14.5 C
Brasília
quinta-feira, 18 julho, 2024

Bolívia expressa apoio à luta de libertação palestina

O presidente da Bolívia, Luis Arce.

HispanTV – O presidente da Bolívia condena o genocídio de Israel em Gaza e apoia o povo palestiniano na sua luta de décadas para recuperar as suas terras.

“Os palestinianos estão a lutar para recuperar as suas terras, e as Nações Unidas reconhecem-nos como um povo que luta para estabelecer o seu Estado, e o que Israel está a fazer é um ato desumano e rude que é inaceitável para o povo”, disse Luis Arce numa entrevista. com a Al-Arabi TV  na segunda-feira.

O presidente boliviano destacou que “os contínuos bombardeios contra cidadãos palestinos desta forma violenta exigem a nossa total condenação” e garantiu que a Bolívia está trabalhando com a cooperação de vários países para acabar com a guerra contra a Faixa de Gaza.

Explicou também que a Bolívia decidiu romper relações com Israel em rejeição aos massacres que cometia contra os palestinos, embora o país andino não seja um país rico, é solidário com os palestinos, com o que tem.

Afirmou que La Paz conhece o passado histórico deste problema, que não começou agora como alguns retratam, mas remonta a décadas, razão pela qual tomou a decisão de romper relações com Israel, até chegar a uma solução pacífica com os palestinos.

Em relação aos ataques israelitas contra a cidade de Rafah, no sul de Gaza, onde as autoridades israelitas ordenaram aos palestinianos do norte e de outras áreas do enclave que se deslocassem para se protegerem dos seus ataques, Arce expressou a sua forte condenação.

“Condenamos nos termos mais veementes os bombardeamentos israelitas em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, que deixaram dezenas de civis palestinianos mortos. “Este novo crime de guerra perpetrado pelo exército israelita é sinistro e inconcebível.”

O líder andino sublinhou que a Bolívia é um país pacífico segundo o texto da sua Constituição e não pode aceitar este tipo de agressão, pedindo à comunidade internacional que tome medidas para deter os ataques.

O regime israelense desencadeou uma guerra genocida contra Gaza em retaliação ao fracasso sofrido durante a Operação Tempestade Al-Aqsa, levada a cabo em 7 de outubro pelo movimento palestino HAMAS em resposta a décadas de crimes da entidade sionista contra o povo palestino.

A guerra genocida da entidade sionista contra Gaza deixou até agora 38.243 mortos e 88.033 feridos, enquanto quase 10.000 pessoas estão desaparecidas.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS