14.5 C
Brasília
quinta-feira, 18 julho, 2024

Caracas sedia seminário internacional sobre o Holocausto Palestino

Uma mulher chora pelos corpos de seus parentes mortos em ataques aéreos israelenses em Deir al-Balah, centro da Faixa de Gaza, em 23 de outubro de 2023.

HispanTV-A Venezuela sediará a primeira conferência internacional no continente americano que abordará o Holocausto Palestino em curso na Faixa de Gaza.

Durante os dias 13 e 14 de junho, um grupo de intelectuais de todo o mundo se reúne no Centro Rómulo Gallegos de Estudos Latino-Americanos e Caribenhos (Celarg), em Caracas, capital da Venezuela, para participar do seminário internacional “Um Novo Holocausto no século XXI . “O sionismo ameaça o mundo” cujo objectivo é dar a conhecer a barbárie da agressão do regime sionista em Gaza e a realização de um genocídio contra o povo palestiniano muito semelhante ao levado a cabo pelos nazis no século XX.

Está previsto que, com a participação de destacados oradores venezuelanos e de vários países estrangeiros, incluindo os embaixadores do Irão e da Palestina, seja debatido nestes dias em quatro painéis: identidades judaicas e Israel; Israel, uma entidade criada artificialmente (pela ONU), a agressão em Gaza viola o direito internacional, e a causa palestina, uma causa de resistência.

Há vários oradores judeus que deixam claro que o judaísmo está separado do sionismo e que a religião judaica está a ser mantida refém de Israel e dos sionistas para promover os seus objectivos.

O seminário permite aos participantes conhecer os argumentos que levam à compreensão de que um novo holocausto está a ocorrer na Palestina no século XXI, com a diferença que se faz diante dos nossos olhos e a indiferença das organizações internacionais que são criadas para o impedir. 

A reunião aborda várias dimensões jurídicas, mediáticas e humanitárias dos crimes israelitas na Palestina.

Segundo os organizadores desta conferência, o alcance, a profundidade, a gravidade e a violência dos crimes de Israel na Palestina não são apenas inferiores aos de Hitler e dos nazis na Segunda Guerra Mundial; pelo contrário, é muito mais.

Embora os perpetradores do Holocausto tenham sido julgados nos Julgamentos de Nuremberga, e o mundo, especialmente a Europa e os Estados Unidos, tenham condenado veementemente o Holocausto da Segunda Guerra Mundial, eles agora evitam tomar a mesma posição e acção em relação ao Holocausto Palestiniano.

A Venezuela, o Presidente Nicolás Maduro e o seu governo condenaram inúmeras vezes o genocídio sionista na Palestina, não apenas agora, mas há muito tempo. Já em 2009, durante o governo do Comandante Hugo Chávez, o país rompeu relações com o regime israelita, reafirmando o seu total apoio à causa do povo palestiniano.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS