Brasília, 2 de dezembro de 2021 às 13:21
Selecione o Idioma:

Sem Titulo

Postado em 14/11/2015 10:40

Bresser-Pereira: “Impeachment seria um caos. Até eu iria para a rua

.

 

O economista Luiz Carlos Bresser-Pereira afirmou que não há motivos para um impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Segundo ele, as tentativas de derrubar a petista têm origem no “ódio” que a classe média tem do PT e no “oportunismo de alguns deputados”. Uma saída de Dilma “seria um caos”, avaliou. “Até eu iria para a rua. Nunca vou para a rua, sou um intelectual, mas se houvesse um impeachment com as razões que eles tem aí, pedaladas, TCU, eu iria”, disse ele, um dos fundadores do PSDB.

Em entrevista à BBC, Bresser, que é ex-ministro de Administração Federal e Reforma do Estado e da Ciência e Tecnologia, avaliou que a crise política atual está ligada a uma grande “insatisfação da classe média”, que teria desenvolvido um ódio em relação ao PT e ao governo.

“O PT não traiu os pobres, foi coerente nesse ponto, embora também tenha deixado os ricos ganharem muito dinheiro. Então os ricos e os pobres ganharam e a classe media ficou de fora. Essa classe (média) desenvolveu um ódio profundo ao PT e o governo. Uma coisa irracional, perigosa e antidemocrática”.

Segundo ele, um setor da sociedade brasileira radicalizou para a direita e passou a adotar posições “piores que udenistas, fascistas”. Questionado sobre as tentativas de afastar a presidenta, ele afirmou: “Acho que é resultado desse ódio e do oportunismo de alguns deputados, que se sentem ameaçados por essas investigações (de corrupção). Resolveram contra-atacar. E o contra-ataque se faz à presidente, porque ela não barrou a Polícia Federal e o Ministério Público (nas investigações)”.

Para o economista, as elites não estão engrossando o impeachment. “Acho que as elites brasileiras, e as empresariais principalmente, perceberam que isso (impeachment) não adiantaria nada. Poderia até piorar a crise. Então de um ponto de vista conservador, eles são contra”, avaliou.

O ex-ministro negou o discurso que a oposição tenta emplacar, de que a presidenta teria praticado um “estelionato eleitoral”, ao rever propostas de governo. “De nenhuma maneira. (…) Em outubro de 2014, quem estava prevendo que o Brasil entraria em uma gravíssima recessão econômica, com queda de 3% do PIB? Ninguém. Não sabíamos. A economia é uma cienciazinha muito modesta, só é perfeita na cabeça dos economistas ortodoxos. Só se começou a falar em crise em dezembro”, disse.

Ao comentar o ajuste fiscal promovido pela gestão, ele defendeu que os cortes são necessários e que o governo está cortando onde pode. “Defendo o retorno da CPMF: é um imposto pequeno, necessário”. Bresser, contudo, criticou a política monetária de juros altos implementada pelo Banco Central.

“Não sou a favor desse aperto monetário. Sei que a inflação está alta, mas com essa recessão não precisamos de juros mais altos para segurar os preços – o que, além de ser um empecilho para a retomada dos investimentos, têm um custo financeiro enorme”, condenou.

Fonte: www.vermelho.org.br

Comentários:

2 ideias sobre “Bresser-Pereira: “Impeachment seria um caos. Até eu iria para a rua”

  1. Até quando esta elite transvestida de “políticos salvadores da Patria” vão respeitar o resultado das urnas??? Chega de ódio e de revanchismo. Aceitem a derrota. Faz parte do jogo. Isto é golpe. Querem criar o terceiro turno?? Vocês oligarcas, deixam bem claro: Não gostam de pobre, preto e morador da periferia. Deixem a Presidenta DILMA governar. Ela é seria, honesta e passa credibilidade. Procurem o “pé do caboclo” e sequem suas lágrimas de crocodilo, maus brasileiros…

  2. Até quando estes “políticos salvadores da Pátria” vão aceitar a derrota nas urnas e deixar a Presidenta Dilma cumprir o seu mandato??? Isto é golpe. Vocês se eternizaram no poder e nunca fizeram nada pelo País. Acabaram com o emprego, entregaram o patrimônio público, esqueceram os pobres, negros e moradores da periferia. Chega de ódio. São verdadeiros oligarcas que torcem pelo “quanto pior melhor”. Lugar de chorar “é no pé do caboclo”, que talvez nem mereça as suas lágrimas de crocodilo.

Os comentários estão fechados.