleitores, estejam enrolados na bandeira brasileira, ou israelense, ou estadunidense, ou apenas nas palavras dos corruptos do governo e da oposição, vamos contar um fato, não um fake, do que se faz com seu dinheiro. E é legal, pela Lei 14.185, de 2021, que autoriza o Banco Central (BC) a receber depósitos voluntários remunerados apenas das instituições financeiras.

Você deixa seu dinheiro no banco e vai pagando suas contas, fazendo suas despesas até a próxima remuneração. Por isso, o banco fica com seu dinheiro e de todos que também recebem pagamento pelo sistema bancário. Uns deixam mais, como os generais ministros, outros quase nada e até ficam devendo, como a maioria absoluta dos brasileiros.

Mas no fim de cada dia, o banco tem um expressivo dinheiro que é dos clientes, não é dele. E esta lei permite que o banco use este dinheiro que é seu, dos clientes como você, para ganhar os juros, dinheiro apenas para ele. Legal, não é?

Vamos ver a consequência desta lei promulgada pelo Jair, um messias para os bancos e empresas estrangeiras.

Antes de ser legal, esta operação já existia, mas não tinha a proteção da lei. Foi o senador do PT de Sergipe, Rogério Carvalho quem a propôs.

Entre 2010 e 2019 – dez anos – os bancos receberam R$1,015 trilhão, em moeda de outubro de 2020 (Auditoria Cidadã da Dívida). E de onde saiu este dinheiro? Do orçamento federal! Isso mesmo, dos impostos que você paga para tudo: comer, vestir, andar de ônibus ou de trem, e tomar a cervejinha. Dinheiro que poderia estar sendo utilizado para educação, para saúde, para o transporte urbano, para moradia com saneamento básico e outras exigências sociais da cidadania. Porém tem sido destinado para abusiva e imoral (pois a lei tornou esta imoralidade legal) remuneração aos bancos! Um viva ao ministro querido do Bolsonaro, o posto Ipiranga Paulo Guedes!

E tem mais, os juros deste dinheiro, que é seu, mas vai para o banco, serão estabelecidas pelo Banco Central, ou seja, poderão ser equivalentes ao que o Tesouro Nacional tem pago sobre os títulos públicos – no patamar de 9% – muito superior à Selic que está hoje em 5,25% ao ano.

E não para aí, este honesto governo Bolsonaro. Como o Governo emite títulos de dívida para este cambalacho legal, a dívida do Brasil aumenta, e irá justificar taxa Selic ainda maior, e assim menos dinheiro para atender ao povo brasileiro, enrolado não na bandeira, mas na lábia dos governantes e da mídia que também ganha sua parte, seja apoiando ou exigindo ainda mais do governo.

 

Mas, com o covid 19 e suas quase 600.000 mortes, não dá para ficar só neste legalizado assalto ao seu bolso e ao cofre público.

Primeiro o Brasil, as forças armadas inclusive, comprou remédio que não serve para vírus, só para outras enfermidades. Mas rendeu uma bela comissão e vai para o lixo, pois tem prazo de validade e, como está nos manuais, são medicamentos utilizados para a prevenção e o tratamento da malária e vermes. Para o vírus só existe a vacina. Ou fugir do contágio.

Mas você já viu o que é feito pelas finanças, pelos bancos. E há um princípio que é adotado universalmente pelo sistema financeiro: a concentração de renda.

Para a concentração de renda não é necessário produzir, pois não haverá muita gente para consumir. O necessário é ter governos corruptos ou corrompíveis que remunerem muito bem o dinheiro. Nem que não seja dele, como vimos.

Por isso, o governo Bolsonaro está vendendo baratinho tudo que é brasileiro, seja público ou privado. Assim já foram e continuam indo para o controle estrangeiro as empresas estatais e levando ao mesmo destino as empresas brasileiras. E ele vai tendo dinheiro para pagar os bancos e as financeiras, em geral.

Então teremos, e já estamos vendo, muita gente desempregada e, pior ainda, sem qualquer condição de trabalho, pois este não mais existe. É a concentração de renda em ação. Mas estas pessoas forçarão a barra, pois nem querem morrer nem ver seus filhos mortos.

E para isso que serve o covid, sem vacina, sem cuidados sanitários, e como muita desinformação. E o Brasil já é vice-campeão mundial em número absoluto de mortes. Só perde para os Estados Unidos da América (EUA), que tem pobres, negros, latinos na fila da morte.

E, para que não fique pensando nisso, ao invés de feijão coma fuzil com arroz. Se conseguir comprar qualquer um deles!

Então caro leitor, fique com raiva: do pobre, do PT, do seu vizinho que come, mas seja enrolado pelo mito cujas portas das prisões sinalizam abertura para ele e familiares. E morra enganado como um corno!

Comentários: